quinta-feira, 3 de setembro de 2015

O naufrágio da humanidade

Pois claro, que incómodo! Esta gente pobre e a morrer, a interromper a sucessão de selfies de sorriso fingido, os pés na areia, as bolas de berlim.

Que chatice, sermos confrontados agora com pessoas que morrem à nossa porta, quando podemos partilhar fotos espectaculares do leão Cecil e pedir a condenação do americano que não conhecemos de lado nenhum e a quem foi vendido o direito de caçar!

Que incómodo, ter que encarar a prova da nossa desumanidade, da nossa incapacidade, da nossa estupidez, do nosso egoísmo quando há tantas frases para partilhar sobre a inveja que todas as outras pessoas têm de nós e da nossa vida tão perfeita...

Que hipocrisia! Que vergonha!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...