segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Votos para 2013


Não acredito que 2013 nos desiluda. As expectativas são tão baixas, tão tristes, tão pessimistas, que tudo o que nos rodeia só pode melhorar (até o meu Sporting...!). 

Desejo a todos a mesma força, determinação e coragem que espero ter para enfrentar os dias que aí vêm. 
Normalmente, costumo desejar que daqui a um ano, possamos olhar para trás e concluir que fomos felizes. Hoje, desejo sobretudo que daqui a um ano estejamos todos vivos, de boa saúde, com emprego e forma de sustentar condignamente as nossas famílias.

Um abraço.
     




domingo, 30 de dezembro de 2012

Laura

Laura, como está?

Escrevo-lhe porque por mais que tente, não consigo dirigir-me àquele "coisinho" com quem casou. Pedro é um nome tão bonito, que o escolhi para o meu filho e agora não posso de forma nenhuma, designar um ser tão... "coisinho", pois.

Serve a presente carta para lhe dizer que os votos de festas felizes cá chegaram, mas a felicidade que enviou não compareceu. A sorte é que nós tínhamos aqui um bocadinho da nossa felicidade e lá se fez a festa. Usei os pratos que estão habituados à minha mesa, o serviço ainda é recente, não havia razão para comprar outros. A família coube toda na mesma mesa, mas foi preciso jeitinho, porque entre irmãs, pais e filhos já somos quase 20. A comida também não deu para esticar muito, porque já se sabe, o tempo não está para bifes. Enfim, arranjou-se qualquer coisita.

O problema é aquele aperto no coração que não me larga. Só penso em propinas e contas da EDP, facturas e prestações! Uma chatice. Só tenho um crédito bancário, que fiz quando achei que (presunção!) devia comprar uma casa para morar com os meus filhos, mas agora compreendo que sonhei acima das possibilidades.

Olhe querida, isso dos presentes simples e menores é que não pôde ser. Os meus filhos são muito poupadinhos e só quiseram ser sócios do Sporting Clube de Portugal. É um presente pequenino, o cartão de sócio é do tamanho de um cartão multibanco, mas representa a paixão de uma vida.

De forma que resolvi escrever-lhe este postalinho, para saber como é que me posso penitenciar. 3 prendas, um crédito à habitação e esta mania que temos cá em casa de estudar... Acha que isto vai com uns jejuns ou preciso ir de joelhos até Massamá?

Passe bem Laura, bom ano para si. Tenha coragem e veja-se livre do... coisinho.

Zélia

Planeamento estratégico


E ainda nem chegámos ao carnaval...

Anda meio mundo escandalizado com o pseudo-especialista da ONU que afinal não o era. Todas as organizações que antes solicitavam a sua presença e os seus doutos comentários já cessaram unilateralmente a colaboração e até há quem queira a cabeça de quem o contratou.

Sobre este assunto, e na assumpção prévia de que não há qualquer desculpa para a mentira, dois comentários:
1. Que qualificações são ou foram alguma vez pedidas a todos os outros comentadores que infestam as televisões e jornais, recebendo honorários astronómicos para me dizerem a mim e a mais não sei quantos milhões de portugueses que gastámos acima das nossas possibilidades e agora vamos ter de pagar? Pelo menos este era, digamos, anti-austeridade. Humm... Deve ser por isso que precisava de apresentar credenciais mais rigorosas do que ter mergulhado no Rio Tejo.
2. E o Relvas? Quando é que cessam unilateralmente qualquer colaboração com ele? Quando é que pedem a demissão de quem o escolheu? É que ele não se limita a mandar umas postas de pescada para o ar. Ele TEM PODER e, na escala das mentiras e de aparentar o que não é, convenhamos, ainda deve deter o record.
             

sábado, 29 de dezembro de 2012

E dura... e dura...

O Banco BIC, que comprou o BPN, resolveu agora encerrar 25 agências, com o correspondente despedimento de todos os respectivos funcionários. Além da tragédia pessoal que isto representa para os bancários agora sem emprego, adivinhem quem vai suportar os custos da indemnização? O Estado, ou seja, nós, os contribuintes. Isto não acaba nunca?

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

A crise, a crise...

Não se deixem distrair pela simpatia da menina. Reparem na quantidade de letreiros negros e proibitivos na porta da loja. Que medo de comprar ali qualquer coisa!


Calças com buraquinho? Não trocamos. Tome... e embrulhe.
 

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Feliz Natal


"Hoje é dia de ser bom.
É dia de passar a mão pelo rosto das crianças,
de falar e de ouvir com mavioso tom,
de abraçar toda a gente e de oferecer lembranças.

É dia de pensar nos outros – coitadinhos – nos que padecem,
de lhes darmos coragem para poderem continuar a aceitar a sua miséria,
de perdoar aos nossos inimigos, mesmo aos que não merecem,
de meditar sobre a nossa existência, tão efémera e tão séria.

Comove tanta fraternidade universal.
É só abrir o rádio e logo um coro de anjos,
como se de anjos fosse,
numa toada doce,
de violas e banjos,
entoa gravemente um hino ao Criador.
E mal se extinguem os clamores plangentes,
a voz do locutor
anuncia o melhor dos detergentes.

De novo a melopeia inunda a Terra e o Céu
e as vozes crescem num fervor patético.
(Vossa Excelência verificou a hora exacta em que o Menino Jesus nasceu?
Não seja estúpido! Compre imediatamente um relógio de pulso anti magnético.)
Torna se difícil caminhar nas preciosas ruas.
Toda a gente se acotovela, se multiplica em gestos, esfuziante.
Todos participam nas alegrias dos outros como se fossem suas
e fazem adeus enluvados aos bons amigos que passam mais distante.

Nas lojas, na luxúria das montras e dos escaparates,
com subtis requintes de bom gosto e de engenhosa dinâmica,
cintilam, sob o intenso fluxo de milhares de quilowatts,
as belas coisas inúteis de plástico, de metal, de vidro e de cerâmica.

Os olhos acorrem, num alvoroço liquefeito,
ao chamamento voluptuoso dos brilhos e das cores.
É como se tudo aquilo nos dissesse directamente respeito,
como se o Céu olhasse para nós e nos cobrisse de bênçãos e favores.

A Oratória de Bach embruxa a atmosfera do arruamento.
Adivinha se uma roupagem diáfana a desembrulhar se no ar.
E a gente, mesmo sem querer, entra no estabelecimento
e compra – louvado seja o Senhor – o que nunca tinha pensado comprar.

Mas a maior felicidade é a da gente pequena.
Naquela véspera santa
a sua comoção é tanta, tanta, tanta,
que nem dorme serena.

Cada menino
abre um olhinho
na noite incerta
para ver se a aurora
já está desperta.
De manhãzinha
salta da cama,
corre à cozinha
mesmo em pijama.

Ah!!!!!!!!!!

Na branda macieza
da matutina luz
aguarda o a surpresa
Do Menino Jesus.

Jesus,
o doce Jesus,
o mesmo que nasceu na manjedoura,
veio pôr no sapatinho
do Pedrinho
uma metralhadora.

Que alegria
reinou naquela casa em todo o santo dia!
O Pedrinho, estrategicamente escondido atrás das portas,
fuzilava tudo com devastadoras rajadas
e obrigava as criadas
a caírem no chão como se fossem mortas:
Tá tá tá tá tá tá tá tá tá tá tá tá tá.

Já está!
E fazia as erguer para de novo matá-las.
E até mesmo a mamã e o sisudo papá
fingiam
que caíam
crivados de balas.

Dia de Confraternização Universal,
dia de Amor, de Paz, de Felicidade,
de Sonhos e Venturas.
É dia de Natal.
Paz na Terra aos Homens de Boa Vontade.
Glória a Deus nas Alturas."

António Gedeão, in Máquina de Fogo

sábado, 22 de dezembro de 2012

Mandem o cobrador do fraque


A degradação dos ativos tóxicos do BPN que estão nas mãos do Estado não para de se acentuar. As implicações que isso poderá ter no défice das contas públicas de 2012 ainda não são conhecidas.
Fontes ligadas às sociedades veículo, criadas pelo Ministério das Finanças para absorver nos últimos dois anos um total de 5,5 mil milhões de euros em créditos malparados do banco de José Oliveira Costa, garantem que "a situação é crítica" e o número de contratos de empréstimo com hipóteses de virem a ser recuperados é cada vez menor.
Segundo informações internas das sociedades veículo, a que o Expresso teve acesso, já há mais de 500 clientes com dívidas superiores a meio milhão de euros em incumprimento total. Ou seja, clientes que já deviam ter liquidado tudo o que devem e que, pelo contrário, deixaram pura e simplesmente de pagar qualquer prestação. Estão em causa três mil milhões de euros.
Para ler no Expresso de hoje. 



Claro, está cá a arraia-miúda para pagar as dívidas de toda a gente! Quando é que alguém põe fim a este regabofe do BPN? Isto é uma ofensa a todos os portugueses. Porque é que estas dívidas continuam a ser incorporadas no orçamento de estado?
 

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

A extinção

Para cá do Rio Tejo, já dizia Mário Lino, esse grande pensador contemporâneo, fica o deserto. Não surpreende portanto, à luz dessa filosofia "Liniana" que os estrategas do Portugal moderno escolham uma e apenas uma via para o desenvolvimento: A extinção.

A extinção é uma técnica governativa segundo a qual se eliminam sistematicamente as situações incómodas ou potencialmente geradoras de preocupações enquanto se distraem os parolos, não com bolos, mas com um palavreado giro e dinâmico em que se incluem palavras-chave como reforço da segurança, rentabilização de recursos, produtividade, eficiência dos serviços, eficácia na gestão, etc., etc..

Acontece porém que todas estas expressões extremamente válidas e relevantes quando aplicadas a situações concretas, mais não são do que blá blá blá no discurso da grande maioria dos nossos políticos.

Enquanto no Hospital de S. João há cerca de 30 cirurgiões que não fazem uma única cirurgia por ano, no interior do país fecham-se centros de saúde porque há que rentabilizar os recursos qualificados (pagando-lhes um ordenado para fazerem zero cirurgias por ano) num hospital de uma grande cidade. Eu não sou burra e sei que há uma grande distância entre um médico de clínica geral e um cirurgião. Eu também não gosto que me confundam com uma arquivista e aposto que 99% dos que estão a ler isto acham que é a mesma coisa (sem desprimor para os arquivistas que também não gostam de ser confundidos com os bibliotecários). Mas recordo que os professores também são profissionalmente especializados e não é por isso que têm deixado de ser tratados como um bando de ovelhas em transumância.

Enquanto há dinheiro para financiar colégios privados, fecham-se salas de aula no interior. Afinal, que ambição é que estes miúdos do interior podem ter? Querem ser médicos e dar consultas na sua terra, à Fernando Namora, queres ver? Dediquem-se mas é à agricultura, que para isso não precisam de gastar dinheiro ao Estado. É a produtividade e a eficácia na gestão.

Enquanto há vagar para fazer umas campanhas inovadoras para chamar a atenção dos populares para as questões de segurança, fecham-se postos da PSP e da GNR no interior, porque afinal, quem é que ainda mora aqui? Não há hospitais, não nasce ninguém. Se não nasce ninguém, não há miúdos para frequentar a escola. Se não há miúdos, também não há adultos que precisem de serviços básicos como os Correios. E se não há população, porque já os enxotámos todos, para que é que precisamos das juntas de freguesia ou das câmaras municipais? O dinheiro gasto por ano com as assembleias de 4 ou 5 municípios dão para pagar a um (sim, um só) turbo assessor do governo.

Tribunais? Fechados. Então, se não há ninguém para prender os criminosos... Quanto ao direito civil, também não faz falta, estes tipos do interior são uns broncos, não sabem o que isso é.

E já agora, se não há ninguém, feche-se o último bastião do Estado: as repartições de finanças. Os poucos teimosos que restam que vão pagar a outro lado.

Não se queixem, parece que há um aeroporto de sobra. Querem ficar com ele?


A partir de hoje, o Posto da GNR em Safara passa a ter horário administrativo e está encerrado a partir das 17 horas.

Em contagem decrescente ;)


quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Há muito Sporting!



Mega Torneio/Convívio de Natal de Futsal Juvenil onde estarão representadas todas as Freguesias do Concelho de Moura. Venha divertir-se e passar connosco um dia repleto de desporto, convívio e amizade. Este evento visa sobretudo: divulgar a nossa modalidade, aproximar todas as freguesias do nosso concelho, incutir a prática do desporto nos nossos jovens através do fair-play e do espírito de equipa. 

Organização: Núcleo Sportinguista de Moura – Departamento de Formação.
Apoio: Câmara Municipal de Moura

Domingo, 23 de Dezembro de 2012 - 09:00
Pavilhão Gimnodesportivo de Moura

Últimas notícias do reino dos metralhas


O ministro Relvas está reformado, a RTP vendida a anónimos e a TAP sem destino.

Não temos a mínima hipótese de sobrevivência. Zero.
 

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Moura Romana


«A Marco Numísio (?) Calvício, de setenta anos, a Lúcio Numísio (?) Arro, de quarenta e un anos – Emília Ânula, filha de Quinta, ao marido e ao filho; Marco Numísio (?) Máxumo, ao pai e ao irmão mandaram fazer. Rogamos, transeunte, que digas: que a terra vos seja leve!»
Foto de FE 103 457 PLACA FUNERÁRIA ROMANA DE MOURA - já se encontra disponível em http://www.uc.pt/fluc/iarq/documentos_index/ficheiro o nº 103 (2012) do Ficheiro Epigráfico da Universidade de Coimbra

Parabéns José Gonçalo Valente, Vanessa Gaspar, Santiago Macias e restante equipa responsável pela sua recuperação das entranhas da terra. Esta preciosidade está à espera de uma visita no Museu Municipal de Moura.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

O aniversário do chefe


Retirado daqui.

O senhor lá terá de cumprir o calendário e comemorar o aniversário, e a sala polivalente da junta também pode servir para essas coisas. A questão, além da óbvia "quem é que paga o lanchinho?" é porque é que o Senhor Secretário da Junta identificado como tal, convida Excelências para o lanche convívio comemorativo de 31º aniversário do Senhor Presidente da Junta, também identificado como tal. E o Senhor Tesoureiro, terá conhecimento?

Deixa-me cá pensar bem se algum dos presidentes de junta que eu conheço tem o aniversário em breve...
     

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Inês Gonçalves



Inês Gonçalves foi a grande vencedora da final do 5º Festival de Fado Amador do Algarve, disputada no cinema Ossónoba em Estoi no dia 01 de Dezembro.Com efeito, a concorrente que veio de Moura demonstrou uma qualidade acima da média, numa interpretação que empolgou o público.Em 2º e 3º lugares classificaram-se Melissa Simplício e Alcino Bom.No Sábado seguinte 08 de Dezembro, foi a vez de ganhar em Albufeira, num evento denominado “As Mulheres e o Fado”, novamente Inês Gonçalves não deu hipóteses à concorrência arrecadando mais um 1º prémio.Desta vez os 2º e 3º lugares foram para Liliana Mendes e Alexandra Viana.Inês Gonçalves prepara-se agora para iniciar um novo ciclo da sua carreira, com a gravação de um CD áudio, prémio que ganhou ao arrecadar o 1º lugar no Festival de Fado do Algarve.
Retirado daqui

É com muito orgulho e alegria que publico aqui esta notícia. Plenamente merecido, representa a concretização de um projecto em que a Inês estava empenhada, que é o da gravação de um disco. Parabéns!

Podem seguir a actividade artística da Inês na página oficial do Facebook: http://www.facebook.com/fadista.ines.goncalves

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

:)


Noite agreste

20h30: Reunião da Assembleia da Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo. Duas horas e meia (talvez três horas bem medidas) a discutir metodologia referente à ordem de trabalhos, para depois no fim, se chegar à conclusão de que todos queríamos o mesmo. As guerrilhas políticas é que pelos vistos não permitem a algumas pessoas que concordem à primeira com uma proposta apresentada por outros. Dão-se umas voltas e depois há alguém que põe em cima da mesa aquilo que lá estava desde o início. É claro que há sempre um ou dois mais convictos, que optam pela abstenção violenta, que como todos sabemos tem um efeito tremendo.

A sorte é que a minha condição de adepta do Sporting me tem dado muita paciência, muita mesmo...
             

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Palavras leva-as o vento

Precisamos é de acção. Infelizmente, só neste mês de Dezembro é que as pessoas acordam para a vida e se lembram da solidariedade e da partilha. Mas o mais importante é começar, certo? O jornal Público fez uma lista de dez maneiras de ajudar o próximo (e quem está longe também), em voluntariado. Vamos escolher uma?
 

O arquitecto da utopia

Morreu Óscar Niemayer.

Congresso nacional de Brasília

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Árvore da Partilha


Mais uma vez, neste dia 3 de Dezembro, foi erguida a Árvore da Partilha no Largo General Humberto Delgado. A árvore, feita integralmente com reaproveitamento de materiais usados (fundos e gargalos de garrafas de plástico), é fruto da colaboração de todos os alunos das escolas e jardins-de-infância do concelho, coordenada pela Ludoteca Municipal.

Depois do trabalho partilhado, as garrafas ficaram assim:

  


Sobre a extinção de freguesias - Santo Amador


Abaixo-Assinado
Não à Extinção de Freguesias

Senhor Presidente da República, 
Senhor Presidente da Assembleia da República, 
Senhor Provedor de Justiça

Os abaixo-assinados, cidadãos portugueses, particularmente preocupados com a Reforma da Administração Local em debate, especialmente no que visa a extinção de freguesias, solicitam a Vossas Excelências, a tomada de medidas necessárias para que não se extingam freguesias, a não ser por vontade própria dos seus órgãos e das suas populações. Fazem-no porque uma eventual extinção de freguesias provocará: 

  • Despovoamento e desertificação, transformando as nossas localidades em lugares abandonados; Desaparecimento da identidade, da bandeira da freguesia, da cultura, do património de muitos anos de história;
  • Diminuição da democracia local através da redução da participação de muitos cidadãos nas decisões que lhes respeitam, ficando o poder cada vez mais distante e mais concentrado;
  • A Extinção de Freguesias, não contribuiria para poupar recursos financeiros, a não ser que se privem as populações respectivas dos serviços e apoios prestados pela Freguesia;
  • Uma Reforma Administrativa num país civilizado e democrático deve assegurar a participação e vontade das populações e ir ao encontro das suas necessidades e expectativas.


Este foi o documento que reuniu mais de sete mil assinaturas, tendo sido discutido na AR e reprovado pela maioria parlamentar. Um grupo representante dos signatários (incluindo a Presidente da Junta de Freguesia) foi ainda ouvido em audiência na AR pela Comissão Parlamentar do Ambiente, Ordenamento do Território e Poder Local.

A meu pedido, a Senhora Presidente da Junta de Freguesia de Santo Amador, a minha amiga Helena Romana, fez ainda o favor de me enviar a proposta entregue ao Ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares sobre a reforma da administração local, para divulgação.

Parece-me infelizmente, que a maior parte da população está alienada do problema e só vai manifestar o seu descontentamento quando já for demasiado tarde.

Ora, este é um problema que temos de resolver JUNTOS, com a participação de TODOS. Ninguém pode ficar indiferente, apenas porque a sua freguesia não vai ser extinta, ou porque acha que só os políticos é que têm a obrigação de resolver os problemas e evitar todos os males. Os políticos são apenas nossos representantes,  eleitos por nós, por aqueles que se dão ao trabalho de sair de casa em domingo de eleições e votar. Mas esta é uma questão, tal como a do encerramento das escolas, dos postos dos CTT, dos hospitais e centros de saúde, das esquadras e postos da GNR e da PSP, que precisa do empenho e da participação de todos nós.

Temos o dever e o direito de participar.






domingo, 2 de dezembro de 2012

A pergunta do dia

Quem beneficiará com tantos pequenos casos à volta da RTP? Era uma das mais sólidas e respeitáveis instituições no panorama nacional, agora parece uma daquelas vedetas que lhe enchem os ecrans e as capas da imprensa cor-de-rosa, por mudarem de namorado todas as semanas. A quem interessa esta descredibilização?



sábado, 1 de dezembro de 2012

Enfim, o miúdo fez uma coisinha de jeito.

1º de Dezembro

Era o feriado civil mais antigo da História de Portugal, mas não conseguiu resistir à fúria devastadora da dupla Passos & Portas.

Uns ficam para a História pela coragem e pela bravura, outros pela cretinice e pelo ridículo. É que este governo, tão preocupado com a produtividade perdida nos dias que definem a nossa identidade nacional, é o mesmo que decidiu agora conceder 2 tolerâncias de ponto no Natal e no Ano Novo.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

“Não à extinção da Freguesia de Santo Aleixo da Restauração”


Excelentíssimo Senhor 
Presidente da República Portuguesa 

Excelentíssima Senhora 
Presidente da Assembleia da República Portuguesa 

Excelentíssima Senhora 
Provedora de Justiça 


Os abaixo assinados cidadãos portugueses, preocupados com as propostas apresentadas pelo Governo Português para a reforma da administração local, particularmente no que diz respeito à anunciada extinção e/ou fusão de freguesias, vêm por este meio solicitar a Vossas Excelências a tomada de medidas que evitem a concretização desta proposta, particularmente nos casos em que não é esta a vontade expressa nem pelos órgãos legitimamente eleitos nem pelas populações que estes representam. 

Consideram os cidadãos que subscrevem esta petição que a extinção da freguesia de Santo Aleixo da Restauração, no concelho de Moura, nada trará de positivo, contribuindo em contrapartida e de forma negativa para os seguintes factores: 

a) Incremento da desertificação e despovoamento destas terras; 

b) Desaparecimento da identidade histórica, cultural e social da freguesia, simbolizada nas suas insígnias. Santo Aleixo da Restauração desempenhou um papel fundamental e historicamente reconhecido nas lutas que no século XVII ajudaram a definir e a defender as nossas fronteiras. À população desta freguesia se deve um acto de elevado heroísmo e abnegação na defesa da Pátria Portuguesa; 

c) Redução significativa da democracia na mais pura das suas vertentes, que é a da administração autárquica, e transição para um modelo de tomada de decisão cada vez mais centralizado, contribuindo para o afastamento indesejado dos cidadãos da vida política activa e da participação cívica. 

Importa ainda lembrar que o pressuposto da poupança económica, tantas vezes apresentado como justificativo, carece de fundamento, uma vez que não desaparecem as necessidades das populações e as prestações de serviços delas decorrentes. 

Por fim, consideram os signatários que não é possível, num país livre e democrático, construir o edifício da administração local sem assegurar a necessária participação das populações que dela directamente usufruem. 

Os signatários


Para assinar a petição online, aceda a: http://www.peticaopublica.com/PeticaoVer.aspx?pi=fsar2012
Para assinar o abaixo-assinado, com o mesmo teor, que será enviado às autoridades acima identificadas, dirija-se à Junta de Freguesia de Santo Aleixo da Restauração.
 

Em liquidação

A possibilidade de taxar a frequência do ensino secundário - que é obrigatório por lei - com o pagamento de propinas revela que é sempre possível ir um bocadinho mais longe no esforço concertado de destruição da sociedade em geral e da classe média em particular. Num futuro não muito distante voltaremos a ter um enorme fosso entre os muito pobres e os muito ricos, quer em termos monetários, quer no que diz respeito à educação e ao acesso à informação e à cultura. Valores como a solidariedade, a igualdade de oportunidades, a plena cidadania parecem nada significar e um dia, estas palavras até podem desaparecer do léxico, uma vez que já ninguém conhecerá o seu real significado.

Eu sei que ando numa fase em que só vejo o copo meio vazio, mas na verdade, tenho cada vez menos esperança neste país. Ainda que este governo caia, como pedem os eternos barões da sociedade nacional, encabeçados por Mário Soares, qual é a alternativa? José António Seguro e os seus voluntários, seguindo a tradição da alternância no poder entre PSD e PS? Não me façam rir que me dói a cabeça.

Estamos completamente perdidos e desesperados. Absolutamente vulneráveis e prontos a cair na conversa de um qualquer charlatão que queira ser o D. Sebastião do século XXI.
     

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Eu sabia... :)



Afinal, a história do Pinóquio não é assim tão absurda — ou improvável — quanto isso: existe mesmo uma relação entre a mentira e o comportamento do nosso nariz. Quando mentimos, o nariz não cresce mas sofre uma alteração de temperatura.

A estourar cartuxos

Madeira gasta dois milhões [de euros] nas iluminações e no fogo de artificio.
               
 

Muito preocupante

Gerou uma onde de indignação, mas sentiu-se suficientemente à vontade para propor em voz alta a elaboração de uma lista de judeus existentes no seu país, a Hungria. Não é só um maluco a falar, representa milhares de húngaros que votaram nele e em mais 43 deputados desta força política que é já a terceira mais importante do país.




segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Vá, digam lá que não sou amiguinha...


Sem contar com o acento do 'a' que está ao contrário, é uma receita para seguir à letra. Muito boa e tão fácil! Copiei daqui.

24

Em breve... :)


Eles "andem" aí!!!

A meia dúzia de esforçados voluntários que, segundo António José Seguro, se entretêm nos seus tempos livres a trabalhar nas questões do Orçamento "continuam atentos e já descobriram indícios de clara inconstitucionalidade em alguns aspectos do Orçamento, mas não há nada determinado do que se fará".

Porém, e "apesar das suas vidas profissionais", garantem que ainda lhes sobra tempo para se manterem "atentos ao que irá fazer o Presidente da República". Mesmo que depois não se determine nada sobre o assunto.


Xiiiii... Alguma vez?


Secretário de Estado do Ensino Básico: "Nas nossas escolas não há nenhuma criança que inicie o dia com fome."

Palavras para quê? É um artista português.
 

sábado, 24 de novembro de 2012

E que tal uma relocation para fora da minha sight?

Esta mocinha é tão inteligente...

À pergunta "Há quem diga que os seus livros são demasiado iguais" (eu pensava que duas coisas são iguais ou não, não dá para ser muito ou pouco, mas enfim), responde que não, que nem pensar, mas depois quando é confrontada com o facto de repetir parágrafos idênticos (apenas idênticos, nem muito nem pouco), responde: "Isso é normal, eu escrevo várias vezes as mesmas frases, as mesmas ideias. Todos os escritores se repetem. Porque é que todos o fazem e só se lembram de dizer que eu me repito?"

Quanto às opiniões, nem vou comentar. Vivemos em democracia, não há limites para a imbecilidade.
                         

Máquina do Mundo

Hoje é dia de Rómulo de Carvalho, um dos meus poetas favoritos.

"O Universo é feito essencialmente de coisa nenhuma.
Intervalos, distâncias, buracos, porosidade etérea.
Espaço vazio, em suma. 
O resto, é a matéria.
Daí, que este arrepio, este chamá-lo e tê-lo, erguê-lo e defrontá-lo,
esta fresta de nada aberta no vazio,
deve ser um intervalo. "

António Gedeão, in Máquina de Fogo
  

Prenda

Na qualidade de fiel depositária, informo os amigos e colegas (que sabem quem são) que contribuíram para a prenda de um amigo comum (que sabem quem é), que a nossa participação se materializou num casaco e 2 pares de meias :)

Para os que não tiveram oportunidade de ver o postal, fica aqui o pequeno texto de Charles Chaplin que dele constava:

Bom mesmo é ir à luta com determinação,
abraçar a vida com paixão,
perder com classe e vencer com ousadia,
porque o mundo pertence a quem se atreve
e a vida é "muito" para ser insignificante.
             


E se um dia, de repente, te apetecer mudar de clube...

... é porque não és do Sporting. Simples.
 

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

O que eu acho

Acho que as pessoas falham. Todas, incluindo eu. Acho que as pessoas deviam pensar no que já fizeram antes de apontar o dedo. Ou no que não fizeram. Acho que as pessoas também deviam ver tudo o que os outros fizeram de bem e perguntar a si próprias se terão feito pelo menos o mesmo. Ou equivalente. Acho que as palavras depois de ditas já não se podem apagar. Nunca mais.

Mas isto é só o que eu acho.
 

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Da amizade


Quem é nosso amigo? Aquele que sabe apreciar as nossas qualidades, que sabe captar os movimentos do nosso espírito, aquele em quem podemos confiar com a certeza de sermos compreendidos. Aquele a quem podemos confiar o nosso dinheiro e até os nossos filhos, porque tomará conta deles como se fosse seus. Aquele que nos consola mas que também sabe dizer-nos onde erramos. Aquele que nos aconselha sempre para o nosso bem e que age de forma a não nos ofender, respeitando a nossa dignidade. Aquele que não nos inveja, que não fala mal de nós e que, pelo contrário, nos defende das calúnias, dos ataques malévolos. Alguém que está sempre do nosso lado na difícil luta da vida. Que quer saber se estamos bem, mesmo quando estamos longe, e que está sempre pronto a acorrer quando pensa que precisamos dele. Que nos faz justiça quando os outros nos tratam injustamente.

A amizade é uma forma de amor, impregnada, entretecida de moralidade. O amigo está sempre do nosso lado, mas exige de nós um comportamento correcto, como o que impõe a si mesmo em relação a nós. Os amigos são iguais no afecto, nos direitos e nos deveres.

Existem três tipos de relações amorosas. As ligações fortes, as medianas e as fracas. As ligações fracas são as que estabelecemos com os conhecidos, os colegas, os vizinhos, para com os quais não experimentamos sentimentos fortes nem obrigações particulares. (…) Pelo contrário, as ligações fortes resistem ao tempo e às frustrações, como as que se estabelecem entre pais e filhos, e vice-versa. A mãe fica do lado do filho faça ele o que fizer (…) O amor de mãe está para além do bem e do mal. Mas também são fortes as ligações que se estabelecem com o enamoramento (…) 

A relação com os amigos, pelo contrário, pertence à categoria das ligações médias. Enquanto a paixão surge de improviso e, como um furacão, impele os dois amantes a viverem juntos, sacrificando ao seu amor qualquer outra relação, a amizade constitui-se lentamente através de encontros sucessivos, e cada indivíduo continua a ser igual a si mesmo. Ela não pede que as pessoas se desliguem do passado para renascerem, para constituírem uma nova entidade social que reorganiza o mundo à sua volta. Naturalmente, também os amigos têm pontos de vista semelhantes, partilham muitos valores. Mas como individualidades distintas, cada um tem o seu mundo privado, que o outro tem de respeitar e mesmo proteger. Por isso, a amizade é livre, serena, não opressiva. Por isso mesmo, porém, exige atenção e delicadeza.

(…)


 Francesco Alberoni in Viagem pela alma humana

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Realmente...


"Mas eu não quero encontrar-me  com gente louca", observou Alice.
"Você não pode evitar isso", replicou o gato. "Todos nós aqui somos loucos. Eu sou louco, você é louca".
"Como você sabe que eu sou louca?" indagou Alice.
"Deve ser", disse o gato, "Ou não estaria aqui".
Lewis Carroll
  

Até onde é preciso chegar?

Copiado do Facebook

Para quem pensa que só acontece longe de nós, deixem que vos conte uma coisa. No domingo à tarde, andava um homem na Praça, aqui em Moura, a perguntar se alguém precisava de gente para apanhar azeitona. Ninguém quer empregar os portugueses, só empregam grupos de romenos a quem pagam 0,05 € por quilo de azeitona. Cinco cêntimos! Precisam de apanhar 20 kg para ganharem 1 euro...

Não teve sorte, não havia ninguém. "Estou desesperado. Tenho 3 filhos em casa e hoje ainda não comeram nada."

Pensem nisto, antes de falarem mais em bifes.
                 

domingo, 18 de novembro de 2012

Maior telescópio do mundo vai ter base de ensaios em Moura


Depois da maior central fotovoltaica do mundo, Moura vai receber uma das 10 estações de antenas que vão servir de base de ensaios ao Square Kilometre Array Telescope (SKA).

Isto deve ser só um golpe de sorte. A chatice é que a sorte dá muito trabalho... muito mesmo. Tanto que há sempre quem prefira  ficar de papo para o ar e depois destilar o veneno nas esplanadas ou no facebook. São os corajosos desta vida. Ou talvez simplesmente não tenham competência para mais.
Domingos Barbosa, investigador do Instituto de Telecomunicações que tem supervisionado o processo, confirmou hoje à Exame Informática que o Parlamento Europeu inseriu ontem o financiamento do Square Kilometre Array Telespcope (SKA) no documento do novo Programa Quadro Europeu, que define estratégias e investimentos da UE entre 2014 e 2020. Esta aprovação significa que uma das bases de ensaios do maior e mais potente radiotelescópio do mundo vai ficar instalada no Concelho de Moura – mais precisamente na Herdade da Contenda.
Em janeiro, arrancam os trabalhos relacionados com o fornecimento de energia elétrica. A meados de 2013, deverá arrancar a instalação das várias antenas que vão ajudar a rastrear o universo.
Domingos Barbosa lembra que Moura não tem concorrentes à altura na Europa. «Não há outro local no nosso continente que tenha tanta exposição solar e tantas condições espetrais favoráveis», explica.
A futura estação de ensaios, que deverá ficar operacional no final de 2014, tem como objetivo testar as antenas e os múltiplos dispositivos que vão ser usados neste telescópio gigante que vai ficar disperso pela África do Sul e pela Austrália (países que vão albergar as 250 estações que compõem o SKA). Em paralelo com os testes de equipamentos, a Estação de Moura poderá funcionar como destino de peregrinação científica, podendo fornecer dados úteis a projetos de universidades, laboratórios e empresas de toda a Europa.
O projeto está orçado em 12 milhões de euros, que deverão ser aplicados na instalação de antenas e na manutenção da Estação de Ensaios durante o período de 10 anos de produção científica em condições ótimas. Em paralelo já foram garantidos, através de fundos europeus, seis milhões de euros para três anos de energia elétrica.
A candidatura tem sido liderada pelo Instituto de Telecomunicações e pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, e poderá contar em breve com o apoio da Universidade de Lisboa e do Instituto Superior Técnico. Também já foram assinados protocolos com a Câmara Municipal de Moura e com a empresa de tecnologias solares Logica EM.
Domingos Barbosa acredita que, em breve, haverá grandes empresas de telecomunicações e de tecnologias de informação que vão querer associar-se ao projeto.
...mas ainda faltam 100 mil euros
O perímetro de ensaios deverá ocupar mais de um quilómetro quadrado. Neste espaço, prevê-se que sejam instalados 10 conjuntos de 10 mil antenas. Cada conjunto ocupa um total de 144 metros quadrados cada, sendo que todas as antenas estão interligadas. No total, a nova unidade de testes deverá debitar uma média de 16 TB de dados por segundo. «O SKA vai ser o driver da indústria tecnológica durante os próximos dois ou três anos. E é natural que estes projetos se revelem atrativos para várias empresas», explica Domingos Barbosa.
Apesar de garantida a localização da Unidade de Ensaios em Moura, ainda falta saber qual a participação que os laboratórios e as empresas portuguesas vão ter nos vários projetos relacionados com o SKA. Para o efeito, os proponentes da candidatura terão de ver aprovada uma verba de 100 mil euros junto da Fundação para Ciência e Tecnologia (FCT) para poderem suportar os trabalhos relacionados com o mapeamento do local, e os requisitos técnicos de instalação dos vários dispositivos.
«Mesmo que não consigamos os 100 mil euros, a vinda da estação de ensaios para o Alentejo não fica ameaçada… mas para as entidades europeias fica a ideia de que as autoridades e as empresas nacionais não estão interessadas. O que torna mais difícil a participação nos diferentes projetos científicos», conclui Domingos Barbosa.
O SKA é um radiotelescópio, que opera de forma similar à de um radar. O projeto que envolve vários países do mundo tem como principal objetivo reconstruir o Cosmos entre o período que medeia os 100 milhões de anos após o Big Bang e a atualidade (13 mil milhões de anos após o Big Bang). A UE não só vai financiar a sua participação como assegura a participação dos países africanos.
Durante 2010, a Herdade da Contenda teve em funcionamento várias antenas, que permitiam rastrear satélites no Espaço. Com a Estação de Ensaios de Moura, vão ser instaladas antenas de muito maiores dimensões.  «O que já nos permite rastrear várias galáxias», informa Domingos Barbosa.
Retirado daqui.

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Lindinho

Entrei decidida no stand na segunda quinzena de Agosto. "Boa tarde. Preciso de comprar um carro. Quero um Golf, com ar condicionado e verde. O resto não me interessa".

Os dois meses de espera transformaram-se numa semana. Havia um carro assim disponível. Só tinha um inconveniente, não tinha encosto para braços, porque era o modelo comemorativo dos 25 anos do Volkswagen Golf. "Mas é verde?" Sim, era verde, portanto fui buscar-te no dia 4 de Setembro de 2001.

Foste a minha primeira compra sozinha, o primeiro passo de uma vida a recomeçar. Foste o carro que sempre quis ter. O meu pai tinha tido um carocha, onde eu aprendi verdadeiramente a conduzir, por isso a Volkswagen impunha-se. O Golf sempre foi o modelo que mais gostei, em todas as versões que já teve e... só podias ser verde. Quando te trouxe, cheirando a novo e tão silencioso que quando parava até pensava que te tinha deixado ir abaixo, os miúdos perguntaram "Mãe, é nosso? Mãe, é dos quatro, não é? Tu dizes que tudo o que há cá em casa é dos quatro, o carro também é, não é?"

Sim, é dos quatro, mas só eu é que te conduzi. Já fizemos muitos quilómetros, tu e eu. Muitas horas solitárias pelas estradas deste Alentejo nas deslocações para dar formação. Foi aí que ganhaste a alcunha de Lindinho. Eras novo e fui a Barrancos dar formação. Estacionei-te numa rua estreitinha e perguntei a uma formanda "Fica aqui bem? Não faz mal? É que ainda é novo e é tão lindinho..." A partir daí perguntavam-me sempre "Então, onde estacionou hoje o Lindinho?" E pronto, ficaste com o nome.

Já pensei em trocar-te. Já não vais para novo e a vida é mesmo assim. Não te troquei ainda por causa deste dia que hoje chegou. O dia em que vais ter outra pessoa a conduzir-te. Guardei-te e estimei-te para que agora cumpras com a minha filha o que cumpriste sempre comigo. Mantém-te à altura dos desafios, mas nunca falhes na segurança, como nunca falhaste comigo. Cuida dela, como cuidaste de mim. Eu prometo que não a deixo pôr gasolina que não seja 98 :)

Este não é o meu lindinho. É um irmão gémeo londrino, em Portobello Road.





quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Ontem jogou a Selecção

A melhor parte do jogo da Selecção Nacional de ontem foi o facto de não ter sido suficiente para abafar as notícias. É talvez a primeira vez em que isto acontece, em que os portugueses (a comunicação social) se preocupam mais com o que se está a passar no país do que com os pontapés que a bola levou no longínquo Gabão.

A segunda coisa melhor, pelo que percebi, é que se tratou de uma espécie de digressão e que a Federação Portuguesa de Futebol recebeu um cachet de 800 mil euros que pretende aplicar no velhinho Estádio Nacional. Podíamos pôr estes rapazes a render mais vezes, para pagarem com o corpinho as dívidas que os estádios do Euro 2004 continuam a acumular. O que acham?
 

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

A anedota do dia

A cela onde Vale e Azevedo passou a sua primeira noite em Portugal depois de quatro anos em Londres era “muito bera”, declarou esta terça-feira a advogada do antigo presidente do Benfica. Luísa Cruz criticou o facto de nem sequer haver casa de banho na cela do Estabelecimento Prisional de Lisboa.

Pois, pois... Estamos todos tão preocupados! Nem temos mais nada em que pensar.
   

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Em greve

Sim, faz-me falta o dinheiro que me descontam do ordenado. Além das despesas habituais - casa, luz, água, telefone e televisão - cá em casa há 4 pessoas e todas são estudantes, com os encargos inerentes. Sim, gosto do meu trabalho, faço-o com prazer. Trabalhar para mim não é um sacrifício. Sim, sou responsável, empenhada e orgulho-me de ter brio profissional.

É por tudo isto que exijo respeito pelo meu trabalho. É por tudo isto que quero que os meus filhos cresçam numa sociedade mais justa. Pode não adiantar nada, como muitos dizem, mas eu terei a consciência tranquila. Discordo do rumo que está a ser seguido e manifesto o meu desagrado. O mesmo não se pode dizer daqueles que para não perderem um dia de salário, se arriscam a perder todos os direitos que são devidos a quem diariamente contribui para o seu país. 

E até pode adiantar alguma coisa, e nesse caso, os tais que não podem prescindir de um dia de salário não precisam de agradecer. Estamos cá para isso.


segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Leprosos ou selvagens? Ou ambos?



Batalhões de militares, estradas em redor sem um único carro a passar, mais militares, meia dúzia de pessoas a  espreitarem por cima do ombro dos membros do corpo de intervenção. A imagem que Merkel levou de Portugal foi esta: um povo açaimado pelas forças de segurança, um país de selvagens que precisam de ser mantidos a quilómetros de distância por não serem capazes de se comportar como seres civilizados. À sua volta, um deserto. Nem Obama mereceu tanto aparato.

O esquema de segurança montado para hoje foi revoltante. Que me interessa a mim que a senhora dos mil casacos iguais tenha vindo a Portugal? Quem montou este espectáculo foi a comunicação social, com a ameaça constante da indignação dos portugueses. Acaso não sabem que o povo é sereno? E quanto custou ao país este esforço monumental de segurança? Quem vai pagar isto?

Esperem, deixem-me adivinhar! Somos nós, não somos? Nós, os que hoje fomos tratados como leprosos ou bandidos perigosos. Irra, que é demais!

"União"

O processo lançado pelo "Governo Relvas" implica mexidas em cerca de 1800 freguesias, segundo as propostas e pareceres da Unidade Técnica para a Reorganização Administrativa, apresentadas à Assembleia da República no dia 5 de Novembro. Apesar da vontade expressa em contrário pela Câmara e pela Assembleia Municipal, o que se pretende para o nosso concelho é a redução de 8 para 5 freguesias, da seguinte forma (a laranja estão as freguesias que podem ser extintas):


domingo, 11 de novembro de 2012

O que é isto???

Afinal os alemães são nossos amigos. Impediram que este vídeo, sugerido por Marcelo Rebelo de Sousa, fosse transmitido na Alemanha e permitiram que preservássemos alguma dignidade. Infelizmente, os portugueses insistem na asneira e vão projectá-lo em Lisboa amanhã, durante a visita de Merkel.



Ainda por cima, Marcelo e Cª nem tiveram imaginação. O guião é o mesmo deste filme, mas conseguiram transformar uma ideia gira e divertida num rastejar sem dignidade perante a minorca Angela Merkel.

Infelizmente, não são os únicos. Estes tristes também fizeram um vídeo e até agradecem à "Querida Angela", porque se não fosse por ela, não tinham a oportunidade de conhecer o seu próprio país. Tristes, mesmo tristes.



sábado, 10 de novembro de 2012

Violência doméstica

A relação do governo com o país assemelha-se cada vez mais a um caso de violência doméstica. Fora de portas, parece ser correcto e respeitador, mas mal entra em casa, maltrata e agride quem apanha pela frente. A quem é que se apresenta queixa nestes casos?
   

Ordinary world




What has happened to it all?
Crazy, some'd say
Where is the life that i recognize?
Gone away
           

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Não vos cheira a naftalina?



Das profundezas do baú de recordações do Estado Novo, aí está ela, a Senhora Dona Isabel Jonet. Tão caridosa, a ajudar os pobrezinhos... e a pensar que eles só têm o que merecem porque gastaram o que não tinham.

Ir a um concerto e esperar que o Estado pague a radiografia de um aluno que cai numa aula de ginástica (onde até está a coberto do seguro escolar)? Que ideia mais ridícula! Quase tão ridícula como gastar dinheiro com atum, arroz e leite de que não preciso para oferecer ao banco alimentar.
 
Visto aqui.

Ufa!!!


segunda-feira, 5 de novembro de 2012

É oficial

Estou doida. Só posso estar mesmo doida. Deve ser algum tipo de esgotamento ou coisa assim. No mundo em que eu vivia antes de endoidecer as pessoas faziam coisas razoáveis e éticas, cumpriam a lei ou os dez mandamentos e os jornais não traziam notícias destas:
Arquivos secretos do Estado podem ser entregues a privados
Assassinos a soldo matam cidadãos cancerosos na Grécia,
até porque os desempregados gregos deixaram de ter direito a atendimento médico
E claro, os Estados Unidos podem eleger Mitt Romney como Presidente...
Ou eu estou doida, ou o mundo está roto e chove como na rua.

Oh my God!

Fiquei acordada até tarde. Não conseguia dormir. Acordei de madrugada e vi-o em directo. O discurso de vitória de Barack Obama em Chicago. Achei que era um momento histórico. A América tivera a coragem que eu não esperava ver, principalmente depois da desilusão de 2000. Oito anos depois, o mundo a mergulhar de cabeça numa crise que perdura e ameaça levar-nos a todos, consequência da política de desregulamentação económica do Bush júnior, a América escolhera um democrata. Mais: a América escolhera um homem que não cumpria nenhum dos cânones da cartilha política e que ainda por cima era negro.

Talvez seja prudente confessar que não tenho os americanos em grande conta. Ok, é um preconceito, mas considero-os na generalidade um bocadinho burros. Burros mesmo a dar para o estúpido, não para o ignorante. Ainda por cima, sem tradição nem História, acham-se donos da cultura do mundo, apesar de não conseguirem articular duas frase seguidas sem dizerem f*** ou Oh my God!. Talvez chegue para um diploma de RVCC, mas pouco mais. Por isso, achei pouco provável que resistissem a eleger McCain, mais aquela terrorista da moral chamada Sarah Palin. E no entanto, conseguiram superar-se e surpreenderam-me.

Muitos dos meus amigos discordavam da esperança que eu tinha em Obama. "Vais desiludir-te, ele é igual aos outros". Talvez, mas de certeza, menos igual que McCain e de certeza, menos igual que Romney.

Como é que é possível que agora as sondagens estejam empatadas? Como é possível que os Estados Unidos possam voltar a ter um presidente republicano, apostado em prosseguir políticas económicas desastrosas, em ceder aos lobbies do petróleo deitando por terra todo o esforço desenvolvido nas energias renováveis, para explorar até ao esgotamento as reservas naturais do planeta? Como é que é possível elegerem um homem que acha que as janelas dos aviões deviam abrir? Como é possível votar num político que já anunciou - e faz bandeira disso - que a maioria republicana do senado vai boicotar toda a acção dos democratas, caso estes consigam vencer? Que género de atitude é esta? Se não o deixarem ganhar também não os deixa brincar, é isso?

O mandato de Obama não foi o oásis, mas agora a sério e a menos de 24 horas da possibilidade de eleger Romney para presidente do país mais poderoso do mundo, tenho de perguntar are you f***ing kidding me?


sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Sandy

Coitados, pois, coitados dos norte-americanos que viram a sua vida e propriedade destruída pela violência do furacão Sandy.

É que não se compreende, como é que um furacão que passou por Cuba, Jamaica, Haiti e República Dominicana, deixou estes países (sem infraestruturas) intactos, e só destruiu os Estados Unidos... É preciso má-vontade, não é?

Ou será apenas uma questão de má informação? Ninguém quer saber realmente o que aconteceu aos países mais pobres, pois não?

Sandy em Cuba

Sandy na Jamaica

Sandy no Haiti

Sandy na República Dominicana
   


Igreja de S. Francisco

Após as obras de reabilitação no reforço estrutural do edifício, reparação das coberturas e pintura exterior, foi ontem reaberta ao público a Igreja de São Francisco, em Moura.


Fotografia retirada daqui.

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Sorte, sorte...

... é ter a campainha avariada na noite de 31 de Outubro. Mas que parvoíce é esta? Vão mas é para casa, 'arretalhar' as castanhas para assar amanhã. Isso sim, é tradição.

Sabem o que é isto? Falta de identidade cultural. Acabamos com os nossos feriados para importar os dos outros, de preferência com umas compras pelo meio. Somos tão parvos!


Carlos Campaniço

Um dos leitores mais "irreverentes" que esta biblioteca já teve vê agora o seu trabalho merecidamente reconhecido como escritor. Parabéns!





O romance original “Os demónios de Álvaro Cobra”, da autoria de Carlos Campaniço, venceu o Prémio Literário Cidade de Almada 2012. O galardão foi atribuído esta quinta-feira, 25 de outubro, no Fórum Municipal Romeu Correia – Auditório Fernando Lopes-Graça.
 Retirado de: Rádio Planície

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Porque hoje é dia de jogo

«O futebol não tem interesse só pelo jogo. Quando o Sporting perde não tem interesse nenhum»

Manuel António Pina (1943-2012)

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Francisco José Viegas

Francisco José Viegas sai do Governo.

Prefiro falar apenas do que sei. A fusão entre a Direcção-geral dos Arquivos e a Direcção-geral do Livro e das Bibliotecas não é o ideal e parece-me até um retrocesso no longo caminho da distinção de papeis. Porém, antes a fusão do que a mais que anunciada extinção.

Francisco José Viegas defendeu como pôde as bibliotecas. Poderá ter feito muito pouco ou nada para o seu crescimento e desenvolvimento, mas não contribuiu de forma nenhuma para a sua destruição, coisa que parece ser uma proeza para um membro deste governo. Só por isso, muito obrigada. Deu ao acordo ortográfico a importância que ele merecia - nenhuma - chegando mesmo a ridicularizar os papões da sua aplicação.

Discretamente, sem afrontar ninguém, demarca-se e sai do governo. É certo que quase ninguém ouvia falar dele, mas é preciso ver o contexto. Todos os coleguinhas fazem questão de aparecer regularmente a debitar asneiras, pelo que a sua opção pelo silêncio adquire para mim outro valor.

Posto isto, desejo-lhe a melhor recuperação possível, a nível físico e mental, porque estar metido no meio daquele "grupo" deve ser de doidos. Espero vê-lo de volta rapidamente por aqui.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Bem-vindo!


Experiência científica

Até gostava de falar sobre o novo plano maquiavélico (coitado do Maquiavel) do governo para retirar 10% ao subsídio de desemprego, mas cada vez que penso no assunto não consigo evitar a vontade de vomitar, por isso vou ficar por aqui.

Será que não fazemos parte de uma experiência científica qualquer, para testar os limites da paciência e da tolerância no ser humano? Só pode ser. Ninguém é tão absolutamente cruel, desprezível e estúpido como a maioria dos nossos governantes querem aparentar. Não é possível, de todo.
 

Rigor jornalístico 2

Ainda não se sabe se vai sair, a quem e onde vai sair, mas o jornalista garante que na sexta-feira há um 2º prémio para Portugal.

Desculpem, mas é o que está lá escrito!


segunda-feira, 22 de outubro de 2012

A regulamentação legal nas bibliotecas públicas

"A pedido de várias famílias" fica aqui a apresentação de apoio à minha comunicação no 11º Congresso BAD, que decorreu de 18 a 20 de Outubro na Fundação Calouste Gulbenkian.

Uma vez que a temporização era feita por mim à medida que ia expondo os conteúdos, aqui passa-se tudo de forma muito rápida...



Faltava este post


Até sempre. Obrigada pelas palavras, por todas as palavras.

Que farei com este Sporting?

Nada, na verdade. Esperar que a tormenta passe, na certeza da minha fé inabalável.



sábado, 20 de outubro de 2012

11º Congresso BAD

O que se diz depois de três dias como estes? O que se diz sobre um Congresso em que nada correu mal, em que a Organização se fez notar pela forma como tudo funcionou tranquilamente e sem sobressaltos? O que se diz sobre três dias de debate, conversa e intensa troca de ideias entre profissionais de uma mesma área, com objectivos comuns e um sentido de missão que, apesar de todos os condicionalismos externos, insiste em manter-se? O que dizer das aprendizagens, das descobertas, das partilhas? E claro, o que dizer das gargalhadas, das confidências, dos reencontros?

Realização profissional, motivação, criatividade, determinação, companheirismo e amizade. Três dias felizes, é o que posso dizer.
 


quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Qual África, qual quê!!! Em Cabeço de vide é que é.

Será uma forma de nos chamarem primitivos? Gostei muito da expressão "estudos encomendados pela Junta de Freguesia (...) para perceber o modelo conceptual destas nascentes". Dá um ar mesmo intelectual...

Oh Sr. Relvas, esta freguesia também é para extinguir? É melhor não, que isto agora "vão vir charters" cheios de cientistas...

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Quando os números começam a ser pessoas

Em Loulé, a cabeça iluminada de uma directora de escola que supostamente estudou psicologia e pedagogia e cidadania e entende o significado de palavras como crise, fome, desespero, proibiu uma criança de cinco anos de almoçar e obrigou-a a ficar sentada ao lado dos colegas enquanto almoçavam, porque os pais não pagaram a mensalidade correspondente até ao dia 9 de Outubro.

Uma das auxiliares ofereceu-se para pagar a refeição do seu bolso, mas a 'Cruela' não autorizou.

Das duas uma. Ou a direcção da escola vive no mesmo universo paralelo onde vivem o Cavaco, o Passos, o Gaspar e o Portas, ou trata-se de um conjunto de seres inqualificáveis e indignos de lidar com crianças.

Parece que, não contentes com a gracinha, reportaram a situação à Comissão de Protecção de Crianças e Jovens. Acho bem, mas espero que os membros desta comissão tomem a atitude correcta e de bom senso: Uma recomendação ao Ministério da Educação para que estas pessoas nunca mais voltem a exercer qualquer profissão no ensino, ou já agora, que envolva o relacionamento com qualquer ser humano.


segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Núcleo Sportinguista de Moura



O Núcleo Sportinguista de Moura tem o orgulho de inaugurar hoje, pelas 19h00, a sua Sede Provisória, na Praça Sacadura Cabral. Ao Núcleo, à sua Direcção e aos seus Associados, os votos de maior sucesso. E o Sporting é o nosso grande amor!


Em contagem decrescente





A minha participação mais activa acontece no Sábado, dia 20. Entre as 9h00 e as 10h30 estarei a moderar a sessão 20, subordinada ao tema Profissionais e Instituições, e depois, entre as 11h00 e as 12h30, apresentarei a comunicação "A regulamentação legal das bibliotecas públicas".

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Hoje

Uma boa oportunidade para comprar abaixo do preço habitual em muitos serviços online. A Loja Verde também aderiu ;)


Blá blá blá...



Reduzam o número de deputados, por favor, nós precisamos de mais dinheiro para comprar carros. Só pudemos comprar quatro!

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Para sair da crise: Alternativa 1

- Convém nesta altura avisar os portugueses de que terão de se preparar para pagar muitos impostos no próximo ano. Não concorda, Pedro?
- Oh Vítor, tem toda a razão, eu não diria melhor, muitos impostos... e não vemos outra solução, infelizmente. Não, não vemos outra solução.
- Oh Pedro, mas os portugueses não podem ser sujeitos a tantos sacrifícios, temos de arranjar uma solução.
- Sim, Vítor, mas qual é a solução que propõe?
- Bem, ainda estamos a gastar algum dinheiro com os funcionários públicos... Há muitos que, não só não foram despedidos, como ainda recebem dinheiro que lhes permite alguns luxos, como por exemplo adquirir comida!
- Bem, Vítor, isso é que não podemos permitir. O regabofe acabou. Acabou. Por esta via, ainda me vejo obrigado a dispensar um dos meus vários motoristas, ou pior, deixar de contar com a valiosa colaboração de um ou dois de entre as dezenas, ou mesmo centenas de assessores altamente especializados que enchem os nossos gabinetes, e isso seria uma perda irreparável. Avance com os cortes nos funcionários públicos! Além disso, ainda ficamos com a possibilidade de nomear mais assessores para desempenharem as funções que esses funcionários agora asseguram, o que é sempre uma mais-valia, não é?
- Ok, Pedro assim farei. Primeiro temos de salvar os portugueses, que são um povo tão bom, tão pacífico. Esses funcionários do Estado são uns malvados, é justo que paguem a crise.




Para sair da crise: Alternativa 2



Ainda sobre os deputados

Quando se tornam públicas notícias deste género, é natural que as pessoas embarquem facilmente no populismo de querer ver extinta a única forma de representatividade democrática a nível do governo central.

A questão é que o problema não decorre da existência dos deputados, mas sim da gestão danosa dos dinheiros públicos feita por quem tem essa responsabilidade.
 

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Sobre a redução do número de deputados

Se fosse eu a dizer, era porque tinha a lição bem estudada e tal... mas afinal há tanta gente por aí a pensar o mesmo do que eu. Transcrevo o que diz André Couto no Delito de Opinião:


Vamos a factos porque o tema é delicado: "Portugal já tem hoje o menor número de deputados por habitante de todos os países da Europa Ocidental", como bem analisou o nosso Pedro Correia. O discurso desta redução tem duas fontes: a revolta dos cidadãos com os políticos, sendo os deputados o seu principal rosto, e os movimentos antipartidários e anarcas, que vêem nele uma forma fácil de granjear simpatias. O problema da democracia não está no excesso de deputados, está, quanto muito, no excesso de assessores, motoristas e afins, que ganham o mesmo e, em muitos casos, acrescentam pouco. Um razoável número de deputados garante representatividades às minorias, permitindo um melhor e mais variado debate e expressão de opiniões e sensibilidades não dominantes ou alinhadas. A generalidade dos que defendem a redução do número de deputados ignora que essa seria a melhor forma de perpetuar aquilo que querem combater com essa opinião.

O facto de o PS trazer esta questão a debate assusta-me. Uma medida destas não faz parte da sua espinha dorsal ideológica. O PS defende a pluralidade de opinião e o garante das diversas formas de expressão. Limitar o número de deputados é limitar a voz a outras forças políticas e evitar que novas possam surgir. É secar o debate político e a troca de ideias e fazer com que fique insuportavelmente redondo.
Quantas mais análises faço a qual terá sido o motivo desta iniciativa, pior. Se o objectivo foi o perpetuar do centrão no poder, numa fase em que PS e PSD se sentem ameaçados pelas ruas e pelas sondagens, é lamentável que se esteja a tentar contornar a previsível vontade popular desta forma. Se for uma jogada política para criar conflitos entre PSD e CDS, uma vez que é sabida a dissonância entre ambos quanto a esta questão, preocupa-me que a liderança do PS abdique do seu pensamento para gerar um arrufo, por tacticismo puro. Criar este novo sound bite, lançando este debate profundo na semana em que o Governo anunciou o maior assalto fiscal da história da democracia portuguesa, é um valente tiro nos pés. Nem votos renderá porque, nesta altura, as pessoas estão iradas com as medidas que não pensam em mais nada que não seja o combate às mesmas.
PS. Faria bem mais sentido que o PS desse cobertura ao sentimento popular abrindo a Assembleia da República à possibilidade de candidaturas de movimentos de cidadãos, algo expressamente vedado pela Constituição. Isso sim seria liderar a reforma da nossa democracia e abraçar a sensibilidade e a descrença das pessoas.

Repito o que disse há dias numa conversa de Facebook a este propósito: Experimentem eliminar os deputados todos. Nada como uma ditadurazita para se apreciar devidamente a democracia.
 

Em coma e outros estados menos conscientes

O meu Sporting anda a abusar na anestesia e eu já estou quase em coma. Vai daí, neste estado semi-letárgico e nebuloso que é a "quase inconsciência", ouvi falar do Presidente da República, que deve ser do Belenenses ou do Boavista, porque já está em estado pré-comatoso há imenso tempo.

Diz ele que está preocupado com a situação económica do país, que acha que os empresários vão passar um mau bocado e que o povo está descontente e até já se manifesta nas ruas.

Ora, vê-se logo que o meu "quase coma" é muito mais recente, ou muito mais leve, porque apesar de ocupar algum tempo da minha vida a ouvir relatos de futebol, até eu - pobre ignorante que não é licenciada em economia -  tenho a consciência de que os empresários estão condenados (except the big ones), que o país está moribundo e que a população está sufocada há muito tempo e a dar sinais cada vez mais óbvios de uma revolta que acabará por estalar.

Talvez porque a minha formação de base seja História, parece-me - mas isto é só uma opinião insignificante - que as grandes crises só se ultrapassaram com:

  1. Mudanças estruturais no governo do país
  2. Investimento e produção 
Que Cavaco Silva nada tem de Mestre de Avis nem de Fontes Pereira de Melo (embora eu ache que ele se julga uma espécie de Marquês de Pombal, mas só com aquela parte da pose de Estado), já nós sabíamos há muito tempo. Prova-se agora, de cada vez que abre a boca, que também não se assemelha em nada ao Padre António Vieira.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

O estado da Nação.


Esta é a mesma República cujo centenário foi celebrado há apenas 2 anos, com pompa, circunstância e muitos, muitos milhares de euros. Os mesmos que a enalteceram há apenas 731 dias, olham agora embevecidos para a bela porcaria que estão a fazer.

Há detalhes que dizem tudo, e há imagens que valem mais do que os milhões de palavras que têm sido ditas e escritas sobre o estado a que chegou este país: De pernas para o ar, e com os culpados todos a assistirem de camarote. Todos não.  Os mais covardes fugiram para Paris, ou para Bruxelas, ou para... (onde é que ele se escondeu hoje?) ah, pois, Bratislava. 
  

Sobre ontem. E hoje. E provavelmente Domingo.


Entra-me nestas alturas uma espécie de anestesia que não sei explicar. É inversamente proporcional à forma entusiasta (doentia, dirão alguns dos meus amigos) de acompanhar habitualmente o Sporting.

Ontem foi um dia cão, por razões não futebolísticas. Por isso, atrasei-me a ligar o telemóvel. Disse à amiga que estava comigo, "Vou mas é ouvir o meu Sporting, já está a jogar e eu hoje preciso de conforto". Pensei que não tinha ouvido bem. 2-0? Naaaa. É brincadeirinha dos senhores da Antena 1, só pode!

"Estes tipos não gramam o Sporting, estão a dizer que já devia estar a perder por 2-0..." Tentei sintonizar a Renascença, não se ouvia nada. TSF, nada. Voltei à Antena 1. 3-0. Desliguei o telemóvel.

"Então, não consegues ouvir?"

"Consigo, estamos a perder por 3-0 com um clube que tem nome de jogos de consola."

E pronto. Entrou a anestesia em acção. Já não temos o Sá Pinto. Tenho muita pena, aqui da minha insignificânica envio-lhe um abraço sentido e grato por tudo o que fez e continuará a fazer pelo Sporting. Um coração de leão não se apaga nunca, apenas se adormece às vezes, nem que seja anestesiado.


Ps: No Domingo prometo ligar o telemóvel a horas.
   

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...