segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Até sempre, 31

Obrigada por tudo. Pelos golos, pelos gritos de alegria, pela emoção, pela garra, pelo querer, pela vontade, pelo orgulho na camisola, pelo esforço, pela devoção, pela dedicação, pela glória. Tu sim, foste capaz de ser o Sporting!

        

Informação credível


Para ver na página online do jornal Sol.
               

domingo, 30 de janeiro de 2011

Eu não sei quem te perdeu

A mentira


Hoje, ao almoço com amigos, falámos da mentira e do mal que ela consegue causar. Sei que já falei disso aqui no Açúcar e que até pode parecer que estou um bocadinho obcecada com isto. Talvez esteja.

O problema é que a mentira é realmente o pior que qualquer pessoa tem para dar e não há nada, absolutamente nada, que o justifique. Por muito más que sejam as circunstâncias, só pioram com a mentira.

Há sempre, nas nossas vidas, um instante, um pequeno e quase insignificante instante, em que se faz uma escolha, se toma uma posição, se decide enganar alguém. A superioridade ilusória que se sente nesse momento, quando julgamos ter o poder de decidir sobre a vida daqueles que enganamos, nada mais pode trazer além da mágoa e da desilusão.

É esse instante, irreversível e corrosivo, que não perdoo.


             

sábado, 29 de janeiro de 2011

Semana da Comunidade Educativa 2011

Só perdeu quem não foi

Ontem à noite, no âmbito do DocLisboa, passou o filme Pare, Escute e Olhe, de Jorge Pelicano, no Cine-Teatro Caridade.

Balanço

Balanço muito positivo para a Semana da Comunidade Educativa 2011. Um dia de trabalho proveitoso a culminar uma semana em que se mostrou muito do que se faz por cá.

Pena que a comunidade se tenha alheado tanto. Onde estão os professores? Onde estão os pais? Porque há tanta indiferença e desinteresse quando se discutem assuntos tão importantes como a educação dos nossos jovens que farão o futuro do nosso país?

Não, nem se atrevam a vir com a conversa da falta de divulgação.

Semana da Comunidade Educativa - Moura 2011 (10)

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Leitores para a vida

Está a decorrer (17h00), no Salão Nobre dos Paços do Concelho, a apresentação do Projecto Leitores para a Vida.


Semana da Comunidade Educativa - Moura 2011 (8)

Escolas e escolas


O Sapo diz que mais de 50 escolas devem fechar hoje. Não são escolas públicas, são privadas.
Ora, procurei a palavra "privado" no dicionário, e o resultado foi este:
1. Adjectivo, masculino, singular
2. Que é de acesso condicionado, reservado. = particular ≠ público
3. Que diz respeito à intimidade de um indivíduo. = íntimo, particular, pessoal ≠ público
4. Que não pertence ao Estado. ≠ público
5. Que está desprovido de algo ou de alguém. = destituído, falto
6. Indivíduo que goza dos favores de alguém e que é seu confidente. = favorito, valido
7. Sector de uma actividadeque não está subordinada ao Estado.
Não tenho prestado muita atenção a este assunto, confesso. Quanto prevejo que me vou irritar a sério, prefiro fingir que não percebo e passo à frente, mas a insistência tem sido tão grande, que não tenho outro remédio senão encarar o assunto.

Parece que as escolas privadas (logo, por definição, que não pertencem ao Estado, que não são públicas, e que são de acesso condicionado, reservado) estão a protestar porque vão perder apoios do Estado. Tem havido manifestações e tudo.

Ora, não me interpretem mal, eu não tenho nada contra as escolas privadas, até fiz o que agora se chama 1º ciclo numa escola privada, por circunstâncias pessoais e familiares que ficam para outro dia. Mas para que eu estudasse no Externato, o meu pai fez muitos sacrifícios e a minha mãe fartou-se de dar agulhadas sem ter sequer o curso de costura.

Quando acabei a segunda classe, as circunstâncias que tinham levado os meus pais a inscrever-me naquela escola já se tinham atenuado e o meu pai quis transferir-me para a Escola Pública. Só a vontade inabalável da minha professora é que impediu que isso acontecesse, chegando a hver uma proposta de redução da minha mensalidade, que o orgulho do meu pai nunca pôde aceitar.

Mas agora, parece que as coisas são diferentes. Os meninos são inscritos nas escolas privadas (logo, por definição, que não pertencem ao Estado, que não são públicas, e que são de acesso condicionado, reservado), e o Estado assume o pagamento da mensalidade.

Para garantir essa possibilidade aos meninos cujos pais fazem questão de os inscrever numa escola privada (logo, por definição, que não pertence ao Estado, que não é pública, e que é de acesso condicionado, reservado), o Estado vê-se obrigado a cortar nas despesas com as Escolas Públicas.

Por isso, fecham-se escolas e obrigam-se alunos a percorrer caminhos de vários quilómetros, arrancam-se crianças de seis anos do seu ambiente familiar, da comunidade onde pertencem para os integrar em grandes centros educativos, porque é preciso poupar recursos. Aumenta-se o número de alunos por turma, para permitir a redução do número de professores e reduzem-se os apoios sociais aos alunos sem recursos, porque é preciso poupar recursos.

E para onde vão esses recursos? Para subsidiar os alunos cujos pais fazem questão de os inscrever numa escola privada (logo, por definição, que não pertence ao Estado, que não é pública, e que é de acesso condicionado, reservado), apesar de haver Escola Públicas ali ao lado.

É claro que também houve manifestações quando muitas escolas públicas foram encerradas, mas isso agora  não interessa nada, porque esses pais, sem poder económico, não conseguiram mobilizar a comunicação social nem marcar a agenda política.

Posto isto, não percebo porque é que as escolas vão fechar. São escolas privadas (logo, por definição, que não pertencem ao Estado, que não são públicas, e que são de acesso condicionado, reservado), e se vão fechar, é porque os pais não querem pagar as mensalidades que asseguram o seu funcionamento. Deixem o Estado em paz, porque há muitas Escolas Públicas com muitas necessidades básicas de funcionamento que precisam de ser asseguradas com urgência.

Irra, que é demais!

DocLisboa


O Teatro Fórum de Moura promove, em parceria com a APORDOC, uma extensão do DocLISBOA em MOURA, integrada também na Semana da Comunidade Educativa, promovida pela Câmara Municipal de Moura.

As projecções contarão com a presença dos realizadores (com excepção de Susana Sousa Dias que se encontra fora do país) para conversas com o público.


O DocLisboa trata-se do mais conceituado festival de cinema documental do país e promove todos os anos várias extensões em diferentes localidades, neste caso, em Moura, no Cine-Teatro Caridade. Durante os 3 dias do DocLISBOA em MOURA vão realizar-se duas sessões para escolas e três para público em geral.


Dia 28, 10h30 e 14h30 (sessões para escolas)
Documento Boxe + Combate às Escuras
de Miguel Clara Vasconcelos

Tratam-se de 2 documentários, o primeiro é sobre o pugilista Jorge Pina e tudo aquilo que rodeia um combate de boxe, o segundo, é o seguimento do primeiro filmado após 5 anos, onde Jorge Pina deixou de poder combater devido à sua falta de visão, falta esta directamente ligada ao boxe, e a sua luta constante para se adaptar à nova realidade.

Dia 28, 21h15 Cineteatro Caridade
Pare, Escute, Olhe
de Jorge Pelicano

O aclamado e premiado documentário sobre o encerramento da Linha do Tua entre Bragança e Mirandela. Pare, Escute e Olhe de Jorge Pelicano é uma viagem através de um Portugal onde as assimetrias crescem, formalmente é esquecido e continuamente vítima de promessas políticas oportunistas. Uma realidade que o Distrito de Beja bem conhece, após duas décadas de encerramento do Ramal Ferroviário MOURA _ BEJA, e o recente fecho das ligações do Comboio Intercidades a Lisboa.

Dia 29, 21h15 Cineteatro Caridade
Photomaton – Retratos de João dos Santos
de Sofia Ponte e Tiago Pereira

Parte do conceito de photomaton em que cada retrato é único e relativo a um instante, este filme reúne visões e vivências singulares de colaboradores e amigos próximos de João dos Santos, de forma a tornar o seu pensamento acessível e menos complexo a um público para além da comunidade científica da saúde mental e da educação.



Dia 30, 21h15, Cineteatro Caridade
48
de Susana Sousa Dias

O que pode uma fotografia de um rosto revelar sobre um sistema político? O que pode uma fotografia de um rosto tirada há mais de 35 anos dizer sobre a nossa actualidade? Partindo de um núcleo de fotografias de cadastro de ex-prisioneiros políticos da ditadura portuguesa (1926-1974), 48 procura mostrar os mecanismos através dos quais um sistema autoritário se tentou auto-perpetuar.

48 foi “provavelmente o mais ousado e vanguardista” objecto cinematográfico a passar pela edição de 2009 do DocLisboa” (palavras em Novembro de 2009 de Sérgio Tréfaut, o director do festival).

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Semana da Comunidade Educativa - Moura 2011 (7)

De volta

De volta às páginas dos jornais, aos ecrãs de televisão, aos monitores dos computadores. Carlos Silvino, Carlos Cruz e toda a enorme massa podre do caso Casa Pia voltaram para nos castigar os dias, porque 7 ou 8 anos de processo não bastaram.

De repente, Bibi acorda e resolve contar a verdade, num dia como outro qualquer. Foi tudo mentira, uma enorme mentira engendrada por meia dúzia de mentes maléficas, com o objectivo de aniquilar figuras proeminentes da nossa sociedade.

Quais figuras proeminentes? Quem conhecia o médico Ferreira Diniz ou o projecto de advogado Hugo Marçal antes desta enormíssima trapalhada? E Carlos Cruz, era assim tão importante e incómodo? Quem teria sido capaz de formular um plano tão mirabolante, envolvendo dezenas de pessoas, todas coagidas a mentir?

Quantos milhares já se gastaram com este lixo, nos tribunais, nas emissões de televisão, nas páginas de jornais? Quantas horas e dias já fomos obrigados a levar com esta gente? E agora, que pensávamos ter finalmente tréguas, agora que pensávamos ter visto a justiça funcionar, lenta e penosamente, mas a funcionar, volta tudo a cair-nos no colo. Outra vez.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Inaugurada um nova era no Sporting

É verdade! É a era "Sporting sem Presidente". Além de se poupar uma pipa de massa em ordenados, parece que ganhamos sempre: 4-0 ao Penafiel, 0-3 ao Marítimo... Eu prefiro.

Semana da Comunidade Educativa - Moura 2011 (6)

A Biblioteca na Semana da Comunidade Educativa

A Biblioteca Municipal participa na Semana da Comunidade Educativa através do Workshop "Novas ferramentas para ensinar e aprender" que se desenrolará nas Escolas com turmas de 3º ciclo do concelho.

Hoje à noite, a Biblioteca recebe um encontro "Conversas com... o Acordo Ortográfico".

Por mais reclamações que tenhamos a fazer (já deu para perceber que eu sou contra), as regras ortográficas resultantes do Acordo serão obrigatórias a partir de 1 de Janeiro de 2012 em todos os documentos oficiais. No ensino, o Acordo terá de ser aplicado já a partir do próximo ano lectivo.

Assim sendo, hoje é uma boa oportunidade de esclarecer todas as dúvidas. Às 20h30, na Biblioteca Municipal. Apareçam!
                                    

I wanna hold your hand

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Semana da Comunidade Educativa - Moura 2011 (5)

Diz que é uma espécie de democracia

Parece que equipar as mesas de voto com o leitor para o chip incorporado no cartão de cidadão custava para cima de um milhão e meio de euros.

Um despropósito, como toda a gente compreenderá, sobretudo se considerarmos os 12 milhões já gastos com boletins de voto inúteis, que ninguém preenche, propaganda eleitoral que não esclarece ninguém porque só serve para atacar de forma baixa e vil cada um dos adversários e etc.

Vá lá, já se conseguiu evitar a realização de uma segunda volta, que custaria mais 9 milhões...

Está certo, os leitores do chip que vem incorporado no cartão de cidadão poderiam servir para outras eleições, e com boa vontade, até se poderiam utilizar leitores já existentes nos serviços onde as mesas eleitorais estavam instaladas, mas mesmo assim, era incomportável!

Por isso, suspenda-se a democracia. É só por um dia, também que mal faz? Não podem votar, paciência, tivessem adivinhado que isto ia acontecer. Se calhar até iam votar noutro qualquer, e depois tinha de se realizar uma segunda volta, e era uma trabalheira...

Assim está bom. Não é bem uma democracia, mas também não havia cá observadores das Nações Unidas, pois não?

domingo, 23 de janeiro de 2011

Semana da Comunidade Educativa - Moura 2011 (4)

Estou que nem posso...

Babada de orgulho, é como eu estou. A partir de hoje sou oficialmente colaboradora no blogue 2711, com direito a nome na lista de autores e tudo! Nem acredito...

              

Eleições para a Presidência da República (Em actualização)

Mesa nº 1 da Freguesia de S. João Baptista. Em 750 eleitores inscritos:

Às 10h00: 34 votantes - 4,5%
Às 11h00: 87 votantes - 11, 6%
Às 12h00: 129 votantes - 17,2 %
Às 13h00: 154 votantes - 20,5 %
Às 16h00: 226 votantes - 30,1 %
Às 17h00: 254 votantes - 33,9 %
Às 19h00 - Encerramento das urnas: 286 votantes - 38,1 %

Resultados:
119 votos para Manuel Alegre
74 votos para Cavaco Silva
50 votos para Francisco Lopes
27 votos para Fernando Nobre
5 votos para José Coelho
1 voto para Defeensor de Moura
6 votos em branco
4 votos nulos
 

É já ao virar da esquina!

O Consulado de Portugal na Rússia não abriu a mesa de voto hoje e avisou os portugueses recenseados neste país que o local mais próximo para votar nas eleições presidenciais é em Helsínquia, Finlândia.
               

Não deixem de votar

Quem perdeu o cartão de eleitor, ou tem um cartão de cidadão onde ainda não se consegue ler o número de recenseamento, tem várias opções:
  • dirigir-se à sua Junta de Freguesia para pedir esclarecimento
  • ir à página do recenseamento eleitoral, e pesquisar
  • enviar um sms (gratuito) para 3838, com o texto com «re», espaço, número do Bilhete de Identidade ou Cartão de Cidadão, espaço, data de nascimento (no formato AAAMMDD):
Exemplo:
re 1234567 19740425
 
Na minha mesa de voto (Nº 1 de S. João Baptista de Moura), há um computador (este), por isso podemos esclarecer todas as dúvidas dos nossos eleitores.
 
Se estiverem longe, mandem-me um e-mail com o vosso nome, data de nascimento e nº de BI, que eu respondo com o nº de eleitor actualizado. Mais do que isto não posso fazer.
 
E cumprimentos dos meus colegas de mesa.
                

sábado, 22 de janeiro de 2011

O que custa votar?

41 toneladas de papel reciclado, branco e não transparente, onde foram impressos 12 021 000 de boletins de voto, que serão distribuídos por 12 mil mesas de voto, e que custam ao Estado cerca de 300 mil euros.


60 mil cidadãos asseguram o funcionamento das mesas de voto desde as 7h00 e até que o último voto esteja contado e o último documento preenchido e selado. Assim por alto, são 4 milhões de euros para pagamento de senhas aos membros das mesas. Acrescem a estes valores os custos não contabilizados que a dispensa de funções destes cidadãos no dia a seguir às eleições traz às respectivas entidades patronais.

Os tempos de antena que supostamente nos deviam ter esclarecido, custaram ao Estado 3 milhões e 300 mil euros, a que se somam os 3 800 mil euros em subvenções estatais.

Cada cêntimo sai do nosso bolso. Do meu, do seu, dos seus pais, dos seus filhos, dos seus amigos, dos vizinhos do lado, de todos os contribuintes.

Já que é você que paga, pelo menos vote!


Informação isenta e nada tendenciosa


Isto é a primeira página do jornal Sol online. E não, não é do dia seguinte à vitória de Cavaco Silva nas eleições. É de hoje, 22 de Janeiro, dia de reflexão.

Reparem na diferença de tamanho das imagens, na cor dos destaques e na posição que os diferentes candidatos ocupam no layout. Além de desrespeitar completamente a lei eleitoral, é uma afronta à liberdade de pensamento. É sobretudo o desprezo total pela tão propalada isenção e independência jornalistíca.
              

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Para Domingo

Para Domingo prometo actualização contínua. Estarei a prestar serviço cívico na mesa nº 1 da Freguesia de S. João Baptista em Moura, mas levo o portátil para poder meter a colherada a qualquer hora. Vejam lá se me fazem companhia, porque estas estatísticas de visita ao Domingo são uma lástima.

E vão votar, sim? É para isso que as eleições servem, para nos dar a oportunidade de expressar a nossa vontade. Mostrem agora o que vos vai na alma, não deixem ninguém decidir a vossa vida sem vos consultar.


            
  (Aqui para nós, deve ser o logótipo de eleições mais feio de que há memória.
Quanto é que a CNE terá pago por isto? E a quem?)
              

Semana da Comunidade Educativa - Moura 2011 (3)

Animem-se

Estão aborrecidinhos? A vida é injusta? O vosso chefe não vos dá Muito Bom? O recibo de vencimento trouxe más notícias? O Cavaco vai ganhar as eleições? Está um frio que não fazia falta nenhuma?

Então riam-se um bocadinho. Há sempre alguém que nunca tem medo do ridículo. Leiam isto e bom fim-de-semana.

Adenda posterior: E leiam isto. Está fantástico.

Não sei bem se devemos dar os parabéns nestas circunstâncias...



Eu, que carrego o nome de Zélia Maria desde que nasci, sou desde já solidária com o sofrimento da pobre criança, embora não deixe de me sentir aliviada por haver mais alguém com um nome mais feio do que o meu. E ainda por cima com uns pais doidos varridos.
                     

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

-312

Hoje, na reunião de trabalho das quartas-feiras que por acaso foi a uma quinta-feira, falámos sobre casamentos, mais concretamente sobre pessoas que optam por casar mais do que uma vez. Optimistas, diziam uns, esperançadas, diziam outros, burras, dizia eu.

Pronto, feitos preconceituosos, concluiram logo que eu sou tendenciosa e que não posso dar opinião sobre este assunto. Pois bem, aqui ficam as provas científicas da minha conclusão:

Um estudo (!) britânico conclui de forma brilhante que os casais discutem em média 312 vezes por ano, com maior incidência nas Quintas-feiras por volta das 20h00, e durante cerca de 10 minutos. Normalmente, as discussões são sobre questões de vida ou de morte, como por exemplo luzes acesas, chávenas sujas de café ou zapping entre canais.

Tomem e embrulhem. E ponham a armadura, hoje é quinta-feira.

                  

Semana da Comunidade Educativa - Moura 2011 (2)

Comidinha



Já toda a gente sabe quanto vai receber a menos este mês?

Então, agora, votem nos mesmos de sempre.



Ou então abstenham-se, e depois fiquem aí a dizer mal dos governos...



(Retirados daqui)
                             

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Ser ou não ser o pai da criança, quero dizer, do Astérix.

Depois de 51 anos a desenhar Astérix, Obélix e companhia, o fisco francês resolveu retirar a Albert Uderzo o estatuto de autor das Aventuras de Astérix, remetendo-o à condição de simples ilustrador.

Em Biblioteconomia, e considerando que se trata de literatura em banda desenhada, o que se discute é se Uderzo deve ser o autor principal e Goscinny o co-autor, uma vez que o elemento principal do livro é a imagem e não o texto (para efeitos de indicação do cabeçalho do livro). Mas para o fisco francês, só Goscinny (que já morreu) é o verdadeiro autor de Astérix, e por isso, reclama o pagamento de 203 000 euros ao criador de Astérix por alteração da sua "situação contributiva".

Das duas, uma: ou o fiscal das finanças é romano, ou é um "simples ilustrador" frustrado.

Semana da Comunidade Educativa - Moura 2011 (1)

          

Semana da Comunidade Educativa - Moura 2011



Clique aqui para obter a Ficha de inscrição nas actividades.
Podem clicar na imagem para ver melhor. Será feita a actualização diária.
             

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Estou emocionada.

"Família de Moura aproveita passeio para espreitar descargas da barragem."

Ver aqui toda a informação disponível sobre esta bombástica notícia.

(In)discretamente ilegais

Tinha decidido não escrever uma linha sobre o folhetim Carlos Castro e associados, mas a cena patética do despejo das cinzas num respiradouro do metro de Nova York impede-me de cumprir a promessa.

As notícias dizem que foi uma cerimónia discreta. A contradição está patente. Se fosse discreta, não haveria notícia, nem fotografias, nem o esforço para provocar a concentração de uma pequena multidão movida pela curiosidade de um acto inesperado ali, naquele lugar. A mim parece-me apenas a tentativa desesperada  de prolongar uma novela, desnecessriamente, cruelmente, quando o que se pedia era o respeito pelos envolvidos num episódio dramático.

Os nova-iorquinos estão indignados. Eu também estaria. Mas o preço recebido pelas fotografias para alimentar a curiosidade das massas deve ser mais do que o suficiente para pagar eventuais multas que venha a ser aplicadas. E afinal, já dizia o falecido, o que interessa é ser falado, não é?
            

Tenham vergonha

Que país é este? Que pessoas são estas, que se apresentam como candidatos a Presidente da República do meu país? O que ganhámos com esta campanha?

Permanentemente preocupados em esticar a manta para que nenhum podre fique de fora, enquando tentam desesperadamente vasculhar no lixo dos outros para os atacarem com a podridão mais mal-cheirosa que encontrarem.

Isto é campanha eleitoral? Desculpem, estava enganada. Pensava que se chamava isso a um período de esclarecimento, de apresentação de propostas, de diálogo aberto e limpo. Do candidato/presidente esperava que aproveitasse também para prestar contas do trabalho efectuado e que se dispensasse de promessas ridículas de "desta vez serei...", "desta vez farei..."

Tenham vergonha. Mandem para casa todos esses estrategas pagos a peso de ouro que vos enchem a cabeça de ilusões e apresentem-se, na vossa condição de Homens, cara limpa e mãos abertas. Se não o puderem fazer, vão-se também embora, não nos fazem falta.
                          

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Diz quem viu...

No jornal i, a notícia dizia que "Manifestação de centenas de pessoas obriga Cavaco a "fugir" de Braga", dando conta de uma população "descontrolada" empunhando furiosamente cartazes de protesto com a inscrição "S.O.S."



Mas na página do Facebook da JSD, lê-se que "O Professor Cavaco Silva foi recebido hoje na cidade de Braga por milhares de portugueses que Acreditam em Portugal!!!!"



É tudo uma questão de perspectiva!

Nada, absolutamente nada, desculpa a crueldade.

«Uma mulher idosa "bastante debilitada" entrou no Centro de Acolhimento de Xabregas numa sexta-feira à tarde para lá ficar o fim-de-semana. Dormiu e, no dia seguinte, não entregou a chave do cadeado do armário como obriga o regulamento. Nessa noite, não foi autorizada a entrar e "dormiu à porta". Foi encontrada morta. O INEM já nada pôde fazer. (...) Um auxílio não se nega a ninguém. O caso foi abafado e não foram apuradas as responsabilidades. (...) O dr. João Barros implementou uma nova regra: todos os utentes que à saída se esqueçam de entregar a chave do cadeado do armário passam essa noite na rua.»


No mínimo, espero que o "dr. João Barros" também tenha sido posto no olho da rua, de preferência de noite, e obrigado a dormir à porta, assim como quem o nomeou para aquele cargo. Palhaços.
             

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

It´s a book!

BAD - Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas

CONVITE


Convidam-se todos os associados a participarem no acto de tomada de posse dos novos Órgãos Nacionais, que irá ter lugar no próximo dia 19 de Janeiro de 2011, pelas 15h30m, na Sede da BAD, à Rua Morais Soares, 43 C - 1º Dto., em Lisboa.

A Presidente da Mesa da Assembleia Geral
Maria José Moura

 
Fica aqui então, para conhecimento, a nova constituição dos órgãos sociais da BAD:
 
 
MESA DA ASSEMBLEIA GERAL

Presidente
Eloy António Santos Cordeiro Rodrigues
Universidade do Minho

Vice-Presidente
Pedro Manuel Pereira Penteado
Direcção-Geral de Arquivos

Secretário
José António Calixto Marques Oliveira
Biblioteca Pública de Évora

Secretário
Paulo Jorge dos Santos Barata
Inspecção-Geral de Educação


CONSELHO DIRECTIVO NACIONAL

Presidente
Maria Paula Sérgio C. Alves Santos
Biblioteca Municipal de Beja

Vice-Presidente
Maria José Sabino Moura
Associada Honorária

Secretária
Maria Dulce Rosário Correia
Instituto Politécnico de Leiria

Secretário
Pedro Miguel de Oliveira Bento Príncipe
Universidade do Minho

Vogal do Sector da Formação
Isabel Carmo M. G. de Sousa Andrade
Escola Nacional de Saúde Pública

Vogal do Sector Editorial
Henrique Manuel Barreto Nunes
Associado Honorário

Tesoureiro
Bruno Duarte Mendes Eiras
Bibliotecas Municipais de Oeiras - Algés


CONSELHO FISCAL NACIONAL

Presidente
Ana Paula Récio C. Gonçalves Gordo
Biblioteca de Arte – Fundação Calouste Gulbenkian

Vogal
Maria Natércia Vieira V. Coimbra
Centro de Documentação 25 de Abril - Coimbra

Vogal
Francisco Jorge S. Batista Silveira
Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Ponta Delgada

Bom trabalho!
                 

Caixeiro viajante

Depois da China, José Sócrates inicia amanhã uma visita oficial aos Emirados Árabes, Qatar e Abu Dhabi. O primeiro-ministro vai fazer uma campanha especial de promoção da nossa dívida e de participação em privatizações. Na comitiva seguem os ministros Teixeira dos Santos, Vieira da Silva, António Mendonça e Luís Amado, acompanhados por 20 empresários e gestores nacionais.

Tudo indica que se desenvolverá uma campanha semelhante à do Pingo Doce, em que Sócrates fará o papel de Ricardo Pereira e os ministros e os empresários formarão o coro e cantarão o slogan "Portugal, leve o que quiser".

Aqui o aumento é zero, no país todo, o ano inteiro.

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

e-escola?

Há dois dias, as notícias davam conta da influência negativa do programa e-escola na concentração dos alunos, conduzindo a um impacto negativo nas notas dos exames de Matemática e Português de 9º e 12º ano.
O estudo, apresentado na semana passada no ISEG, mostra que, em termos médios, as notas escolares baixaram entre 7,7 por cento no período entre 2005 e 2008 e 6,3 por cento, no período entre 2005 e 2009 "devido ao uso da banda larga".

As conclusões, que podem parecer demasiado lineares ao alegar que a banda larga "cria distracções", sugerem que a introdução desta tecnologia no ambiente escolar tem de ser complementada com políticas que a integrem no sistema de educação, de forma a promover o uso produtivo da Internet. Infelizmente, isso nem sempre acontece. como sabemos, as novas tecnologias são muitas vezes encaradas como um fim e não como um meio para conseguir mais e melhores aprendizagens, da qual os alunos poderão tirar partido se forem apoiados e orientados nas suas experiências.

De nada adianta dar ao pescador o melhor material de pesca possível se ninguém lhe ensinar a pescar. O extraordinário investimento  feito na aquisição de equipamentos que possibilitem o uso das novas tecnologias de nada serve se a comunidade educativa (alunos, pais e professores) não souberem tirar partido dessas possibilidades.

Não obstante, o Ministério fecha os olhos à realidade e prefere avançar com um novo programa e-escola. “Para além do acesso a equipamentos adequados a todos os alunos, professores e adultos em formação, privilegiar-se-á a disponibilização de conteúdos digitais e o acesso à Internet em banda larga suportada em redes de nova geração”.

Quem os utiliza, de que forma e com que resultados? Bem, como diria a Teresa Guilherme, isso agora não interessa nada!
                

Simplex e ridiculex

"O novo decreto-lei que actualiza as taxas dos serviços de saúde pública e que foi esta semana publicado em Diário da República modifica, também, os valores a cobrar pelos pareceres feitos no âmbito da actividade de restauração. O problema é que estes actos já tinham sido extintos há três anos no âmbito do programa Simplex."

Para ler no Público.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Precisa de um atestado?

É melhor despachar-se! A partir da próxima semana, os valores fixados para os atestados para renovação de carta de condução para veículos das categorias C e D (pesados de mercadorias e passageiros) aumentam de 2,99 euros e 5,98 euros para 20 euros.

Se o seu caso é grave e tem de ir a uma junta médica, então prepare-se, porque vai ficar ainda pior. O preço passa de 90 cêntimos para 50 euros.

E deixe-se de viagens para sítios exóticos, porque a vacina fica mais cara do que o preço do bilhete: a vacinação contra a febre amarela e a encefalite japonesa passa a custar 100 euros ao utente. A vacina contra a febre tifóide e meningite tetravalente custará 50 euros. Até agora, custavam 15 cêntimos...
                            

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

100 000 visitantes, já?

              

O Estado do Estado

O Diário de Notícias está a conduzir desde o último fim-de-semana uma grande investigação sobre o Estado e a situação a que chegámos.

Na Sexta-feira ficámos a saber que a maioria das entidades públicas não presta contas: Em 13740, só 1724 apresentam contas, mas destas, apenas 418 são fiscalizadas.

No Sábado, a atenção era dirigida ao recorde de despesas, quando só se ouve falar de contenção. Só em telecomunicações o Estado gastou, na última década, mais do que o valor da Ponte Vasco da Gama e em viaturas, não se sabe ao certo quantas existem, mas rondam as 28 ou 29 mil (!).

No Domingo, o DN avisa que os Recibos Verdes vão triplicar em 2011. O recuo nos salários, para valores equivalentes aos de há dez anos, será completamente anulado pelos gastos com a prestação de serviços que correspondem a trabalho precário, sem contratos ou quaisquer outros direitos.

Ontem, o jornal alertava para a existência de mais de 4500 pensionistas que recebem reformas superiores a 4 mil euros por mês, o que custa ao Estado a módica quantia de 20 milhões de euros por mês.

Hoje, fiquei a saber que eu e os meus filhos temos de pagar uma factura de cerca de 20 mil euros para financiar as tão faladas Parcerias Público-Privadas. Coitadinhos, andam a poupar para os seus projectos pessoais e afinal, devem uma pipa de massa.

Vou acompanhar a investigação do DN, mas espero que um dos números que se seguem (o jornal promete continuar o dossier até dia 15) identifique claramente os responsáveis por todos estes roubos declarados. Infelizmente, ainda parece haver muita gente distraída por aí, que continua a cair no conto do vigário.
            

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Mas quem paga a RTP e a Dra. Judite somos nós



A este propósito, leia-se isto, isto e isto.
                     

The Best


A sua arrogância e vaidade impedem-me de ser sua fã incondicional, embora admire a coragem e a capacidade de trabalho. Hoje, dou a mão à palmatória.
É o melhor do mundo e fez questão de falar em português quando recebeu o prémio. Parabéns!
                        

Desânimo

Há três dias que não escrevo nada, e no último dia, escolhi um poema. Não é falta de vontade, é só porque o país está um atoleiro imenso e não me apetece nada chafurdar na lama.

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Se recordo quem fui

Se recordo quem fui, outrem me vejo,

E o passado é o presente na lembrança.
Quem fui é alguém que amo
Porém somente em sonho.
E a saudade que me aflige a mente
Não é de mim nem do passado visto,
Senão de quem habito
Por trás dos olhos cegos.
Nada, senão o instante, me conhece.
Minha mesma lembrança é nada, e sinto
Que quem sou e quem fui
São sonhos diferentes.

Fernando Pessoa
(Ricardo Reis)
                      

O que esta gente vai descobrir...

Vejam só que o representante legal da empresa Milicia, que vendeu os seis blindados (já chegaram?) ao Estado Português, é também advogado da Empordef, SGPS , uma holding detida a 100% pelo Ministério da Defesa, que gere as participações sociais em empresas públicas da área militar.

Mas foi enquanto procurador da Milícia que assinou o contrato, no valor total de 1,2 milhões de euros, com o governador civil António Galamba. Por acaso, mas só mesmo por acaso, o sr. João Henriques Pinheiro, também é militante do PS, na secção de Benfica, e sócio do escritório Capitão, Rodrigues Bastos, Areia & Associados, e consultor jurídico do ex-ministro Severiano Teixeira e do Ministério da Saúde.

É por isso que há tanto desemprego. Há pessoas que ocupam cinco e seis lugares ao mesmo tempo...


Notícia completa aqui.
                   

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

...

Declarou a quem a quis ler «tomei todos os meus remédios, em breve estarei morta, adeus a todos», mas ninguém lhe prestou atenção. Morreu, já no hospital, vítima de overdose de medicamentos e da indiferença dos seus 1048 amigos. «Bastava que uma pessoa tivesse saído da frente do computador para lhe ter salvo a vida».

Só uma perguntinha

O voto do dia 23 é para escolher o Vencedor ou para expulsar do País?

Espero que os outros candidatos tenham uns segredos mais divertidos, porque até agora são só esquemas com bancos (2) e dinheiros mal explicados (1) e coiso e tal. Ainda por cima, estes concorrentes só sabem dizer que é mentira. Quem é que faz de Júlia Pinheiro, para confirmar que os segredos foram descobertos?
            

 
(1) "o negócio da venda das suas ações da Sociedade Lusa de Negócios, detentora daquele banco [BPN], com contornos pouco claros e que deram a si e à sua filha um lucro de 147,5 mil euros e de 209,4 mil euros, respetivamente. Cavaco Silva vendeu 105.378 ações da SLN, que comprara a um euro cada, em 2001, por 2,4 euros, no final de 2003. O mais importante: esta inexplicável valorização foi determinada por contrato, já que a sociedade não estava cotada na bolsa. (...)contrato, elaborado por uma administração composta por pessoas que lhe são próximas (uma delas até foi, depois disto, nomeada por ele para o Conselho de Estado).

(2) Em 2005, quando Manuel Alegre era vice-presidente da Assembleia da República, foi-lhe pedido que escrevesse um texto para uma campanha do banco. Aceitou, e recebeu pelo texto 1500 euros. Foi página de abertura na Revista do Expresso.Confrontado com o facto no Parlamento, devolveu o dinheiro.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Quem conta um conto...



Quem conta um conto acrescenta um ponto é o nome do concurso que está a decorrer desde Novembro. O objectivo é desafiar os alunos das turmas do 2º ciclo  a escrever um conto que dê seguimento a um dos livros da colecção CLÁSSICOS PORTUGUESES CONTADOS ÀS CRIANÇAS, editada com o semanário SOL em 2008.

O projecto abrange todas as escolas do 2º ciclo de Portugal continental, num total de cerca de 1000 escolas.

Para além dos prémios dos vencedores, as bibliotecas das escolas e todas as turmas participantes receberão colecções de livros.

Mais informações aqui e Ficha de inscrição aqui.
             

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

O poder dos mercados


Mais de 50 mil pessoas confirmaram a sua participação via Facebook, na iniciativa de boicote às grandes gasolineiras, como forma de pressão para fazer baixar o preço dos combustíveis.

O apelo é simples: Entre 1 de Janeiro e 30 de Abril, vamos evitar abastecer nas grandes companhias que impõem a subida alucinante dos preços, devido ao agravamento dos impostos, à subida do preço do petróleo (mas quando o petróleo desce, o preço da gasolina mantém-se), ao aumento dos custos de funcionamento dos postos de abastecimento, e por aí fora. Se o poder está nos mercados, então vamos fazê-los funcionar... a nosso favor.
             

Sob protesto e com grandes reservas

Anda numa lufa-lufa, o candidato Cavaco Silva. Ansioso por aparecer, ocupa todos os micro-segundos que as televisões lhe dão, todos os pixels que os jornais lhe concedem. Quer convencer-nos desesperadamente a dar-lhe a oportunidade de ser o melhor presidente para todos os portugueses, através de uma “magistratura activa”, e não há ninguém por perto que lhe relembre dois pequenos e insignificantes detalhes:


1. Ele já teve essa oportunidade durante 5 anos e foi muito fraquinho. Promulgou todos os despachos sob protesto ou com grandes reservas, e é um dos grandes responsáveis pelo estado a que isto chegou. De cada vez que surgiu um problema, a sua única preocupação foi passar por entre as gostas da chuva sem que qualquer salpico o atingisse.

2. Devia evitar aparecer. De cada vez que fala, perde votos. Infelizmente, pode dar-se a esse luxo. Todos sabemos que vai ser reeleito. Sob protesto e com grandes reservas, para condizer com a sua postura.
                                          

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

O regresso

Ei-los que voltam. Ressacados das meias-noites ou com os olhos inchados das horas dormidas a mais. O calendário marca o regresso à vida normal e o fim da euforia programada do Ano Novo. Há muito que ficou para trás a solidariedade e a lista de compras do Natal, repenicada de beijinhos de circunstância.

É Janeiro e estão de volta. Tudo recomeça. As rotinas e as pressas, os “tempos livres” com hora e local marcados, as aulas, os alunos, os horários, as reuniões, os relatórios, os chefes, as injustiças, os lambe-botas, as pequenas alegrias e vitórias do dia-a-dia, as escadas, o cansaço, o cansaço, o cansaço...

Que tal de Ano Novo? Igual ao Ano Velho.
                    

domingo, 2 de janeiro de 2011

Mensagem de Ano Novo

Como foi convenientemente anunciada, consegui escapar-me e não assistir ontem, mas hoje de manhã, a SIC Notícias tinha um debate para analisar a comunicação ao País do candidato Cavaco Silva. "Estamos a espremer um limão seco, a ver se saiem duas gotas" e "Um conjunto de frases soltas, de soundbites", foram as frases que retive. Não perdi nada portanto, até porque, segundo percebi, nem sequer nos desejou um bom ano.

Quando é que os outros candidatos falam?
                                

sábado, 1 de janeiro de 2011

2011


"Nenhum ano será realmente novo, se continuarmos a cometer os mesmos erros dos anos velhos"

Luís de Camões (?)
                            

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...