sábado, 30 de junho de 2012

Não está certo...

Está uma pessoa tantas horas a escrever umas páginas com tanto carinho e depois vem aquele lince horrível e devora metade. Não gosto disto.

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Quem é a "piquena"?

Anda pr'ai uma miúda que eu não sei muito bem quem é a dizer que "Nada me [a ela] faz mais feliz do que ver o Ronaldo triste". Das duas uma: Ou é a mãe incógnita do Cristianinho e está a curar o desgosto, ou é a uma tentativa desesperada para ter visibilidade.

A minha amiga Wikipédia tem isto a dizer sobre a rapariguita, além de outros pormenores... curiosos: Lily Allen já estudou em mais de 10 escolas diferentes. A londrina estudou música, mas revelou não saber tocar nenhum instrumento.

Ah... Ok! Olha, por mim não precisas de cantar mais nada, está bem?

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Cansados de ouvir falar de futebol?

Então, bem-vindos de volta ao Pântano.

Durante dois anos Ana Moura, vogal da comissão política do PSD de Setúbal, fingiu que pagava as rendas da antiga sede social-democrata, em Almada. Os 600 euros mensais foram sempre saindo da conta do partido, mas nunca chegaram às mãos da senhoria. Os cheques eram passados pela dirigente que depois os depositava na sua conta pessoal. O partido não desconfiou de nada. (...) há também suspeitas de que as facturas da electricidade e da água nessa sede do partido tenham tido o mesmo destino. No total, o PSD terá sido lesado em mais de 30 mil euros.
Ana Moura, de 49 anos, que até às eleições legislativas de 2011 foi vice-presidente do PSD Almada, estava a trabalhar no gabinete da secretária de Estado do Tesouro. Esta terça-feira, Maria Luís Albuquerque aceitou o pedido de demissão da sua secretária pessoal, que conheceu durante a campanha eleitoral e contratou, logo após a vitória, por 1.882,76 euros mensais.

Portugal!

Como os ânimos hoje estão um pouco em baixo, aqui fica um aconchego para a alma.

quarta-feira, 27 de junho de 2012

A Escola de Santo Amador vai continuar em funcionamento


Em primeiríssima mão, o Açúcar Amarelo orgulha-se de informar que a Escola de Santo Amador vai permanecer em funcionamento no próximo ano lectivo. 

Esta belíssima notícia surge na sequência de uma reunião entre os Pais e a Directora-Regional de Educação do Alentejo, e após as diversas diligências que as autoridades locais - a Câmara Municipal de Moura, a Junta de Freguesia de Santo Amador e o Agrupamento de Escolas de Moura - desenvolveram para que esta solução fosse possível.

Sabemos que só está garantido mais um ano, mas as guerras ganham-se vencendo cada batalha, e esta já está. Prevaleceu o bom senso, a atenção às especificidades locais, a obrigação de cuidar dignamente das nossas crianças. Sai derrotada a economia fria e calculista. 



Bem-hajam todos os que lutaram por este resultado e todos os deram o seu melhor para que isto fosse possível.



Tudo ou nada


Logo à noite, durante 2 horas, vou fingir que estou a fazer qualquer coisa para enganar os nervos enquanto Portugal joga.

Sou um caso perdido para os intelectuais de serviço. Uma bibliotecária a gostar de futebol, francamente! Como é que este país não havia de chegar a este ponto. A culpa não é dos políticos, nem dos que ficam em casa sem votar, nem dos corruptos... é apenas e só dos que perdem tempo a ver futebol.

Porque será?

Pássaros preferem "bombardear" carros vermelhos

Durante dois dias mais de 1100 carros em cinco cidades diferentes foram analisados e no final 18 por cento dos carros sujos eram vermelhos. Outras das cores preferidas dos pássaros são o azul (com 14 %), o preto (com 11 %), o branco (com 7 %), o cinzento ou o prateado (com 3 %) e no fim da lista o verde com apenas um por cento.

Considerando o número de pombos que por aí anda, ainda bem que o meu carro é - obviamente - verde.

Confirmo



E às vezes, também aturam um maluco ou dois :)

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Hot

Abrir a porta da rua hoje foi estranho. Só faltava o cheiro do assado, porque o resto - o forno e a sua pouco amável temperatura - chegaram logo de manhã.
 

domingo, 24 de junho de 2012

25 anos depois


Bem, quando clicarem no link do Açúcar Amarelo, passem a trazer lenços de papel, que isto anda aqui uma lamechice... As comemorações são mais longas que as do aniversário da Rainha de Inglaterra.

Primeiro foi a minha filha mais velha, finalista do secundário. A seguir, ela fez 18 anos. E hoje, feriado municipal, vou receber uma medalha pelos meus 25 anos de trabalho. É verdade, sou praticamente um fóssil na estrutura orgânica da autarquia. Se ainda houvesse reformas aos 30 anos de serviço, só trabalharia até aos 47, mas assim ainda vou a meio da carreira.

É inevitável não fazer balanços, mas apenas quero dizer que hoje compreendo situações que me pareceram inacreditáveis no momento. Compreendo-as porque hoje sei que todas as pessoas são seres humanos que têm as suas fraquezas.

Infelizmente, também eu tenho as minhas fraquezas e uma delas é a incapacidade de desistir. Parece uma força, e na medida certa até o é, mas às vezes chega o momento em que é preciso saber desistir e eu ainda não sou capaz. Mas estou a reajustar os meus objectivos, já é um princípio. Já chega de bater com a cabeça na parede.

Ao longo destes anos tive - e tenho - o privilégio de trabalhar com pessoas muito especiais e de estar presente em momentos importantes para a vida desta comunidade que escolhi como minha. Mas o mais importante deste 25 anos é tê-los passado quase todos a ser Bibliotecária. Não há nada melhor.
 

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Com tranquilidade


Ah e tal... Ganhámos, mas isso não me interessa nada, então não se está mesmo a ver que não ligo nada a isto? Ai vizinhos! Não me posso entusiasmar, que isto assim está a correr tão bem!

Já agora, alguém se lembrou de verificar se o Carlos Queirós ainda mexe?

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Mesmo assim há pessoas que pensam que eles vivem do ar

O Instituto Nacional de Estatística publicou o relatório "Orçamentos Familiares - Inquérito às Despesas da Família - 2010 / 2011". Ficamos a saber que as famílias com crianças gastam em média 26775 euros, enquanto as famílias sem crianças gastam 16705 euros por ano.

Calcula o INE que o o rendimento líquido anual médio por agregado familiar em 2009 era de 23 811€, ou seja, uma média de cerca de 1 984€ mensais. Antes de me começar a rir, ainda tive tempo de verificar que no Alentejo se regista o rendimento médio por agregado mais baixo, com 20 643€ anuais, ou seja, 86,7% do valor nacional.

Voltando às maravilhas da economia familiar, verifico que os gastos per capita e por adulto só foram calculados para famílias com uma criança e com 2 ou mais crianças. Eu sei que dava um bocadinho de trabalho fazer os cálculos todos, mas se os senhores responsáveis pelo estudo tiverem disponibilidade, não me importo de lhes explicar tintim por tintim em que é que 2 crianças é diferente de mais crianças. Agora na época de preparação do início do ano escolar era mesmo boa altura, mas também dá para fazer a demonstração quanto se começam a pôr pacotes de leite no carrinho do supermercado, quando se tenta ir de férias e verificamos que as promoções são feitas a pensar em quem tem só dois filhos, quando vamos comprar roupa ou sapatos porque os do ano passado já deixaram de servir, etc. Qualquer dia é bom, na verdade. Apareçam!
   

terça-feira, 19 de junho de 2012

Toda a gente sabe que as bibliotecas não dão votos

Só dão informação, conhecimento e cultura, que como se sabe são coisas muito perigosas que precisam de ser cortadas pela raiz, asfixiadas, abandonadas à sua sorte. O problema é que neste caso, a indiferença estava a dar espaço à comunidade, que em vez de passar ao lado, escolheu reabilitar o espaço e reconstruir uma biblioteca, vejam bem! Ainda por cima, uma biblioteca popular. Que absurdo, não é?

Caso haja por aí outros loucos que considerem as bibliotecas importantes, podem aderir à comunidade nesta página do Facebook, ou seguir o seu percurso no blogue Biblioteca Popular do Marquês.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Quem diria, um homem do teatro...

O título do artigo é... peculiar. " Gil Vicente estreia-se no exame de 9º ano". E o pobre Gil, tão descansadinho lá no Além há tantos séculos, a pensar que todas as suas obras já tinham sido levadas a cena.

Adenda: E ainda por cima, a notícia é incorrecta. Aqui está ele, na prova de 2010.
           

Isto sim, é que nos devia preocupar

Ainda assim, é preferível ao acto bárbaro, animal e imperdoável de deitar bebés para o caixote do lixo, como infelizmente ainda se vê no nosso país.

Segundo o Público, cerca de 400 crianças foram abandonadas nos últimos 12 anos nesta versão moderna da "Roda dos Expostos" que era frequente em muitos conventos da Idade Moderna. No nosso Convento do Castelo havia uma, ainda lá está a janela com a marca para comprovar.

As Nações Unidas estão preocupadas, o que me parece bem, pela facto de estes bebés serem privados da atenção e carinho dos pais. Não me parece tão bem que desde sempre se tenha virado a cara para o lado quando bebés aparecem abandonados a si próprios em sacos, caixotes e coisas do género, à espera que a morte lhes venha calar o choro. Também não me parece nada bem, nada bem mesmo, que haja crianças que crescem com pais que os exploram, que nada mais têm para lhe dar a não ser fome, violência e desprezo. Acho mesmo que tudo isso devia ser considerado crime, mas crime a sério, e não como esta sociedade pseudo civilizada em que vivemos, em que os vizinhos ou familiares não denunciam as situações porque não é bonito interferir na vida das outras pessoas, ou porque as crianças não se queixam e vão de silêncio em silêncio até ao fim que um dia chega.

Desculpem-me a revolta, mas este é um assunto que me indigna. Gabo a coragem de quem tomou a iniciativa de criar estes dispositivos modernos, de quem pôs a hipocrisia de lado e fez alguma coisa para dar uns pais dignos àquelas crianças que não pediram para nascer. Porque o que está em causa é a vida que essas crianças vão ter. Eu quero lá saber da vida dos pais, ou dos remorsos que os hão-de comer por dentro... A única prioridade da sociedade deveria ser salvar essas crianças e é isso que está em causa.

Desculpem lá qualquer coisinha, mas esta hipocrisia do politicamente correcto dá-me cabo da paciência.

Ok

Enganei-me. Passámos aos quartos de final. Com muita pena de quem não suporta o Cristiano Ronaldo. Continuo sem muita fé, mas até estou a gostar desta tranquilidade.

Apetecia-me fazer uma série de comentários sobre o que se tem dito, mas vou guardá-los. Vim só dizer que, ao contrário de todos os génios que conheço, estava enganada e estou contente por isso.

Notas à parte:
1. Ainda não vi nada daquele "miúdo" que encheu capas de jornais. Também ainda não percebi qual é a intenção. Será promovê-lo (aparentemente conseguiram) ou queimá-lo de vez (aparentemente, vão conseguir) ?

2. A imprensa internacional está rendida a Ronaldo. Mas o que é que a imprensa internacional percebe de futebol, comparada com os heróis do Facebook ou com os técnicos de esplanada da minha rua?
Publicado também aqui.

sexta-feira, 15 de junho de 2012

A solução dos fracos ou quando "O rei vai nu"

Quando algo está mal, não pensam em corrigi-lo, decidem punir quem fala no assunto. Uma menina de nove anos, na Escócia, decidiu publicar fotografias das refeições que são servidas na sua escola e compará-las com as refeições propostas pelo chef Jamie Oliver, que tem levado a cabo uma verdadeira campanha de luta por refeições saudáveis.

Em vez de melhorar as refeições, a escola decidiu chamar a atenção à miúda, proibindo-a de tirar fotografias aos "acepipes" que servem.
         
       

Eh pá... a sério?


Com o rigor habitual no Sapo Local, claro. Where else?

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Parabéns filha


A minha vida já deu várias voltas, acho que acontece com todas as vidas. Dias em que achamos que a nossa vida acabou de mudar, que nada será igual, nunca mais. Porém, nenhum dia será como este.

Já sei que o ditado popular diz "dores paridas, dores esquecidas", mas tenho de confessar que mesmo naquelas longas 22 horas em que esperei por ela, as dores não me custaram. Ou porque estava de tal modo apavorada, a pensar que ia morrer ou coisa parecida, ou porque a ansiedade em lhe ver a cara não me deixava pensar, confesso que só a última meia hora me custou.

Depois foi o que se sabe. Sala de partos, ela toda coberta daquela coisa cinzenta e mal cheirosa com que pelos vistos eu a protegia, em cima do meu peito e pronto. Nunca, nada, jamais, voltou a ser igual. Tive mais dois filhos, que adoro com a mesma intensidade, cada um à sua maneira porque eles são pessoas diferentes e gosto de cada um exactamente como é, ainda que ande sempre a tentar corrigi-los a todos para melhor... Com cada um deles vivi momentos que foram só nossos, de cada vez que eu e cada um deles entrámos no bloco operatório juntos para as malfadadas cesarianas e saímos duplicados. A única diferença é que por essa altura, eu já era mãe da Inês. Já tinha descoberto que a vida afinal é a cores e não aquela monotonia do preto e branco que é a vida de quem está sozinho. Sozinha nunca mais fiquei, isso é um facto.

Não dormi nessa noite. Passei as horas a olhar para ela, tão redondinha, tão rosadinha, tão pacífica. A minha menina, a vida que nasceu de mim. Ainda hoje tudo me espanta, não consigo dentro do meu cérebro, apreender toda a grandeza que é a possibilidade de dar uma vida. Eu dei três vidas. Três vidas para que a minha fosse completa, três vidas para este planeta, três vidas que dependem de mim e das quais eu me tornei totalmente dependente.

À hora exacta a que este post é publicado, 00h10 do dia 14 de Junho, a minha filha Inês completa 18 anos. Eu estou em absoluta negação, a minha menina continua a ser a minha menina, rosadinha, com as mãos pousadas uma na outra, a dormir enquanto eu olho para ela.

Não foram fáceis, estes 18 anos. Na verdade, tenho de confessar que até foram maioritariamente difíceis. Foi preciso ir buscar muita coragem para manter o pulso firme, porque fosse como fosse, estava decidida a fazer dela uma mulher com valores, com princípios, solidária, amiga, educada, honesta, franca e responsável. Algumas coisas "vinham no pacote", outras já estão lá, outras estão a ser trabalhadas, agora já com a participação dela.

Mas não foram só tristezas, nem pensar... Agora passamos o tempo a rir com as memórias, tantas memórias que temos. Mas essas ficam para nós, são demasiado valiosas.

Parabéns Inês!



Esta música era a banda sonora do filme Os três mosqueteiros, que estava em exibição quando tu estavas para nascer. Tem o teu Bryan Adams :)

terça-feira, 12 de junho de 2012

As notícias da noite

1. Mal por mal, antes o MEO. Este bocado de terra onde tenho os pés ainda é independente ou já temos o estatuto de colónia de Angola? E não tinham umas dívidas pendentes?

2. Até que enfim, uma ostra com pérola dentro. Só descobriu agora, foi?

3. Já vai tarde. A imitação que o Eduardo Madeira faz dele no Estado de Graça ainda se tolera, agora o original... é mauzinho.

Só para esclarecer


Sei que vais passar por cá, portanto deixo-te aqui o recado. Sem nome, como convém às aparências. Sem te olhar nos olhos, porque os teus fogem dos meus há muito tempo. Caso contrário, as palavras não seriam necessárias, bastaria olhar para ti. E por cima das olheiras, verias a minha desilusão, a minha incompreensão pelo rumo que decidiste dar às coisas.

Já tenho uns anos (um bocadinho mais do que tu), mas nestas coisas das amizades deixo-me sempre enredar. Crio sempre a expectativa de encontrar ali mais uma daquelas almas que mesmo não sendo gémeas, me compreendem e se deixam compreender. Já tenho algumas e pelo menos duas são mesmo a 100%, nisso acho que tive mais sorte do que tu, perdoa-me a falta de modéstia. Mas sabes como é, falsa modéstia para mim é igual a orgulho com hipocrisia, que é uma coisa terrível.

Espero que tenhas uma boa vida. Eu estarei cá, se um dia quiseres retomar as conversas e a cumplicidade. É claro que já "perdeste uma vida" como eu digo à minha amiga Ana quando ela implica com o meu Sporting, mas foi só a primeira, ainda podemos tentar começar de novo. Não me parece que isso vá acontecer, porque tu és mais orgulhosa do que eu, mas quero que te sintas à vontade. Como sabes, não guardo rancores.

O mais engraçado nesta carta é que ninguém vai pensar que és tu a destinatária. Mas tu vais saber que cada frase te assenta como uma luva e é isso mesmo que eu quero. Passa bem.

segunda-feira, 11 de junho de 2012

No país real

Reproduzo aqui o texto que publiquei no blogue 2711:


Hoje venho aproveitar-me da visibilidade que o 2711 já tem para chamar a atenção para um problema local. Uma questão insignificante para 99,9% da população portuguesa, mas um verdadeiro terramoto para as famílias de uma freguesia do meu concelho chamada Santo Amador. É uma freguesia com cerca de 400 habitantes, que vivem intensamente a sua terra. Todas as actividades que lá realizamos têm sempre casa cheia, a biblioteca é uma das mais movimentadas do concelho e tem a maior taxa de empréstimo de livros por habitante.

Destas 400 pessoas, algumas dão-me o privilégio de serem minhas amigas, por isso acompanho a apreensão com que aguardam o início do novo ano escolar. Em vez da alegria e azáfama habituais, em Santo Amador os pais preparam-se para meter os seus filhos com apenas 6 anos num autocarro de madrugada para só os voltarem a receber em casa ao entardecer. No caso dos meninos em idade de jardim-de-infância é caso para esquecer. À excepção daqueles cujos pais trabalham fora de Santo Amador e os levam consigo, ficarão em casa, com os avós até à idade de ingresso no 1º ciclo.

É o retrocesso puro e simples em todas as políticas de alfabetização e educação acessível a todos. Eu sei que está a acontecer por todo o país, mas eu resido aqui, o meu concelho é este e são estas pessoas e estas crinaças que eu tenho a obrigação de defender, como bibliotecária, como cidadã, como mãe de outras crianças que tiveram a felicidade de residir num sítio onde as escolas (ainda) não fecharam.

Peço desculpa aos leitores do 2711. O que trago hoje não é considerado um drama nacional, embora o seja de facto. Não é uma prioridade na agenda mediática, embora o devesse ser. As crianças de Santo Amador são números na mesa da Directora Regional de Educação do Alentejo, que nem sequer se digna responder às cartas que os pais lhe dirigem. Mas para mim são crianças verdadeiras, têm cara, história, família e um nome: O Guilherme, o André, o Diogo, a Ana Catarina, a Raquel, o Afonso, o Rui, a Mara, a Noélia, a Beatriz, a Cristiana, o David, o Carlos, o Marco, a Rute e o Tomás.

Em Setembro, deixam Santo Amador e atrás deles, mais cedo ou mais tarde, irão os Pais. E Santo Amador será apenas mais uma aldeia fantasma, a quem roubaram a vida.

         

Encerramento da Escola de Santo Amador

Os Pais e Encarregados de Educação da Escola e Jardim de Infância de Santo Amador dirigiram na semana passada uma carta à Sra. Directora Regional de Educação do Alentejo, pedindo uma reunião para esclarecimento do previsto encerramento daquela escola. Sem qualquer resposta, voltaram os pais e encarregados de educação a insistir, enviando a carta que a seguir transcrevo, como forma de apoio ao protesto mais do que justo destas famílias.





Exma. Sra.
Directora Regional de Educação
do Alentejo


Santo Amador, 5 de Junho de 2012

Assunto: Escola EB1 E Jardim de Infância de Santo Amador

Exma. Sra.

Os Pais e Encarregados de Educação das crianças residentes em Santo Amador vêm por este meio expressar o seu receio pelo anunciado encerramento da nossa escola.
Estamos conscientes da enorme crise económica que o país atravessa e da necessidade de conter custos, mas consideramos o encerramento da EB1 e Jardim de Infância de Santo Amador como contraproducente, na medida em que irá apenas contribuir para o progressivo abandono da localidade. Nenhum de nós encara com serenidade a perspectiva de ver sair os nossos filhos em tão tenra idade para outra localidade, durante dias inteiros.
Consideramos que o encerramento de escolas, apenas com base em premissas de natureza económica, esquece factores tão importantes com a especificidade local e a dinâmica da comunidade, que no caso de Santo Amador são determinantes para um crescimento harmonioso das nossas crianças. O factor do insucesso escolar, que reconhecemos como importante, não se aplica na nossa escola, como é facilmente comprovado pelos registos de avaliação dos últimos anos. Os nossos alunos não só têm registado um elevado nível de sucesso escolar como revelam um comportamento exemplar, sem problemas de assiduidade, fruto do ambiente em que a escola se insere. Para estes resultados positivos contribui certamente a possibilidade de beneficiarem de uma escola recentemente remodelada e equipada com biblioteca escolar, ginásio, parque infantil, etc.
A existência da escola representa um factor encorajador à fixação de casais jovens na nossa comunidade, que escolhem a nossa aldeia para fixar a sua residência e aqui construir a sua família. O anunciado encerramento contribui apenas para acelerar o despovoamento e o isolamento dos poucos que aqui vão ficando, o retrocesso cultural e o desequilíbrio cada vez mais acentuado relativamente a outras regiões do país. A aldeia de Santo Amador é, com muito orgulho, uma comunidade de valores culturais muito enraizados, vividos e defendidos por todos os seus habitantes de forma integrada, desde os mais jovens aos mais velhotes. A vida desta comunidade depende também da existência desta escola e a sua extinção terá consequências directas na aldeia de Santo Amador. Um território só terá vida se existirem pessoas para o habitar.
Somos cidadãos portugueses, cumpridores das nossas obrigações. Temos o direito de escolher viver numa região que sabemos ser inferiorizada, mas para a qual queremos contribuir com o nosso trabalho e a nossa vida. Escolhemos viver no Alentejo, escolhemos viver em Santo Amador e queremos criar aqui os nossos filhos com as mesmas condições de acesso à escola que qualquer outra criança tem, incluindo as que vivem nas grandes cidades. Sabemos que a situação que o país atravessa é crítica, e que todos devemos contribuir para a sua resolução, mas rejeitamos que sejam as nossas crianças a pagar a factura.
Certos da compreensão e da melhor atenção da Senhora Directora Regional para este assunto, solicitamos a reavaliação deste processo e aproveitamos para convidar V. Exa. a visitar a escola e a aldeia de Santo Amador. Teremos todo o gosto em recebê-la.
Aguardamos com elevada expectativa a decisão sobre o nosso pedido.
Queira aceitar os nossos melhores cumprimentos,

Os Pais e Encarregados de Educação
das crianças residentes em Santo Amador

domingo, 10 de junho de 2012

O 10 de Junho

Gostei de ouvir. Infelizmente, a julgar pelas caras que fizeram, alguns dos VIPs na sala não partilham a minha opinião.

Assembleia Municipal de 8 Junho 2012


A sessão iniciou-se com a apreciação da acta da reunião de 27 de Abril, que foi aprovada por maioria, com 3 abstenções.

Antes de dar início à Ordem de Trabalhos, o Presidente da Assembleia informou terem decorrido eleições para a composição da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Moura, e que os membros da Assembleia integrantes da Comissão alargada são:
- Pela Mesa da Assembleia, o Presidente, José Gonçalo Valente
- Pela bancada da CDU, Orlando Fialho
- Pela bancada do PS, Maria Fialho Cabrita
- Pela bancada do PSD, Amílcar Bengla Mourão

1. Fiscalização dos actos da Câmara

Interveio o Sr. Álvaro Azedo (PS, JF Santo Agostinho) – Referiu o estado das ruas na zona do loteamento da Estrada de Barrancos e perguntou se haverá intervenção de reparação ou se é necessário esperar pelo final das obras da Unidade de Cuidados Continuados; Questionou sobre a intenção da Câmara de utilizar ou não a verba disponibilizada pela linha de crédito resultante do protocolo estabelecido entre o governo e a ANMP; Lamentou o funcionamento do Grupo de Trabalho do Trânsito, cujas propostas não têm tido a correspondente execução.

Interveio o Sr. Gonçalves (Ind. JF Amareleja).

Interveio o Sr. Francisco Semião (PS) – Questionou porque razão só o Agrupamento de Escolas de Moura está abrangido pelo Mini gym.

O Sr. Presidente da Câmara esclareceu que está a ser tratada a questão da cedência de terrenos à Fundação responsável pela Unidade de Cuidados Continuados. Esclareceu que o protocolo estabelecido entre a ANMP e o governo não foi objecto de consenso no Conselho Geral daquela Associação, o qual requereu a realização de um Congresso extraordinário. Porém, considerando as condições, dificilmente a Câmara de Moura se candidatará à linha de crédito. Relativamente ao Grupo de Trabalho do Trânsito, endossará as recomendações. Quanto ao projecto de Minigym, informou que se estenderá ao Agrupamento da Amareleja.

O Sr. João Dinis (PS, JF Sobral da Adiça) interveio – Questionou se já houve contactos estabelecidos entre o município e a empresa que vai construir a ponte sobre a Ribeira da Perna Seca, junto ao Sobral; Inquiriu ainda sobre o ponto de situação da aquisição de massas frias para o preenchimento de buracos nas ruas e estradas, sobre a situação das estradas municipais e sobre o pagamento das verbas relativas a 2011 às Juntas de Freguesia.

Interveio a Sra. Helena Romana (CDU, JF Santo Amador) – Inquiriu sobre o desenvolvimento da situação do encerramento da escola de Santo Amador.

Interveio o Sr. Rui Almeida (PSD, JF Póvoa de S. Miguel) – Questão da fossa na aldeia da Estrela precisa de ser resolvida; Questionou também sobre o ponto de situação do Plano de Pormenor da mesma aldeia.

Interveio o Sr. Batista (PS) – Perguntou se o encerramento anunciado dos postos da GNR em Safara e Amareleja motivará algum tipo de luta por parte da Câmara, à semelhança do que aconteceu aquando do encerramento de outros serviços.

Interveio a Sra. Maria Fialho (PS) – Questionou sobre a responsabilidade da autarquia na recolha de cães abandonados, uma vez que na sua zona andam 2 cães nessas condições.

O Sr. Presidente da Câmara interveio, cumprimentando o Sr. João Dinis pela recente eleição como Presidente da Comissão Concelhia do PS em Moura. Informou que a obra da ponte começará em Julho e que procurará saber se já houve contactos prévios. Quanto à aquisição de massas frias e ao estado das estradas municipais, que estão relacionados, informou que a dificuldade de aquisição decorre da lei dos compromissos, mas que já está a ser ultrapassada.

Informou que a DREA já comunicou à autarquia a decisão de encerrar a escola de Santo Amador.

Informou que o assunto da fossa na Estrela está a ser tratado e que o Plano de Pormenor da Estrela será apresentado para apreciação e votação na sessão da Assembleia prevista para Setembro, uma vez que está a decorrer o prazo de discussão pública.

Relativamente à questão do encerramento dos postos da GNR, informou não estar prevista nenhuma acção de luta mas mostrou a sua disponibilidade para apoiar uma eventual iniciativa que o Sr. Batista entendesse por bem promover. Quanto à recolha de cães, confirmou a responsabilidade da Câmara pelo que daria conhecimento aos serviços competentes.

2. Assumpção de compromissos Plurianuais – Abertura de procedimentos por concurso público para a realização das seguintes empreitadas:
- Restauro da Igreja do Espírito Santo em Moura
- Reabilitação do Edifício dos Quartéis, em Moura
- Remodelação do Edifício da Escola de santo Aleixo da Restauração
- Valorização Paisagística da Ribeira de Vale de Juncos e Zona Envolvente, em Amareleja

Os procedimentos foram votados separadamente, tendo sido todos aprovados por unanimidade.

3. Estabelecimento de medidas preventivas e suspensão do Plano Director Municipal de Moura para a área de Intervenção do Plano de Pormenor da unidade de Planeamento 4 de Amareleja.
Aprovado por unanimidade.

4. 2ª revisão às Grandes Opções do Plano e Orçamento referentes ao ano de 2012.
Aprovado por maioria, com 11 abstenções (PS e Ind.).

5. Imposto Municipal sobre Imóveis
Aprovado por unanimidade.

6. Lançamento de Derrama
Aprovado por unanimidade.



sábado, 9 de junho de 2012

E ainda...

Ficámos hoje a saber que o Eusébio já se juntou à selecção. Como se diz na minha terra, faz lá uma falta como a fome. De certeza que pagou as despesas por conta dele. De certezinha. Até porque os custos de alojamento são uma pechincha, como se sabe.
                 

Eu sei que disse que tão depressa não falava do euro, da selecção...

... mas é que isto está mesmo a pedi-las.



Primeiro que tudo, coitado do Guilherme. De facto, estes homens da bola têm uma oportunidade de passar mensagens que mais ninguém tem, por muito bom que seja naquilo que faz. Veja-se o que aconteceu com o apelo para ajudar o filho de Carlos Martins. Quantos excelentes médicos, quantos pais e filhos excepcionais não fizeram já o mesmo apelo e foram ignorados? E quantos outros doentes não terá sido possível salvar graças àquele apelo específico?

Agora, "a possibilidade de mudar em campo a opinião que o mundo tem de nós"? Então não se viu pela Grécia? Aquilo está um caos, mas isso não interessa nada porque já ganharam um campeonato europeu de futebol...

Por favor, até eu, que gosto de futebol, acho isto um bocadinho irrealista. E com os resultados que se esperam, o efeito vai ser inverso. Ou perverso. Ou os dois. Até porque não percebo estas campanhas megalómanas da Galp. Só uma coisa me faria deixar de abastecer em Espanha, e não é a publicidade, muito bem paga, a puxar ao "patriotismo".
               

quinta-feira, 7 de junho de 2012

Sobre o Euro 2012, a selecção e outras coisas

1. Como é do conhecimento público, gosto muito de futebol.

2. Não tenho fé nenhuma na participação portuguesa neste Europeu.

3. Se eu fosse o Ronaldo, era 30 mil vezes mais antipática e desagradável.  Ter metade do mundo a querer saber o tamanho da unha do dedo mindinho do pé esquerdo é caso para mandar tudo às couves todos os dias. Enfim, talvez fosse um nadinha menos pirosa.

4. Se eu fosse um dos outros 22 jogadores convocados, sentava-me no meio campo quando o jogo começasse e só me levantava quando o árbitro apitasse para o fim. Não é só o Ronaldo que conta?

5. Ainda que não sejamos nós a pagar (e gostava que me explicassem isso tudo melhor), é um exagero o que se está a gastar com isto e ainda a procissão está a formar cordão dentro da Igreja. Falo dos gastos com os luxos da selecção, mas também dos gastos impressionantes que os órgãos de comunicação social estão a fazer com a multidão de enviados especiais que passam horas a encher chouriços à porta de um hotel qualquer. E sim, somos nós que pagamos.

6. Adorava estar enganada nos 5 pontos anteriores.

7. Acordem! O futebol é muito agradável, é um óptimo meio de descompressão, um factor de integração no grupo, é viciante e ainda por cima, tratando-se da selecção, traz ao de cima os sentimentos patrióticos mais ou menos nobres de cada um. Acontece que ser patriótico implica ter um País de que nos orgulhamos, em defesa do qual fazemos tudo. Acham que temos esse país? A equipa de futebol da selecção nacional (é só isso, uma equipa de futebol, não é o destino do país que está em causa dentro das quatro linhas) tem 3 jogos marcados. São 270 minutos. O que é que vamos fazer com os outros milhares de minutos que nos restam? Analisar e discutir cuidadosamente a distância que separa as duas sobrancelhas do Ronaldo?

Por amor de Deus! Façam aqui todos os dias, todos os segundos, aquilo que esperam ver em campo. Trabalhem, corram, lutem, protestem, estudem as melhores tácticas, dêem tudo o que têm para dar, até à última gota de suor. E depois sim, um petisco e uma cervejinha, e 90 minutos de puro deleite, com a consciência de termos dado o melhor para a grandeza de um país que aqueles 11 homens representam numa mera e regular competição de futebol.

Assunto arrumado. Já só volto a falar disto se me tiver enganado e passarmos às fases seguintes.

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Escolhas

"Filho é um ser que nos foi emprestado para um curso intensivo de como amar alguém além de nós mesmos, de como mudar nossos piores defeitos para darmos os melhores exemplos e de aprendermos a ter coragem. Isto mesmo ! Ser pai ou mãe é o maior ato de coragem que alguém pode ter, porque é expor-se a todo tipo de dor, principalmente da incerteza de estar agindo corretamente e do medo de perder algo tão amado. Perder? Como?  Não é nosso, recordam-se? Foi apenas um empréstimo".
José Saramago

Tenham a idade que tiverem, serão sempre meus filhos e continuarei sempre a ser responsável por eles. São e serão sempre a minha escolha, com a mesma convicção, desde o dia em que soube que estava grávida pela primeira vez.

Tenho comigo uma colecção inesgotável de memórias de dias, muitos dias, que mais ninguém tem. São só minhas e já não tenho pena de quem não tem nada para lembrar.
      

Procuram dono


Recebi este e-mail de uma amiga:

Procuro donos para estes 4 cãezinhos. Os dois da direita são machos, os 2 da esquerda são fêmeas. São cruzados de podengo e podem ser entregues dentro de um mês. O porte será entre o pequeno/médio. 

Na Sábado desta semana vinha publicada uma carta elogiando a reportagem da semana anterior sobre o comportamento dos cães e a forma como nos são fiéis. Dizia o leitor que depois de ler a reportagem, tinha ficado com vontade de comprar um cão. Parece-me bem, mas e que tal adoptar um dos muitos que aí andam pela rua a precisar de acolhimento? Nem imaginam como eles vos ficam gratos. Eu sei do que falo, recebi o doido do meu Stromp quando andava perdido na rua com apenas dois meses. Destruiu-me grande parte das flores do quintal, mas é uma ternura e tem uma alegria inesgotável.

Quem estiver interessado, pode responder aqui no blogue ou via correio electrónico e eu reencaminharei. Obrigada.
     

domingo, 3 de junho de 2012

Oh querida, mas se tivesse sido só essa...

Das suas proezas tenho eu muitas para contar, já que tenho o hábito de ouvir o Bom Dia Portugal todos os dias. São tantas... Não pense mais nisso.


sábado, 2 de junho de 2012

The best days

É hoje que a minha filha mais velha vai finalmente ouvir ao vivo o "seu" Bryan Adams.

Aparentemente, estou lixada

Primeiro achei que a notícia era absurda. A mim ninguém me perguntou nada. Quem é que escolheu os indivíduos para a amostra? Eu gosto muito de ser mulher e ter filhos, sou ideologicamente de esquerda e adoro trabalhar, especialmente considerando que o meu trabalho é ser bibliotecária.

Porém numa segunda leitura,  fiquei preocupada com um parágrafo.  À pergunta "Estas conclusões poderão influenciar, a partir de agora, a escolha dos empresários na hora da contratação?", um dos investigadores respondeu que “não estão à espera de nenhuma aplicação prática de imediato”, mas “a médio e longo prazo pode levar as empresas a adaptar os seus horários de trabalho às especificidades das pessoas”. Não se iludam. O que isto quer dizer é que mulheres com filhos e ideologicamente de esquerda poderão tornar-se, caso este estudo venha a ser levado a sério, um alvo a abater. Decididamente, estou lixada.
         

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Quinhentos anos




Há precisamente 500 anos, o Rei D. Manuel I concedia Carta de Foral à Vila de Moura, no âmbito da reforma dos forais que aquele Rei determinou no início do seu reinado.

Hoje, o jornal A Planície publica um estudo feito pelo meu amigo José Francisco Finha, cuja leitura aconselho a todos.



A Câmara Municipal de Moura promove uma sessão solene comemorativa no Salão Nobre dos Paços do Concelho, hoje, pelas 18h00.

   

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...