domingo, 31 de janeiro de 2010

A caminho da República

A 31 de Janeiro de 1891 deu-se a revolta da guarnição militar do Porto. Esta revolta foi o culminar do clima de insurreição que se instalara na sociedade portuguesa, resultante do sentimento de indignação provocado pela cedência ao ultimato inglês. Por toda a parte, conspirava-se abertamente. Na imprensa, alguns intelectuais incitavam os militares à rebelião, que tinha como chefe civil o republicano Alves da Veiga. As forças rebeldes eram constituídas por soldados, cabos, sargentos e por três oficiais de baixa patente, tendo os sargentos desempenhado um papel decisivo na preparação e eclosão da revolta. Foi proclamada a República e anunciado o governo provisório nos Paços do Concelho, perante os militares revoltosos e os populares que, entretanto, se lhes juntaram.


Atacados pela Guarda Nacional, que se conservava fiel ao governo, os revoltosos viram-se obrigados a dispersar. Em poucas horas, a revolta foi debelada e os vencidos tiveram como destino a prisão e o exílio. Foi, no entanto, no 31 de Janeiro que, pela primeira vez, os republicanos se propuseram derrubar a monarquia pela via revolucionária.
 
 
Alguns dos revoltosos do 31 de Janeiro de 1891,
no Vapor Moçambique,
nas vésperas de seguirem para o degredo.

sábado, 30 de janeiro de 2010

#6

Ninguém poderá chegar à aurora sem passar pelo caminho da noite.
Khalil Gibran

Boa sorte nas novas funções


João Cordovil vai substituir Maria Leal Monteiro na Presidência da CCDRA - Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo. Este economista, quadro técnico da estrutura a que agora vai presidir, foi eleito Vereador da Câmara Municipal de Moura pelo Partido Socialista em 2005, acabando por suspender o mandato para exercer as funções de vogal no INAlentejo, até à presente data.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Políticos de primeira linha

- 'Tou? É o Louçã! Ouve lá, parece que vai haver uma manifestação qualquer hoje, sabes de alguma coisa?
- ...
- Dos enfermeiros? Mas o que é que esses querem agora?
- ...
- Pronto, também não interessa nada. Ouve, vai lá ver onde é a manifestação que eu já estou a entrar para o elevador, vou já para lá, onde quer que seja!
- ...
- Está bem, estou a caminho. Olha! Vê aí qualquer coisa que pareça inteligente e revolucionário, para eu dizer à primeira televisão que me aparecer à frente. Manda por sms.
- ...
- Ok, despacha-te. Vai ligar a televisão, já não demoro a aparecer.

450 anos de Universidade de Évora


Para assinalar o seu 450º aniversário, a (minha) Universidade de Évora resolveu convidar o colectivo de fotojornalistas da agência Kameraphoto para mostrar a realidade da Universidade, nas suas várias áreas, nos dias de hoje. O trabalho dos 13 fotojornalistas que trabalharam no projecto, ao longo de um ano lectivo inteiro, resultou em 170 fotografias e também num documentário em video - este é um trabalho exemplar, de que resultou uma exposição e um livro em 2009. A edição é da Reitoria da Universidade de Évora.

Os amigos do Sr. Belmiro

"Cavaco é um ditador. Mandou quatro amigos meus, dos melhores ministros, para a rua, assim de mão directa"

Mas quem é que este Sr. Silva pensa que é? Mandar assim os amigos do Sr. Belmiro para a rua!?

Quem era ele na altura, um simples primeiro-ministro, para tratar os amigos do Sr. Belmiro como se fossem uns meros empregados de hipermercado, daqueles que fingem ter família para sustentar?

Hum? O que é isto?

Ai, ai, ai...

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Moura Cidade Educadora VII

29 de Janeiro 2010

Exposição Caminhando e aprendendo juntos... na Escola Profissional

9h30
Início das visitas à exposição Olha por mim seguidas de workshop, no Cantinho da Música.

17h00
Sessão de Observatório de Educação / Selo de Qualidade Educativa Municipal (CIL), na Biblioteca da Escola EB 2+3 de Moura

20h30
Conversas com... Educar com Criatividade, no Posto de Turismo na Ludoteca Municipal.


Porque vem aí o Sábado, e as visitas a este blogue (e aos outros, pelo que tenho ouvido dizer) baixam drasticamente, deixo aqui o programa previsto para esse dia, que é também o último desta Semana da Comunidade Educativa:


30 de Janeiro de 2010

Exposição Mais Educação, na Escola Profissional de Moura

Exposição Caminhando e aprendendo juntos... na Escola Profissional de Moura

Exposição Sistema de Gestão de Informação na Educação (CIL), na Escola Profissional de Moura

9h00
Recepção aos participantes

9h30
Sessão de abertura do Colóquio Moura Cidade Educadora - Retrospectiva da semana

10h00
Painel As nossas escolas, os desfios da actualidade

10h40
Pausa para café

11h00
Painel Projectos Escolares, seguido de debate

13h00
Pausa para almoço (mediante inscrição)

14h00
Momento cultural

14h30
Painel Cidadania e Criatividade na Educação, seguido de debate

17h00
Sessão de encerramento

Moura Cidade Educadora VI

28 de Janeiro 2010

Exposição Caminhando e aprendendo juntos... na Escola Profissional

9h30
Início das visitas à Exposição Olha por mim seguidas de workshop, no Cantinho da Música.

20h30
Hora do Conto... para miúdos e graúdos seguido de Conversas com... História e Estórias: Educação e Cultura, na Biblioteca Municipal de Moura

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Obrigada

Mal nos conhecemos
Inaugurámos a palavra amigo!

Amigo é um sorriso
De boca em boca,
Um olhar bem limpo,
Uma casa, mesmo modesta, que se oferece,
Um coração pronto a pulsar
Na nossa mão!

Amigo (recordam-se, vocês aí,
Escrupulosos detritos?)
Amigo é o contrário de inimigo!

Amigo é o erro corrigido
Não o erro perseguido, explorado,
É a verdade partilhada, praticada!

Amigo é a solidão derrotada!

Amigo é uma grande tarefa,
É um trabalho sem fim,
Um espaço útil, um tempo fértil,
Amigo vai ser, é já uma grande festa!
Alexandre O'Neill

Moura Cidade Educadora V

27 de Janeiro 2010

Exposição Caminhando e aprendendo juntos... na Escola Profissional

9h30
Início das visitas à Exposição Olha por mim seguidas de workshop, no Cantinho da Música.

9h30
Início da dinamização de Jogos das energias renováveis (Lógica), na Ludoteca Municipal

14h30
Conversas com... Os amigos do Twitter e do Hi5 seguido de animação musical, na Escola Profissional de Moura

18h00
4 senses: Sessão de Snoezelen e Histórias Adaptadas (técnicos de educação: educadores, professores, auxiliares) - APPACDM de Moura

20h30
Conversas com... Lógica na Escola Secundária de Moura

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Pólo da Biblioteca Municipal e Biblioteca Escolar de Santo Amador

Parabéns pelo 3º aniversário!











O Pólo da Biblioteca Municipal e Biblioteca Escolar de Santo Amador serve uma população de 456 habitantes (segundo os censos de 2001). Estão actualmente disponíveis no espaço 1888 documentos, cumprindo plenamente os princípios estabelecidos de 3 documentos por habitante nos 3 primeiros anos de vida.
Além disso, e como acontece em todas as unidades da Rede Concelhia de Bibliotecas, estão acessíveis aos utilizadores de Santo Amador todos os documentos (mais de sessenta mil) existentes na Rede, através da circulação inter-bibliotecas.

Apesar de ser a mais pequena freguesia do Concelho de Moura, este Pólo regista uma das mais elevadas taxas de requisição de empréstimo de toda a Rede Concelhia. Em 2009 foram requisitados 2068 documentos na unidade de Santo Amador, correspondendo a uma média anual de 4,5 documentos por habitante.

No dia da inauguração, lembro-me de pedir aos Santoamadorenses presentes que utilizassem a Biblioteca porque fora criada a pensar neles. Pedi também que fossem exigentes connosco, porque só assim poderíamos melhorar o nosso serviço. Até ao momento, têm correspondido com excelência a esse pedido. A todos, o meu agradecimento.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Moura Cidade Educadora IV

26 de Janeiro 2010

Exposição Caminhando e aprendendo juntos... na Escola Profissional

9h30
Início das visitas à Exposição Olha por mim seguidas de workshop, no Cantinho da Música.

10h00
Programa Educação na ponta da língua na Rádio Planície

17h00
Inauguração do Mini-Campo de Futebol na EB1 dos Bombeiros

20h30
Encontro temático A educação e a cultura cigana (ADCMoura), no Cine-Teatro Caridade Posto de Turismo

Isentos!

- Então, o seu Sporting vai jogar com o Porto nas meias-finais da taça?
- Pois, é sempre a mesma coisa, calha-nos sempre a fava...
- Tiveram azar no sorteio. Nós ficámos isentos...

Estás com sentido de humor!

domingo, 24 de janeiro de 2010

Portugal, país educador?

A grande burla
(...) apesar do palavrório e dos trémulos de voz (quem não se lembra de Guterres com o coração na boca?), o Estado nunca de facto se preocupou em educar os portugueses. Ou porque não sabia o que era a educação (coisa provável e muitas vezes manifesta no pessoal dirigente) ou porque se limitou a ceder a pressões - regionais, corporativas, económicas, partidárias - com um total desprezo pelo resultado. Neste capítulo, o grande "esforço" oficial, como eles gostavam de chamar à falcatrua, não passou na prática de puro fingimento. Não admira que estejam hoje no desemprego entre 40 e 50.000 "licenciados". Nem que a produtividade não aumente. O que admira é que ninguém perceba que Portugal fabricou a sua própria miséria: por desleixo, corrupção e militante estupidez.


Vasco Pulido Valente no Público.

Moura Cidade Educadora III

25 de Janeiro 2010

Exposição Caminhando e aprendendo juntos... na Escola Profissional

9h30
Início das visitas à Exposição Olha por mim seguidas de workshop, no Cantinho da Música.

9h30
Sapatinhos de veludo (Centro Infantil Nª Sr.ª do Carmo) na Creche "O bem-me-quer", Amareleja

20h30
Conversas... aos cantos da casa, na Ludoteca Municipal

Já cá está o emplastro...

Quando ainda nem sequer se conhece o plano de intenções de Manuel Alegre, já há quem se encavalite para não perder tempo de antena.
O líder do Bloco de Esquerda (BE), Francisco Louçã, anunciou hoje o apoio do seu partido à candidatura "supra-partidária" de Manuel Alegre nas próximas eleições presidenciais, considerando que este trará "um projecto mobilizador de esperança e de convergência".
Aqui.

sábado, 23 de janeiro de 2010

Ainda chamamos a isto Evolução?

Já sei que vão achar esta conversa descabida, mas nos últimos dias não consigo deixar de pensar no Marquês de Pombal.

Os abalos sísmicos da manhã do dia 1de Novembro de 1755 foram sentidos em Portugal e no estrangeiro. O mais intenso terá atingido os 8,6 a 9 graus na Escala de Richter. Durante 9 minutos ocorreram 4 abalos sísmicos. Os dois primeiros tiveram uma duração de 1 minuto e 30 segundos. Pausa de 1 minuto e novo abalo de 2 minutos e 30 segundos. Novo minuto de intervalo e, em seguida, um abalo de 3 minutos.

Sem ajudas internacionais, sem centenas de repórteres a transmitir incessantemente imagens trágicas para todo o mundo, o Marquês de Pombal estabeleceu as prioridades: Enterrar os mortos, cuidar dos vivos e reconstruir a cidade.

Hoje, o mundo inteiro não consegue ajudar o Haiti. As organizações internacionais parecem impotentes perante a tragédia, enquanto no local se vive o inferno descrito por Saramago n'O Ensaio sobre a Cegueira. Navios de cruzeiros de luxo continuam a aportar no país e por todo o mundo há génios a formular teorias de conspiração ou elaborar dissertações para justificarem o terramoto com a evolução política dos últimos anos no Haiti.

O que está a acontecer à Humanidade?



Adenda: Depois de escrever este texto encontrei isto no Elevador da Bica:


Começa a discutir-se (uma vez mais) o que significa esta fotografia e quais são os limites do jornalismo. E não se pense que isto é discussão de jornalistas – ninguém escapa ileso desta conversa. Porque daqui a alguns dias não vamos querer ouvir falar do Haiti. Vamos decidir que já chega de Haiti.

A nova camisola do Sporting

Porque é muito bom podermos rir um pouco de nós próprios.



Copiado daqui.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Moura Cidade Educadora II



24 de Janeiro 2010

17h30  
Inauguração da exposição Olha por mim de Mirtilo Gomes

18h15  
Sessão de Abertura da Semana da Comunidade Educativa

18h45  
Momento cultural seguido de Porto de Honra

Moura Cidade Educadora I



Estudar é muito importante,
mas pode-se estudar de várias maneiras....
Muitas vezes estudar não é só aprender o que vem nos livros.

Estudar não é só ler nos livros que há nas escolas.
E também aprender a ser livre, sem ideias tolas.
Ler um livro é muito importante, às vezes urgente.
Mas os livros não são o bastante para a gente ser gente.
É preciso aprender a escrever, mas também a viver, mas também a sonhar.
É preciso aprender a crescer, aprender a estudar.

Aprender a crescer quer dizer:
aprender a estudar, a conhecer os outros, a ajudar os outros, a viver com os outros.
E quem aprende a viver com os outros aprende sempre a viver bem consigo próprio.
Não merecer um castigo é estudar.
Estar contente consigo é estudar.
Aprender a terra, aprender o trigo e ter um amigo também é estudar.

Estudar também é repartir, também é saber dar o que a gente souber dividir para multiplicar.
Estudar é escrever um ditado sem ninguém nos ditar;
e se um erro nos for apontado é sabê-lo emendar.

É preciso em vez de um tinteiro, ter uma cabeça que saiba pensar,
pois, na escola da vida, primeiro está saber estudar.

Cantar todas as papoilas de um trigal é a mais linda conta que se pode fazer.
Dizer apenas música, quando se ouve um pássaro, pode ser a mais bela redacção do mundo...
Mas pensar é tudo!

Aprender a Estudar
José Carlos Ary dos Santos

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Moura Cidade Educadora



De 24 a 30 de Janeiro o Concelho de Moura vai debater e analisar o papel da comunidade enquanto formadora do indivíduo como um todo.

Entendendo o conceito de educação como muito mais rico e abrangente do que o que é transmitido pelo ensino em meio escolar, a Associação Internacional das Cidades Educadoras (AICE), da qual Moura faz parte, constituiu-se em 1990 na cidade de Barcelona, com a realização do primeiro congresso. Aí foram acordados os objectivos e princípios básicos para o perfil de uma Cidade Educadora, designadamente a aprendizagem, troca de experiências e a criação de contextos de aprendizagem que enriqueçam e estimulem os seus habitantes.

Os municípios assumem neste contexto um papel central não só na organização, promoção e oferta de programas e serviços sociais, culturais e educativos, como também no apoio às várias iniciativas da sociedade civil nestes domínios, com vista ao estabelecimento de uma política global que concretize um projecto educativo para a cidade.

Segundo a Declaração de Barcelona, também conhecida como Carta das Cidades Educadoras, "a cidade será educadora quando reconheça, exercite e desenvolva, para além das suas funções tradicionais (económica, social, política e de prestação de serviços) uma função educadora, quando assuma a intencionalidade e responsabilidade cujo objectivo seja a formação, promoção e desenvolvimento de todos os seus habitantes, começando pelas crianças e pelos jovens".

Porque "todos os cidadãos e todas as instituições locais são solidariamente responsáveis pela educação de todos, jovens e adultos", a Semana da Comunidade Educativa não se destina apenas a Professores, Pais, Auxiliares e outros intervenientes no processo escolar, embora nunca deixe de reconhecer a importância que todos os referidos têm no processo educativo. É também um momento de reflexão, debate e participação destinado a toda a comunidade, porque todos somos responsáveis por garantir o direito de cada cidadão a desfrutar, em condições de liberdade e igualdade, dos meios e oportunidades de formação, entretenimento e desenvolvimento pessoal.

Durante os próximos dias irei divulgando o programa desta Semana da Comunidade Educativa.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Isto traz outras responsabilidades a este blogue

Descobri através de uma boa amiga, que este blogue é citado na página da Direcção Geral do Livro e das Bibliotecas, mais concretamente aqui.

Obrigada pela atenção, vou tentar honrar a distinção. Sendo um blogue assumidamente pessoal, não deixa de ser também um blogue de uma bibliotecária muitíssimo orgulhosa das suas funções.

Socorro, que me faz lembrar alguém!!!!!

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Pode mais a vontade do que o medo

O MOSTRENGO

O mostrengo que está no fim do mar
Na noite de breu ergueu-se a voar;
À roda da nau voou três vezes,
Voou três vezes a chiar,
E disse: «Quem é que ousou entrar
Nas minhas cavernas que não desvendo,
Meus tectos negros do fim do mundo?»
E o homem do leme disse, tremendo:
«El-Rei D. João Segundo!»

«De quem são as velas onde me roço?
De quem as quilhas que vejo e ouço?»
Disse o mostrengo, e rodou três vezes,
Três vezes rodou imundo e grosso.
«Quem vem poder o que só eu posso,
Que moro onde nunca ninguém me visse
E escorro os medos do mar sem fundo?»
E o homem do leme tremeu, e disse:
«El-Rei D. João Segundo!»

Três vezes do leme as mãos ergueu,
Três vezes ao leme as reprendeu,
E disse no fim de tremer três vezes:
«Aqui ao leme sou mais do que eu:
Sou um povo que quer o mar que é teu;
E mais que o mostrengo, que me a alma teme
E roda nas trevas do fim do mundo,
Manda a vontade, que me ata ao leme,
De El-Rei D. João Segundo!»

Fernando Pessoa

E por acaso, D. João II sempre foi o meu rei preferido.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Já que falamos de músicas...

A música chama-se Perfeito Vazio, e descreve perfeitamente a canção. Se não fossem os Xutos e Pontapés a interpretá-la, alguém se daria ao trabalho de a ouvir? E eu gosto muito dos Xutos, especialmente das letras das músicas, mas esta... gela-me a alma.

Aqui estou eu
Sou uma folha de papel vazia
Pequenas coisas
Pequenos pontos
Vão me mostrando o caminho

Às vezes aqui faz frio
Às vezes eu fico imóvel
Pairando no Vazio
As vezes aqui faz frio

Sei que me esperas
Não sei se vou lá chegar
Tenho coisas p'ra fazer
Tenho vidas para a acompanhar

Às vezes lá faz mais frio
Às vezes eu fico imóvel
Pairando no vazio
No perfeito vazio
Às vezes lá faz mais frio

(lá fora faz tanto frio)

Bem-vindos a minha casa
Ao meu lar mais profundo
De onde saio por vezes
Para conquistar o mundo

Às vezes tu tens mais frio
Às vezes eu fico imóvel
Pairando no vazio
No perfeito vazio
Às vezes lá faz mais frio
No teu peito vazio

sábado, 16 de janeiro de 2010

Como entender as mulheres em apenas 11 passos

Biblioteca é conhecimento, por isso aqui fica um mini-curso de dialecto feminino. Não digam que não sou vossa amiga.

1 - "Chega"
Esta palavra é usada pelas mulheres para encerrar uma discussão quando estamos certas e vocês têm de se calar.

2 - "5 minutos"
Se estamos a arranjar-nos pode significar pelo menos meia hora. "5 minutos" só são cinco minutos se esse for o tempo que vos resta para verem o jogo de futebol antes de ajudar nas tarefas domésticas.

3 - "Nada"
É um sinal de calmaria antes da tempestade. Significa que ALGO está a acontecer, que já meteram a pata na poça e devem ficar atentos... Discussões que começam em "Nada" normalmente remetem para o passo nº 1.

4 - "Tu é que sabes"
É um desafio, não uma permissão. Nesta altura devem tentar saber o que queremos mesmo... e não digam que não sabem! Em casos graves, podem ir parar directamente ao passo nº 11.

5 - "Suspiro ALTO"
Não é realmente uma palavra, é uma declaração não-verbal que frequentemente confunde os homens. Um suspiro alto significa que pensamos que vocês são realmente idiotas e que só estamos a perder tempo a discutir sobre "Nada".

6 - "Tudo bem!!!"
Uma das mais perigosas expressões ditas por uma mulher.. "Tudo bem!!!" significa que vamos pensar muito bem antes de decidir como e quando irão pagar na mesma moeda pelo que nos fizeram.

7 - "Obrigada"
Quando uma mulher agradece, não questionem, nem desmaiem. Apenas respondam educadamente "de nada". Se dissermos "MUITO obrigada" não acreditem. É PURO SARCASMO e não vale a pena responder. Caso contrário, conduzirá imediatamente ao passo nº 8

8 - "Esquece"
Igual a "Vai..."

9 - "Deixa estar, EU resolvo"
É uma expressão muito perigosa, significa que pedimos várias vezes a um homem para fazer algo, e acabámos por ter de ser nós a fazer. O homem por vezes insiste e pergunta "mas afinal o que é que queres?", o que faz voltar tudo ao ponto nº 3 ou ao ponto nº 5.

10 - "Sabes, estive a pensar..."
Esta expressão tão inofensiva, usualmente precede o Apocalipse. Preparem a carteira e revejam mentalmente o saldo da vossa conta bancária.

11 - "Precisamos ter uma conversa!"
Têm 30 segundos para arranjar uma estratégia antes de levar com um belo par de patins.

Músicas sugeridas e escolhidas pelos digníssimos leitores do Açucar Amarelo

Para a Ana Farinho e o seu Karkov:



Para o comentador seguinte, que não assina. Se soubesse quem era, até podia oferecer como prenda de anos...



Para o Harley (teve de ser a versão acústica):



E agora, um balde de água fria porque não tem nada, nada a ver com as anteriores, mas porque é a mais bonita música portuguesa de sempre. Para mim:

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Provavelmente, a minha música favorita de sempre

Aviso já que o vídeo é um bocado "fatela", mas pelo menos faz-nos lembrar que sobrevivemos aos '80.

Não só nos afectos, mas em todos os aspectos da vida, as acções têm sempre mais significado do que as palavras.

Bom fim-de-semana.



More than words / Extreme

Oferta de Emprego - Biólogo

Estamos a lançar um concurso para a vaga de Biólogo para o projecto LIFE+ "Enhancing Habitat for the Iberian Lynx Vulture in the Southeast of Portugal", projecto em parceria com a Liga para a Protecção da Natureza.
Caso conheçam alguém interessante e interessado, comuniquem-nos.
Agradecemos que divulguem amplamente este anúncio.
Fernando Moital
Director de Dinamização da EBG - Estação Biológica do Garducho do CEAI
TM: 927 419 852 - fmoital@ceai.pt
CEAI - Organização Não Governamental de Ambiente (ONGA)

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

E pensar que durante séculos quiseram fazer dela a Capital do Reino de Portugal...



Na apresentação de mais um estudo sobre o impacto do projecto de alta velocidade no sector do turismo, o ministro das Obras Públicas reiterou que Portugal pode vir a beneficiar «bastante» com o TGV, sublinhando que Lisboa pode mesmo «transformar-se na praia de Madrid».

Este é o mais recente argumento para o investimento de milhões de euros absolutamente indispensáveis para o desenvolvimento interno do país no megalómano projecto do TGV, defendido hoje pelo Ministro António Mendonça, que conseguiu terminar a frase sem se desmanchar a rir. Aliás, até sugeriu a prática de um desporto novo, o surf. Será para praticar no Mar da Palha?

Alegadamente, em 2015, dois anos depois do TGV, teremos 12 milhões e meio de espanhóis a tomarem banho no Tejo (o ministro não deve saber que eles também têm praias) e em 2030, devem ultrapassar largamente os 13 milhões.

Não percebo, em dois anos vamos atrair 12,5 milhões, mas nos 15 anos seguintes só conseguimos convencer meio milhão?

Ai, ai... Mário Lino, volta que estás perdoado!

Contra a indiferença

Agora que os gritos de medo e de dor deram lugar ao silêncio da morte e da desolação no Haiti, toda a ajuda será pouca para reconstruir a vida de milhares de seres humanos como nós que, em segundos, perderam tudo.

Ajude a Missão da AMI no Haiti




Contribua para esta missão através do NIB:
0007 001 500 400 000 00672

No Multibanco seleccione a opção Pagamento de Serviços e insira os seguintes dados:
Entidade 20909
Referência 909 909 909

Mais informações em http://www.ami.org.pt/. Veja também http://fernandonobre.blogs.sapo.pt/.

O dinheiro destina-se para já ao fornecimento de água, medicamentos, desinfectantes e ao suporte das necessidades logísticas da operação.

Passe a palavra.

Como é lindo o amor em Portugal!




Voltando às questões da educação, do papel da escola e dos pais, aqui está uma menina muito bem ensinada pela escola. Sabe escrever correctamente, com alguns erros, mas sem as abreviaturas que as SMS introduziram na nossa língua, objectiva e sucinta.

Em seis curtos parágrafos informa o seu "príncipe" dos seus sentimentos, diz-lhe o que espera dele e avisa-o das consequências se a resposta for demorada: "se calhar vou ter que mandar uma carta ao (...) mas tu é que sabes."

Acham que não há valores transmitidos pela família? Então não há? Um Mercedes e uma Casa de Férias.

Esta miúda tem futuro. Mai nada!

Adenda: Acabei de descobrir que havia um anexo:


Como muito bem pergunta uma boa amiga, o que significará "outros"?

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Mais um para a família

Há quem diga que eu ponho fertilizante no ar condicionado, há quem pense que é só para receber o kit bebé, há quem julgue que é pelo apoio que a Associação de Trabalhadores dá...

Eu acho que as coisas boas acontecem às boas pessoas. Por isso a minha família da Biblioteca vai continuar a aumentar. Espectáculo!

Poema Enjoadinho
Vinicius de Morais

Filhos…Filhos?
Melhor não tê-los!
Mas se não os temos
Como sabê-lo?

Se não os temos
Que de consulta
Quanto silêncio
Como o queremos!

Banho de mar
Diz que é um porrete…
Cônjuge voa
Transpõe o espaço
Engole água
Fica salgada
Se iodifica
Depois, que boa
Que morenaço
Que a esposa fica!
Resultado: filho.

E então começa
A aporrinhação:
Cocô está branco
Cocô está preto
Bebe amoníaco
Comeu botão.

Filho? Filhos
Melhor não tê-los
Noites de insônia
Cãs prematuras
Prantos convulsos
Meu Deus, salvai-o!

Filhos são o demo
Melhor não tê-los…
Mas se não os temos
Como sabê-los?

Como saber
Que macieza
Nos seus cabelos
Que cheiro morno
Na sua carne
Que gosto doce
Na sua boca!

Chupam gilete
Bebem xampu
Ateiam fogo
No quarteirão

Porém, que coisa
Que coisa louca
Que coisa linda
Que os filhos são!

Para ver/ouvir este poema aqui, declamado pela Dina Sfat, Regina Duarte e Elis Regina.

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Pois, já estávamos desconfiados

IF lucra cinco mil milhões com vacinas contra a gripe A

Os ganhos de cinco mil milhões de euros da Indústria Farmacêutica no fabrico de vacinas contra a gripe A e antivirais estão sob suspeita do Conselho da Europa. A entidade está a avaliar a possibilidade de criar uma comissão de inquérito para analisar a pressão que os laboratórios terão exercido na Organização Mundial de Saúde (OMS) para ter declarado a doença como uma pandemia, avança o Correio da Manhã. Só Portugal gastou até Dezembro passado 90 milhões de euros, 45 milhões dos quais em vacinas.
Segundo o presidente da Comissão de Saúde da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, Wolfgang Wodarg, a campanha da "falsa pandemia da gripe, criada pela OMS e outros institutos em benefício da IF, é o maior escândalo do século na Medicina", escreve o jornal.
Disponível aqui.

Parabéns João!

Se não puderes ser um pinheiro no topo de uma colina,
Sê um arbusto no vale, mas sê
O melhor arbusto à margem do regato
Sê um ramo, se não puderes ser uma árvore.
Se não puderes ser um ramo, sê um pouco de relva
E dá alegria a algum caminho.

Se não puderes ser uma estrada,
Sê apenas uma senda,
Se não puderes ser o Sol, sê uma estrela.
Não é pelo tamanho que terás êxito ou fracasso…
Mas sê o melhor no que quer que sejas.
(Pablo Neruda)

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Todos por todos

Durante anos ouvi as pessoas em Moura queixarem-se do sistema de recolha de lixo. Li vezes sem conta, recomendações para que não se colocasse o lixo aos cantos das ruas, construindo torres de porcaria que os cães e gatos se encarregavam de espalhar pelas proximidades.

Muitas vezes, especialmente quando trabalhava no Turismo, ouvi pessoas de fora comentarem com estranheza o nosso hábito peculiar de pendurar o lixo das varandas, nos parapeitos ou em pregos especialmente colocados para o efeito nas paredes das casas.

Assisti, incrédula, ao descaramento de pessoas que colocavam os mal-amanhados sacos com restos de comida e gordura na porta de vizinhos, ou a donas de casa impecáveis, que por não admitirem lixo dentro de casa, o empurravam para as ruas nos dias em que já sabiam que não havia recolha.

A resolução desta questão só tinha um caminho: a colocação de contentores em locais de proximidade para que as pessoas coloquem o lixo no sítio certo. Parecendo simples, esta medida exigia coragem, porque implicava abolir um hábito instalado há muito. Mas finalmente foi tomada. Conforme aviso prévio a todos os interessados, em que era pedida a compreensão para a necessidade da medida e a colaboração para o bem-estar de todos, a recolha de lixo porta a porta chegou ao fim na semana passada.



E o resultado?

O resultado é a teimosia de quem não admite prescindir do seu conforto em prol do bem comum. Ainda no Sábado (dia 9) tive oportunidade de ver, na Rua Santana e Costa (perdoem-me os moradores que foram cumpridores) a vários sacos de lixo encostados às paredes, à espera da fome de um cão vadio ou do peso da roda de um carro para rebentar com eles. Que parte da mensagem é que estas pessoas não terão percebido?

E quando verificaram, durante vários dias consecutivos, que o lixo não era recolhido, porque continuaram a insistir? Ah, sim, eu sei a explicação para esta pergunta, ouvi-a um vizinho da minha rua:

“Não vá levar isso, os da câmara é que têm obrigação, estão lá ganhando os bons ordenados, eles que venham buscar o lixo.”



A colocação dos contentores é outro problema: Ninguém quer contentores de lixo ao pé da porta, porque isso equivale a um cheiro nauseabundo, moscas e ratos a rondarem a zona, e em tempo de frio, um incêndio de vez em quando. É claro que isto poderia ser evitado, se as pessoas cumprissem os horários estipulados para a colocação do lixo nos contentores, se o lixo fosse devidamente ensacado e bem fechado, se abrissem o contentor para pôr o lixo lá dentro, em vez de o atirarem para o chão ali ao lado, e se algumas pessoas não insistissem em atirar brasas ainda quentes para contentores cheios de matéria potencialmente inflamável.

É por esta razão que em Moura, a maioria dos contentores são metálicos, porque os de plástico ardem e derretem vítimas da estupidez crónica de alguns habitantes.

Respeito pelos outros, Cidadania, Higiene ou Saúde Pública devem ser termos que estas pessoas desconhecem. Vivemos numa selva? Não, mas vivemos certamente com alguns selvagens por perto.

(Estas fotografias foram tiradas hoje, dia 11, a seguir ao almoço.)


Adenda muito importante:

Aqui ficam alguns documentos informativos distribuídos pela Câmara para divulgação da implementação do novo sistema de recolha de lixo. Pode ser que alguém muuuuuito distraído ainda não se tenha apercebido. Quanto a si, se ainda me está a ler, ajude neste esforço colectivo. Passe a palavra, esclareça alguns espíritos menos iluminados que por acaso se cruzem no seu caminho.


Caro(a) munícipe:
A Câmara Municipal de Moura vem por este meio informar que, a partir do dia 4 de Janeiro de 2010, será introduzida uma alteração no sistema de recolha de lixo no centro histórico da cidade, passando o sistema de recolha porta-a-porta, a ser substituído pelo sistema de deposição em contentores.
A alteração no sistema de recolha do lixo introduzirá uma melhoria significativa na qualidade de vida dos mourenses, promovendo a limpeza das ruas e garantido a segurança e a saúde dos habitantes e turistas que nos visitam.
De forma a servir a população abrangida pela alteração a Câmara Municipal de Moura disponibilizará um conjunto de contentores instalados estrategicamente nas ruas indicadas em anexo.
Informamos V.Exa. que, a partir da data acima indicada os funcionários do serviço de higiene e limpeza deixarão de percorrer as ruas para apanhar os sacos de lixos, pelo que deverá passar a utilizar os equipamentos referidos.
Para mais informações, ou esclarecimentos complementares, solicitamos que contacte os Serviços de Higiene e Limpeza.
Contamos com a sua colaboração. Estamos a trabalhar para o bem-estar de todos.

Com os melhores cumprimentos,

O Vereador

José António Linhas-Roxas Oliveira



Coloque os resíduos em sacos bem fechados de Segunda a Sexta-feira e ao Domingo
durante a noite, ou seja, entre as 20h30m e as 7horas da manhã.
Na noite de Sábado para Domingo não coloque resíduos nos contentores, pois não haverá recolha.
E não esqueça de fechar a tampa do contentor.

O Ambiente agradece

Para as empresas que, pela sua especificidade, produzem maior volume de resíduos, está também previsto um plano de recolha de resíduos que vai ser debatido e analisado em duas reuniões na próxima quarta-feira:
Exmo. Senhor

A Câmara Municipal de Moura convida V. Ex.ª a participar em uma reunião a realizar na próxima dia 13 de Janeiro, quarta-feira, na Sala de Sessões dos Paços do Concelho, com o objectivo de informar e debater a implementação do novo sistema de recolha de resíduos sólidos urbanos (RSU) na cidade.
De forma a possibilitar a comparência são disponibilizados dois horários de reuniões:
10 horas – as actividades de bar e restauração
21 horas – outras actividades de comercio, industria e serviços
Desde já agradecemos o contributo e a comparência
Com os melhores cumprimentos

O Vereador
José António Linhas-Roxas Oliveira

sábado, 9 de janeiro de 2010

Apesar de ter sido avaliada com Medíocre, consegue atingir o topo da carreira


José Sócrates nomeia ex-ministra para a Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento, substituindo Rui Machete.


O primeiro-ministro nomeou a ex-ministra da Educação Maria de Lurdes Rodrigues para a presidência da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD), apurou o DN.
A decisão foi tomada no dia em que a sucessora de Maria de Lurdes Rodrigues, Isabel Alçada, chegou a um acordo com os sindicatos de professores sobre a carreira docente que a ex-ministra não conseguiu alcançar durante o seu mandato.
Maria de Lurdes Rodrigues vai substituir o social-democrata Rui Machete, que vai deixar a presidência do Conselho Executivo da FLAD no primeiro semestre deste ano e a seu pedido. O mandato tem a duração de três anos.
Para ler aqui.

Dotada de capital próprio (cerca de 140 milhões de euros), e membro activo das principais redes internacionais de fundações, a FLAD é uma instituição de direito privado vocacionada para promover as relações entre Portugal e os Estados Unidos, nos domínios económicos, sociais e culturais. Entre 1985 e 2007 investiu 116 milhões de euros nos 12.806 projectos que apoiou. É membro do Council on Foundations (USA), pertencendo ao Conselho de Administração do Centro Europeu de Fundações, com sede em Bruxelas.

Que educação?


Resolvido o problema dos professores, espera-se que educação seja o que deve ser: ensino. Acalmado o corporativismo e o longo autismo da petulância governativa, venha de lá a vaga da transmissão de conhecimentos com pedagogia. Com o mesmo empenho e talento que os colocados na luta e na contra-luta.
Copiado descaradamente daqui.

É óbvio que conheço professores que nunca perderam de vista o que era realmente importante, que nunca abandonaram a sua missão, e foram capazes de a conciliar com o seu justíssimo direito à indignação e à luta pelo justo reconhecimento do seu trabalho. Felizmente cruzei-me com vários profissionais competentes, dignos e empenhados, aos quais, enquanto mãe, deixo aqui o meu profundo agradecimento.

Aos outros, aos que repetiam sem cessar frases como "só me pagam para isto", "a ministra que faça", "não tenho vagar para me preocupar com os alunos porque tenho que fazer o portfólio", "não posso participar, estou muito ocupada com a minha avaliação", "só vim a esta formação por causa da avaliação, isto a mim não me interessa nada, não tenho intenção de aprender aqui nada", "se eu com esta idade ainda precisasse de aprender alguma coisa, estava bem arranjada, mas a ministra quer assim", lamento muito que tenham vindo parar à profissão errada.

O desprestígio de que a profissão tem vindo a sofrer é apenas culpa destes "profissionais". É culpa da sua falta de zelo, da sua irresponsabilidade, do seu desrespeito pelos alunos que se sentam à sua frente. Por causa destas atitudes, a educação caiu no facilitismo, branqueando assim a incompetência de muitos professores e levando ao desespero os bons professores que herdam alunos "de sucesso", mas absolutamente ignorantes. Por causa da falta de brio profissional, o justo pagou pelo pecador com um sistema de avaliação absolutamente irracional e uma divisão da classe baseada em critérios que não reflectiam a qualidade do professor.

Não sendo professora, estive incondicionalmente ao lado da classe durante esta luta. Mas que há por aí muita gente que devia ser proibida de leccionar, isso há.

E a sociedade que temos, e que tanto criticamos, pela hipocrisisa, pela violência, pela iliteracia, pelo desinteresse, pela corrupção, pela preguiça, pelo desrespeito, é fruto desta educação que quase ninguém quer realmente dar.

Incluo aqui, obviamente, os pais, que relegam à escola a exclusividade da responsabilidade de educar os seus filhos. E não estou a falar apenas do acompanhamento do percurso escolar que todos os pais deveriam fazer. Falo da  transmissão de valores, de regras básicas de educação e convivência, do respeito pelo ser humano. Se os pais cumprissem também o seu papel educador, não seria preciso retirar tempos lectivos às disciplinas cujos conteúdos se aprendem na escola para os ocupar com "áreas disciplinares" como a Formação Cívica e o Apoio Ao Estudo. Não seria preciso transformar o Director de Turma numa espécie de tutor que dá às crianças a atenção e a orientação que a família devia dar, mas parece ter esquecido. Não seria preciso, em resumo, exigir à Escola e aos Professores que desempenhem o papel que nos cabe.

Até onde será necessário chegar, para que todos percebam a importância fundamental da Educação global na formação do ser humano, e consequentemente, da sociedade que queremos ter? Parece um cliché, não parece? Mas é mesmo verdade. E urgente.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Pelos vistos, alguém lhe ofereceu uma agenda nova no Natal

Em Outubro de 2008, José Sócrates impôs democraticamente a disciplina de voto ao seu grupo parlamentar para chumbar as alterações ao Código Civil que permitiriam o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Segundo o primeiro-ministro, "o casamento de homossexuais não está na agenda política nem do Governo nem do Partido Socialista." A bancada socialista, obediente, cumpriu a ordem, votando contra. Apenas Manuel Alegre foi excepção.

Hoje, José Sócrates voltou a impor a disciplina de voto ao seu grupo parlamentar, mas desta vez em sentido contrário, possibilitando as alterações ao Código Civil que há apenas 15 meses considerava descabidas.

#5

Devemos habituar-nos a isso: nas mais importantes encruzilhadas dos caminhos da nossa vida, não existe sinalização.
Ernest Hemingway

Foi a experiência de hoje ao almoço

Costeletas com molho de laranja

6 costeletas de porco
1 dl de vinho do Porto
sumo de 1 laranja
1 cubo de caldo knorr (tempero de alho, louro e pimentão)
azeite e margarina

Leva-se o azeite, a margarina e o caldo Knorr a derreter numa frigideira. Colocam-se as costeletas de porco, temperando de sal na altura.
Quando estiver quase pronto, deita-se o sumo de uma laranja misturado com o vinho do Porto, Deixa-se apurar. Serve-se decorado com uma ou duas rodelas de laranja e o acompanhamento de que mais gostarem.
Bom apetite.

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Então porque não experimenta?



A CIP foi uma das entidades que se opuseram ao aumento do salário mínimo em Portugal de 450 euros para 475 euros no próximo ano. Francisco Van Zeller declarou ao Diário Económico, em entrevista exclusiva no final de 2009, que não imagina o que é viver com 450 euros por mês, mas diz que enquanto não existirem condições de produtividade será impossível aumentar o salário mínimo, até porque considera que uma diferença de 25 euros não corrige o problema.

Ora, vocês conhecem-me. Não costumo dizer palavrões, tento sempre ser educada e expressar a minha indignação com alguma correcção de linguagem. Por isso, Sr. Van Zeller, porque é que não se vai encher de moscas?

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

A sério? Nem ele acredita!

Nuno Gomes tem pretendentes



Notícia espantosa aqui. Parece que há umas equipas desfalcadas, uns estão coxos, outros reformados...

Calma. Calma. Atenção à linguagem.

Um pouco de bom senso

A conferência de líderes decidiu hoje, por unanimidade, discutir e votar já na sexta-feira, dia 8, a petição que defende um referendo sobre o casamento homossexual entregue esta manhã na Assembleia da República.
Assim, a iniciativa popular irá ser discutida no mesmo dia das propostas do Governo, do BE e do partido ecologista Os Verdes para a consagração do casamento entre pessoas do mesmo sexo e do diploma do PSD para a instituição de uma união civil registada.
Desta forma, todos os partidos anuíram também em comprimir os prazos estabelecidos e o presidente da Assembleia da República irá solicitar à comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais que dê o seu parecer sobre a admissibilidade da iniciativa popular até sexta-feira.
A petição pró-referendo ao casamento homossexual, iniciativa da Plataforma Cidadania e Casamento, que foi esta manhã entregue na Assembleia da República, reúne mais de 90 mil assinaturas, recolhidas nas últimas três semanas.

Pelo menos evita-se a farsa de discutir um referendo depois de as propostas de lei sobre o tema já terem sido debatidas e votadas. Apesar de não concordar com a realização do referendo, acho que as 90 875 pessoas (ainda assim menos de 1% da população portuguesa) que fizeram questão de o requerer devem ser respeitadas e a sua proposta deve ser apreciada no mesmo momento em que se apreciam as propostas dos partidos.

Já dizia Voltaire: "Não concordo com uma única palavra do que dizeis, mas defenderei até à morte o vosso direito a dizê-las".

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Cantar aos Reis

Cumprindo o que já se tornou uma tradição, a Câmara Municipal de Moura e a Junta de Freguesia de S. João Baptista, com a colaboração do Grupo Coral do Ateneu Mourense, organizam esta noite o "Cantar aos Reis" à volta da fogueira acesa na Praça Sacadura Cabral, frente ao Mercado Municipal. Como de costume, haverá Bolo-Rei e vinho abafado.

Esperemos que o S. Pedro não se zangue e ajude à festa.


segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Literatura e liberdade

Albert Camus, escritor e filósofo nascido na Argélia (então colónia francesa) em 1913, morreu a 4 de Janeiro de 1960. Em conjunto com Jean-Paul Sartre, com quem teve uma boa amizade até 1952, foi um dos principais representantes do existencialismo francês. Como tal, influenciou de modo decisivo o sentimento vital e a concepção do mundo da geração de intelectuais rebeldes da época do pós-guerra.

Camus expõe a sua filosofia sobre o absurdo da existência humana no ensaio O Mito de Sísifo (1942) e no romance O Estrangeiro (1942), que assumiram o status de escritos programáticos.

Camus afirma que as pessoas procuram incessantemente o sentido da existência numa vida que, na realidade, carece de sentido e na qual só é possível ganhar a liberdade e a felicidade com a rebelião.

O romance A Peste (1947) é uma alegoria da ocupação alemã e da condição humana. A dimensão política desse romance, um dos mais lidos do pós-guerra, aprofunda no que é extrapolável a qualquer situação de resistência política, que, do ponto de vista de Camus, tanto podia ser a resistência francesa como o movimento de libertação argelino contra a França. Em 1954, Camus tentou em várias ocasiões actuar como mediador no conflito da Argélia.

Foi-lhe atribuído o Prémio Nobel da Literatura em 1957.

Títulos e edições disponíveis na Biblioteca Municipal:

A morte feliz. Lisboa : Livros do Brasil , [s.d.]. (Autores de sempre) ; Cadernos de Albert Camus)


A peste. Lisboa : Livros do Brasil , [s.d.]

A peste. [Lisboa] : Bibliotex , 2003. (Prémio Nobel) . ISBN 84-96180-07-7

A queda. Lisboa : Livros do Brasil , [19--]. (Miniatura)

A queda. Lisboa : Livros do Brasil , [s.d.]

Cadernos. Lisboa : Livros do Brasil , [19--]. (Miniatura)

Calígula ; O equívoco. Lisboa : Livros do Brasil , [19--]. (Miniatura)

Calígula. Lisboa : Livros do Brasil , [s.d.]. (Livros do Brasil)

Cartas a um amigo alemão. Lisboa : Livros do Brasil , 1972. (Autores de sempre)

Estado de sítio. Lisboa : Livros do Brasil , [19--]. (Miniatura)

Estado de sítio. Lisboa : Livros do Brasil , [1975]. (Autores de sempre)

O avesso e o direito : seguido de discurso da Suécia. Lisboa : Livros do Brasil , [19--]. (Miniatura)

O estrangeiro. Lisboa : Editores Associados , [1973]. (Livros Unibolso)

O estrangeiro. Porto : Público Comunicação Social , [2003]. (Mil folhas) . ISBN 84-96075-72-9


O estrangeiro. Lisboa : Livros do Brasil , [s.d.]

O exílio e o reino. Lisboa : Livros do Brasil , [19--]. (Miniatura)

O exílio e o reino. Lisboa : Livros do Brasil , [s.d.]. (Autores de sempre)

Os Justos. Lisboa : Livros do Brasil , [19--]. (Miniatura)

A culpa é sempre da maçã




Isaac Newton nasceu em 4 de janeiro de 1643 (quase um ano depois da morte de Galileu) em Woolsthorpe, Lincolnshire, Inglaterra.

A sua obra, Philosophiae Naturalis Principia Mathematica, é considerada uma das mais importantes da História da Ciência. As suas descobertas e estudos são vastos, mas Newton será sempre lembrado pela lei da gravidade, a qual terá desenvolvido após observar a forma como uma maçã caía da árvore.

Newton também fez algumas previsões com bases científicas e bíblicas (acreditava que o mundo não terminaria antes de 2060). Físico e matemático reconhecido, Newton também foi astrónomo, alquimista, filósofo natural e teólogo. E por falar em filosofia, aqui ficam algumas frases que terá proferido:

"Construímos muros demais e pontes de menos"

"Se fiz descobertas valiosas, foi mais por ter paciência do que qualquer outro talento"

"O que sabemos é uma gota; o que ignoramos é um oceano"

"Eu consigo calcular o movimento dos corpos celestiais, mas não a loucura das pessoas"

"Deve-se aprender sempre, até mesmo com um inimigo"

"Nenhuma grande descoberta foi feita jamais sem um palpite ousado"

"Se eu vi mais longe, foi por estar de pé sobre ombros de gigantes"

Lei da Gravidade

A lei da gravitação universal diz que dois objectos quaisquer serão atraídos gravitacionalmente por meio de uma força que depende das massas desses objectos e da distância que há entre eles.
Dados dois corpos de massa m1 e m2, a uma distância d entre si, esses dois corpos atraem-se mutuamente com uma força que é proporcional à massa de cada um deles e inversamente proporcional ao quadrado da distância que separa esses corpos. Matematicamente, essa lei pode ser escrita assim:


Chegou o ano novo e ele ainda não se foi embora...

Dele podia restar para a história apenas uma nota de pé de página. Pequenina.
Mas não. Ele foi o rosto do Portugal com meio milhão de desempregados (para já), do país estagnado com um crescimento tendencial apontado para o zero, do défice «acima dos 8%» (dados provisórios), da dívida dos 80 ou mais não-sei-quantos-por-cento (lá mais para o Inverno logo se vê, para já não se sabe), da corrupção desenfreada na terra do salve-se-quem-puder, do descrédito galopante das magistraturas, da permanente ingerência e controlo da informação, do beco sem saída da educação, do chico-espertismo da licenciatura ao domingo no poder, da mentira ongoing, do abandono da cultura se não servir para fazer vistaço, da postura irascível a fazer de convicção.

E, claro, mais alarmante do que tudo, da reconfirmação no poder com isto tudo sabido ou intuído.

Ele foi o rosto do medo nacional, da fuga à verdade, da falência da alternância, da desistência. Do impasse.

Ao contrário do que sugerem os seus dedinhos, não são coisas pequeninas, não.




Para ler esta e outras coisas interessantes aqui

domingo, 3 de janeiro de 2010

Poema do Homem Só

Sós,
irremediavelmente sós,
como um astro perdido que arrefece.
Todos passam por nós
e ninguém nos conhece.

Os que passam e os que ficam.
Todos se desconhecem.
Os astros nada explicam:
Arrefecem

Nesta envolvente solidão compacta,
quer se grite ou não se grite,
nenhum dar-se de outro se refracta,
nenhum ser nós se transmite.

Quem sente o meu sentimento
sou eu só, e mais ninguém.
Quem sofre o meu sofrimento
sou eu só, e mais ninguém.
Quem estremece este meu estremecimento
sou eu só, e mais ninguém.

Dão-se os lábios, dão-se os braços
dão-se os olhos, dão-se os dedos,
bocetas de mil segredos
dão-se em pasmados compassos;
dão-se as noites, e dão-se os dias,
dão-se aflitivas esmolas,
abrem-se e dão-se as corolas
breves das carnes macias;
dão-se os nervos, dá-se a vida,
dá-se o sangue gota a gota,
como uma braçada rota
dá-se tudo e nada fica.

Mas este íntimo secreto
que no silêncio concreto,
este oferecer-se de dentro
num esgotamento completo,
este ser-se sem disfarce,
virgem de mal e de bem,
este dar-se, este entregar-se,
descobrir-se, e desflorar-se,
é nosso de mais ninguém.

António Gedeão

Sim, é verdade, ainda estamos na primeira década do século XXI

A polémica sobre o início e o fim das décadas repete-se agora depois do mundo ter festejado a passagem do milénio um ano antes de acontecer. Em 1999 o planeta despediu-se do segundo milénio mas a passagem só viria a acontecer a 31 de Dezembro de 2000 - ano em que começou a primeira década do terceiro milénio.
"Anos 0" ou "princípio do século XXI" são as expressões correctas para nos referirmos à primeira década do terceiro milénio.
Hoje, na SIC.

sábado, 2 de janeiro de 2010

Rolinhos de fiambre

Esta é uma boa receita para fazer num dia como o de hoje:

Sobras de carne já cozinhada
1 pacote ou embalagem de molho a gosto (molho de cogumelos, molho de whisky, molho de ervas, etc.)
10 a 12 fatias de fiambre um pouco mais espessas que o normal
1 embalagem de molho bechamel
margarina q.b.

Pica-se a carne que sobrou de outras refeições na picadora e mistura-se com o molho até ficar com uma consistência adequada para um recheio. Escolham um molho que ligue bem com a carne que querem aproveitar. Em alguns casos podem utilizar o molho do próprio cozinhado.

Colocam-se montinhos de carne nas fatias de fiambre e fazem-se rolinhos com mais ou menos 3 cm de diâmetro.

No fundo de um tabuleiro que possa ir ao forno e à mesa, colocam-se algumas lascas de margarina. Dispõem-se os rolinhos de fiambre e cobre-se tudo com o molho bechamel. Vai ao forno até estar tostado por cima.