sexta-feira, 25 de março de 2016

Biblioteca Pública de Évora: 211 anos

1805

Na 6ª Feira 8 de Fevereiro, dia de S. João da Mata, se assentou a última estante da nova Livraria.

Na  4ª  Feira  seis  de  Março,  dia  de  santa  Colecta,  e  aniversário  do  Bispo  de Beja,  e  Arcebispo  de  Évora  fui  abrir  em  a  nova  Livraria  os  primeiros  Caixotes  dos livros que vieram de Beja para ela.

Na 3ª feira 19 de Março, S. José, fui assentar no seu lugar por cima da porta da livraria o painel de N. Sra. cópia  do  original  de  Trevisani,  mestre de  Francisco  Vieira  português  antigo,  a qual  cópia  é  feita  pela  Princesa  D.  Maria  Benedicta,  viúva  do  meu  príncipe  D.  José,  a qual ela deu a sua mãe a rainha D. Mariana Vitória, mulher del rei D. José, e por morte deste Senhor mo deu a mim em 1790 quando voltei para Beja.

Na 2ª feira 25 de Março, Anunciação de Nossa Senhora fui por o 1º livro na estante da nova livraria e foi o 1º tomo da polyglota de Ximenes, fui com o vigário geral , capellães e pessoas de família.  (...) Mandei abrir um caixote e o primeiro livro que abri e li foi a Évora Gloriosa, o que me pareceu coisa de reflectir.


Diários de Frei Manuel do Cenáculo
BPE, Cod. CXXIX/1-21

sexta-feira, 11 de março de 2016

#somosbibliotecas há 30 anos



Há 30 anos, no dia de hoje, eu era uma miúda de 16 anos, a frequentar o ensino secundário. A minha música preferida era o “Take my breath away” dos Berlin e as preocupações que me ensombravam os dias eram tão importantes que afinal, se desvaneceram.

Há 30 anos, no fim deste dia, 11 de Março de 1986, fui dormir com a tranquilidade das pessoas irresponsáveis. Mal sabia que nesse dia, algures, num gabinete em Lisboa, uma folha A4 contendo um despacho fora assinada pela então Secretária de Estado da Cultura, Teresa Patrício Gouveia. Essa assinatura, naquela folha A4, teve o poder de mudar a minha vida para sempre.

É claro que só o soube muitos anos mais tarde. Nem mesmo quando o Presidente da Câmara me chamou, em 1993, para me propor o lugar de bibliotecária, que não podia estar vago, no cumprimento do contrato-programa assinado entre o Município e o IPLB, tive essa noção. Na altura, a proposta foi inesperada mas surpreendentemente natural. Naquele instante, não tive dúvidas, era para aquilo que me tinha preparado. Por causa daquele despacho e das consequências que ele foi acumulando, tornei-me visceralmente bibliotecária. Foi graças a ele que a Biblioteca de Moura se formou e me recebeu, e depois dela nasceram os pólos, e fez-se a Feira do Livro, e um dia atrevi-me a sonhar com a Biblioteca Pública de Évora. Por ser Bibliotecária em Évora, esta tornou-se a minha terra e a terra dos meus filhos. E depois de aqui chegar, encontrei o António e esta terra agora também é dele, que nem sequer imaginava que tudo isto seria ditado por um despacho assinado há 30 anos. 

Multipliquem agora esta minha história por todos os que foram tocados por este processo. Graças ao Despacho que criou o Grupo de Trabalho constituído, entre outros, pela Dra. Maria José Moura e pela Dra. Teresa Calçada, a Rede Nacional de Bibliotecas Públicas foi planeada, pensada e construída. Para a concretização plena deste Rede foram criados Cursos de Formação na área da Biblioteconomia, que geraram trabalho para as Universidades e Escolas e habilitaram centenas de novos profissionais com qualificações específicas para o trabalho das Bibliotecas. Daqui saíram bibliotecários para a leitura púbica, mas também para as universidades, onde, com o seu trabalho, tocam a vida de milhares de estudantes universitários, proporcionando-lhes melhores condições de acesso à informação e ao conhecimento.

Nos Municípios, dezenas de arquitectos e engenheiros desenharam, projectaram e fizeram nascer edifícios de bibliotecas validados pela tutela, através do então Instituto Português do Livro e da Leitura. Do papel à construção, as mãos de pedreiros, carpinteiros, electricistas, canalizadores, pintores ergueram bibliotecas. Ao lado, um novo nicho de mercado nascia, dada a necessidade de equipar as bibliotecas com mobiliário adequado, equipamento informático e software de gestão de bibliotecas.

Da Rede de Leitura Pública à Rede de Bibliotecas Escolares foi um passo, dado pela Dra. Teresa Calçada. Novo impulso de construção e desenvolvimento e o nascimento do Plano Nacional de Leitura. As vidas de milhares de estudantes tocadas pelo trabalho das bibliotecas escolares e dos professores bibliotecários. Até as editoras, que tradicionalmente viam as bibliotecas como concorrência às vendas, receberam um impulso inesperado, resultado da aposta de um país na leitura e no consumo literário. Os escritores são lidos e os ilustradores apreciados. Os contadores de histórias nasceram e levam a palavra a todos os cantos do país.

Todas estas pessoas – e são milhares – viram as suas vidas tocadas por um projecto que fez florir uma primavera de bibliotecas e as transformou em sítios felizes.

É certo, ao verão da maturidade e da consolidação, da partida para novos desafios, ultrapassada que estava a fase de construção, seguiu-se o outono do desânimo, do desinvestimento, do cansaço. Creio que o que nos falta é o rumo, o planeamento. Hoje, como ontem, impõe-se a criação de um novo grupo que pense, avalie e planeie as bibliotecas que queremos ter. E (os meus colegas que me desculpem a insistência) falta garra a muitos bibliotecários. É preciso lutar todos os dias. É preciso Ser Biblioteca todos os dias, todos os minutos. 

Celebremos estes 30 anos em festa, porque é muito o que nos orgulha. Mas que a nossa festa seja também preparar o amanhã (como bons Bibliotecários) e abrir caminho para cumprir o despacho nº 23/86 de 11 de Março, que mudou a minha vida e a vida de tantos bibliotecários que, com o seu trabalho, estão a contribuir para mudar o país.


Notas finais, porque nem seria eu se não dissesse o que me vai na alma:

1. Decorre hoje, no MUDE, em Lisboa, uma celebração destes 30 anos de RNBP. Não estarei presente porque, infelizmente, a Rede faz distinção entre as bibliotecas apoiadas pelo programa e as que não receberam apoio, pelo que a Biblioteca Pública de Évora não está integrada. Esta é a minha forma de protesto.

2. A comemoração é organizada pela Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas e decorre num Museu. Lamento que não seja a tutela a comemorar este facto tão importante e que a actividade não decorra numa biblioteca.

3. A BAD é, neste momento, a estrutura que melhor pode catalisar os nossos anseios. A não ser que a tutela decida tomar medidas ou que todos tenhamos uma epifania às 9 da manhã de um dia ainda por inventar, só a BAD pode dar corpo e consistência a um plano de acção e apresentá-lo ao país. Associem-se! E aos que dizem não quererem associar-se porque acham que a BAD não corresponde às expectativas que tinham (ouço isto algumas vezes), há um remédio. Chama-se eleições para os órgãos de direcção. Façam como quiserem, mas participem!

quarta-feira, 9 de março de 2016

Alentejo cumprido


Manifestei-me logo no início desta polémica e depois calei-me. Volto a ela hoje para a arrumar definitivamente.

Reafirmo o que disse. Este senhor é um imbecil. Vive de polémicas, sem elas passaria incógnito. Faz afirmações verídicas - mas não verdadeiras - e espera que os visados se manifestem e lhe dêem a notoriedade que nunca conseguiu alcançar com mérito. Desse ponto de vista, é inteligente, concedo-o, mas do ponto de vista da formulação de ideais, construção de teorias, observação crítica do mundo é apenas e só, um imbecil.

Muita gente (eu incluída) embarcou na estratégia dele, ajudou a dar fama à mediocridade que escreve. Confesso que na altura de partilhar pensei isso mesmo, mas ainda assim, a imensa indignação que senti pela quantidade de (sai um alentejanismo) alarvidades que o senhor enunciou falou mais alto.

Chegada a hora, o Alentejo respondeu como sempre: com dignidade. Com a tranquilidade de quem já resistiu a tudo e continua aqui, de pé, como os sobreiros que nos dão a sombra e evitam a desertificação destas terras.

O Alentejo foi a Lisboa e cantou. Contra o desprezo da administração central que lhe retira todos os meios de subsistência, o Alentejo responde a cantar e diz "Estamos aqui". Contra as políticas económicas e de suposto desenvolvimento que vão deixando as povoações isoladas e abandonadas, o Alentejo canta e diz "Estamos aqui". Contra os que, sem nada saberem do que é ser Alentejano, ridicularizam o nosso modo de vida em mil anedotas e escrevem livros com os quais esperam atingir a fama efémera, o Alentejo canta e diz "Continuamos aqui".

Sonhamos o Alentejo todos os dias. Trabalhamos para cumprir o Alentejo todos os dias. Somos Alentejo, sempre!

Alentejo, Alentejo
Terra sagrada do pão
Eu hei-de ir ao Alentejo
Mesmo que seja no Verão
Ver o doirado do trigo
Na imensa solidão
Alentejo Alentejo
Terra sagrada do pão

Nota: Este texto foi escrito ao abrigo do meu direito à liberdade de expressão.



sexta-feira, 4 de março de 2016

Cem mil

Hoje chegámos aos 100 000 livros disponibilizados no catálogo online da BPE. Para chegar aqui foi necessária a contribuição de todas as pessoas que compõem esta equipa empenhada que tenho o orgulho de coordenar na Biblioteca Pública de Évora. Este número redondinho é vosso. Muitos parabéns pelo trabalho realizado e muito obrigada pelo empenho de todos.

Em Abril de 2014 havia 50 mil títulos no catálogo. Em menos de dois anos, com os poucos recursos disponíveis, foi possível duplicar esse número e disponibilizar cinquenta mil novos títulos aos utilizadores. Para acompanhar o ritmo de edição e reduzir gradualmente o imenso volume de livros acumulados gerado pela recepção do depósito legal desde 1931 precisávamos do dobro das pessoas a catalogar. Mas - como me ensinou um extraordinário Chefe que tive há alguns anos - isto é o que temos e é com isto que temos de trabalhar. E digam lá, não trabalhámos nada mal, pois não? 

Ps: Já só nos faltam cerca de 900 mil. Vamos a eles!