quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Claro que deu!

Fico à espera da demonstração dos resultados económicos disto.



E tanto ainda por fazer...



Martin Luther King - I Have A Dream Speech - August 28, 1963

I am happy to join with you today in what will go down in history as the greatest demonstration for freedom in the history of our nation.

Five score years ago, a great American, in whose symbolic shadow we stand today, signed the Emancipation Proclamation. This momentous decree came as a great beacon of hope to millions of slaves, who had been seared in the flames of withering injustice. It came as a joyous daybreak to end the long night of their captivity. But one hundred years later, the colored America is still not free. One hundred years later, the life of the colored American is still sadly crippled by the manacle of segregation and the chains of discrimination.

One hundred years later, the colored American lives on a lonely island of poverty in the midst of a vast ocean of material prosperity. One hundred years later, the colored American is still languishing in the corners of American society and finds himself an exile in his own land So we have come here today to dramatize a shameful condition.

In a sense we have come to our Nation's Capital to cash a check. When the architects of our great republic wrote the magnificent words of the Constitution and the Declaration of Independence, they were signing a promissory note to which every American was to fall heir.

This note was a promise that all men, yes, black men as well as white men, would be guaranteed to the inalienable rights of life liberty and the pursuit of happiness.

It is obvious today that America has defaulted on this promissory note insofar as her citizens of color are concerned. Instead of honoring this sacred obligation, America has given its colored people a bad check, a check that has come back marked "insufficient funds."

But we refuse to believe that the bank of justice is bankrupt. We refuse to believe that there are insufficient funds in the great vaults of opportunity of this nation. So we have come to cash this check, a check that will give us upon demand the riches of freedom and security of justice.

We have also come to his hallowed spot to remind America of the fierce urgency of Now. This is not time to engage in the luxury of cooling off or to take the tranquilizing drug of gradualism.

Now is the time to make real the promise of democracy.

Now it the time to rise from the dark and desolate valley of segregation to the sunlit path of racial justice.

Now it the time to lift our nation from the quicksands of racial injustice to the solid rock of brotherhood.

Now is the time to make justice a reality to all of God's children.

It would be fatal for the nation to overlook the urgency of the moment and to underestimate the determination of its colored citizens. This sweltering summer of the colored people's legitimate discontent will not pass until there is an invigorating autumn of freedom and equality. Nineteen sixty-three is not an end but a beginning. Those who hope that the colored Americans needed to blow off steam and will now be content will have a rude awakening if the nation returns to business as usual.

There will be neither rest nor tranquility in America until the colored citizen is granted his citizenship rights. The whirlwinds of revolt will continue to shake the foundations of our nation until the bright day of justice emerges.

We can never be satisfied as long as our bodies, heavy with the fatigue of travel, cannot gain lodging in the motels of the highways and the hotels of the cities.

We cannot be satisfied as long as the colored person's basic mobility is from a smaller ghetto to a larger one.

We can never be satisfied as long as our children are stripped of their selfhood and robbed of their dignity by signs stating "for white only."

We cannot be satisfied as long as a colored person in Mississippi cannot vote and a colored person in New York believes he has nothing for which to vote.

No, we are not satisfied and we will not be satisfied until justice rolls down like waters and righteousness like a mighty stream.

I am not unmindful that some of you have come here out of your trials and tribulations. Some of you have come from areas where your quest for freedom left you battered by storms of persecutions and staggered by the winds of police brutality.

You have been the veterans of creative suffering. Continue to work with the faith that unearned suffering is redemptive.

Go back to Mississippi, go back to Alabama, go back to South Carolina go back to Georgia, go back to Louisiana, go back to the slums and ghettos of our modern cities, knowing that somehow this situation can and will be changed.

Let us not wallow in the valley of despair. I say to you, my friends, we have the difficulties of today and tomorrow.

I still have a dream. It is a dream deeply rooted in the American dream.

I have a dream that one day this nation will rise up and live out the true meaning of its creed. We hold these truths to be self-evident that all men are created equal.

I have a dream that one day out in the red hills of Georgia the sons of former slaves and the sons of former slaveowners will be able to sit down together at the table of brotherhood.

I have a dream that one day even the state of Mississippi, a state sweltering with the heat of oppression, will be transformed into an oasis of freedom and justice.

I have a dream that my four little children will one day live in a nation where they will not be judged by the color of their skin but by their character.

I have a dream today.

I have a dream that one day down in Alabama, with its vicious racists, with its governor having his lips dripping with the words of interpostion and nullification; that one day right down in Alabama little black boys and black girls will be able to join hands with little white boys and white girls as sisters and brothers.

I have a dream today.

I have a dream that one day every valley shall be engulfed, every hill shall be exalted and every mountain shall be made low, the rough places will be made plains and the crooked places will be made straight and the glory of the Lord shall be revealed and all flesh shall see it together.

This is our hope. This is the faith that I will go back to the South with. With this faith we will be able to hew out of the mountain of despair a stone of hope.

With this faith we will be able to transform the jangling discords of our nation into a beautiful symphony of brotherhood.

With this faith we will be able to work together, to pray together, to struggle together, to go to jail together, to climb up for freedom together, knowing that we will be free one day.

This will be the day when all of God's children will be able to sing with new meaning "My country 'tis of thee, sweet land of liberty, of thee I sing. Land where my father's died, land of the Pilgrim's pride, from every mountainside, let freedom ring!"

And if America is to be a great nation, this must become true. So let freedom ring from the hilltops of New Hampshire. Let freedom ring from the mighty mountains of New York.

Let freedom ring from the heightening Alleghenies of Pennsylvania.

Let freedom ring from the snow-capped Rockies of Colorado.

Let freedom ring from the curvaceous slopes of California.

But not only that, let freedom ring from Stone Mountain of Georgia.

Let freedom ring from every hill and molehill of Mississippi and every mountainside.

When we let freedom ring, when we let it ring from every tenement and every hamlet, from every state and every city, we will be able to speed up that day when all of God's children, black men and white men, Jews and Gentiles, Protestants and Catholics, will be able to join hands and sing in the words of the old spiritual, "Free at last, free at last. Thank God Almighty, we are free at last."


   

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Desculpem a insistência, mas...

Caros amigos que também são leitores da Biblioteca Municipal

Estão hoje a ser emitidas 895 cartas a pedir, a outros tantos leitores, a devolução dos livros ou outros documentos que requisitaram na Biblioteca Municipal Urbano Tavares Rodrigues.

Este é um problema grave, que continuamos a não conseguir resolver. Destes 895 utilizadores, muitos têm mais do que um ou dois livros/documentos em atraso, alguns deles com mais de 3 e 4 anos. Calculamos que estejam aproximadamente 3000 documentos fora da biblioteca, sem que os utilizadores que os requisitaram se dignem informar do seu paradeiro.

Agradecemos a colaboração de todos os que lêem esta mensagem da seguinte forma:

1.Devolvam os livros que requisitaram e dos quais já não precisam, há outras pessoas à espera desses livros.

2. Renovem o empréstimo dos documentos de que ainda precisam. Pode ser por telefone (285 250 446), por email (bmm.moura@cm-moura.pt ou bibliotecamoura@gmail.com), ou pelo facebook (https://www.facebook.com/bibliotecamoura)

3. Passem a mensagem aos vossos contactos. Estes livros que estão "desaparecidos" custaram dinheiro e foram pagos com os nossos impostos. O seu lugar é na biblioteca, para serem utilizados de forma livre e gratuita por todos.

Obrigada.

sábado, 24 de agosto de 2013

Teorema das promessas eleitorais.

Gosto de observar estes processos todos que rodeiam as eleições. Nessa qualidade - de observadora - tenho já um teorema para apresentar:

O irrealismo e a imbecilidade das propostas apresentadas são directamente proporcionais ao grau de irresponsabilidade de quem as faz (o que inclui o desconhecimento do que já está feito) ou, em alternativa, à certeza absoluta de que nunca serão eleitos e portanto, nunca serão confrontados com a necessidade de arranjar forma de concretizarem aquilo que prometeram.
                   

...


sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Não há festa nem festança...

... em que não dance a Constança.

Realmente, quem tomou a decisão de (há um ou dois mandatos atrás) antecipar as eleições autárquicas de Dezembro para princípio de Outubro, e este ano para Setembro, sabia o que estava a fazer. Este calendário permite aos candidatos um corropio pelas festas e festarolas de aldeias, vilas e cidades. É uma ocupação a tempo inteiro, e ainda só vamos na pré-campanha.

O calor aperta, mas abre a sede a mais um copo e a fome a mais um petisco. A conversa corre fácil, à luz das iluminações festivas e nem se incomoda com as pimbalhadas que se adivinham lá no fundo dos milhares de fotografias que circulam pelas redes sociais. Apertos de mão, muitos sorrisos, rifas e brindes, e sobretudo, multidões. Não foram lá para ver os candidatos, mas isso agora não interessa nada. Eles foram lá para serem vistos, e mais vale aproveitar. O mais certo é que só lá voltem outra vez daqui a 4 anos.
   

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Biblioteca Municipal Urbano Tavares Rodrigues

Sob proposta do Senhor Presidente da Câmara Municipal de Moura, foi ontem deliberado por unanimidade alterar a designação da Biblioteca Municipal de Moura para Biblioteca Municipal Urbano Tavares Rodrigues.


Preparem-se para cair para o lado!


Não estão emocionados? Vá, digam lá que esta grandiosa reportagem não muda as vossas vidas para sempre?

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Lamentável

A Fundação Francisco Manuel dos Santos realizou um estudo. O estudo conclui que os portugueses gastam apenas 7% do seu orçamento familiar em cultura e lazer. Vai daí, sai uma reportagem que começa por dizer, e passo a citar, que "Cultura e lazer não são propriamente prioridades para os portugueses".

A notícia já é lamentável por si só, e representa uma regressão que julgávamos já não ser possível, mas o que está em causa não são as prioridades dos portugueses. O que está em causa é aquilo de que os portugueses se viram obrigados a desistir. As prioridades estabelecem-se quando ainda há margem de escolha e isso é algo que os portugueses já não têm há muito tempo.

De facto, ainda me admira que haja 7% para gastar em cultura e lazer. Acho que não gasto tanto, até porque - como não poderia deixar de ser - leio livros, jornais e revistas gratuitamente na Biblioteca Municipal (não sei se estão a perceber a indirecta...)

domingo, 18 de agosto de 2013

Que jogo!

Agradeço à Força - seja ela qual for - que governa o Universo, por ter permitido que eu fosse Sportinguista. Que clube, que jogadores, que adeptos! Que orgulho!

O comando é nosso

Andam as redes sociais cheias de protestos veementes à postura (e até à existência) de Judite de Sousa. Peço desculpa por ser contra a corrente, mas porque é que vêem os telejornais que ela apresenta? Um ou dois dias (vá lá, três, no máximo) sem audiências e ela desaparece da nossa televisão como se nunca tivesse existido. Já pensaram nisso? Muito mais eficaz do que alimentar polémicas que só lhe dão importância.
 

Colóquio sobre Reabilitação e Gestão de Edifícios Históricos




Colóquio
Reabilitação e Gestão de Edifícios Históricos

Igreja do Espírito Santo (Rua da Romeira, em Moura)
20 de Agosto, pelas 18h30.
(entrada livre)


Participantes:

Ana Paula Amendoeira 
(presidente da comissão nacional do ICOMOS)

António Prates
(galerista e CEO do Centro Português de Serigrafia)

António Vasques
(técnico da EMPRIPAR)

Joaquim Caetano
(historiador de arte)

Santiago Macias
(vereador da Câmara Municipal de Moura)

Vítor Mestre
(arquitecto e autor do projecto de reabilitação)

sábado, 17 de agosto de 2013

E a auto-estrada ali tão perto...

Há custos maiores do que aqueles que se podem prever numa tabela de excel. Entre o momento em que vi a notícia e o momento em que abri a página para escrever este post, o número de mortos deste acidente passou de seis para sete. 

Acidente grave perto de Ourique. Trânsito cortado17-08-2013 15:28
Sete pessoas morreram e uma ficou gravemente ferida, segundo a Protecção Civil.
Uma colisão frontal ocorrida este sábado por volta das 13h45, causou seis mortos e dois feridos graves, tendo ainda obrigado ao corte do trânsito no Itinerário Complementar (IC) 1, perto de Ourique.
O Comando Territorial de Beja da GNR explica à agência Lusa que se tratou de "uma colisão frontal, entre duas viaturas ligeiras de passageiros, ao quilómetro 677.8 do IC1, a seguir à Aldeia de Palheiros", no concelho alentejano de Ourique.
Os meios de socorro às vítimas estão no local e incluem, além de 30 bombeiros e 19 viaturas, dois helicópteros do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).
O trânsito está cortado nos dois sentidos, de modo a facilitar as operações de socorro.
Na sexta-feira, no mesmo concelho alentejano e no IC1, uma colisão frontal entre dois automóveis causou dois mortos e dois feridos.

...


sexta-feira, 16 de agosto de 2013

E se nos deixassem decidir livremente?

A lei da limitação de mandatos ameaça sobrepor-se a todas as discussões sobre o que realmente interessa nos concelhos deste país. Uma questão desnecessária, ridícula e inútil, quando o que está em causa é dar aos cidadãos a liberdade absoluta de exercerem o seu direito no único momento em que têm a possibilidade de decidir: O momento do voto.
       

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Logicamente



Entrou ontem em funcionamento a climatização do edifício sede da empresa, no parque tecnológico, a partir do seu sistema de aproveitamento a energia geotérmica.

Este sistema permite a manutenção das temperaturas ideais no interior do edifício sede, com recurso a uma quantidade muito reduzida de energia. O sistema põe em evidência a autonomia energética do edifício e a redução drástica no consumo de energia e na redução de emissões de CO₂.

De salientar ainda que, o sistema instalado no parque dispõe de uma unidade de tratamento de ar permitindo o condicionamento de 100 % de ar novo exterior, permitindo o não aproveitamento de ar recirculado

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Moura, 1952

O meu amigo José Francisco Finha fez-me chegar hoje uma fotografia da varanda da Biblioteca e de parte da sua magnífica vista sobre a cidade de Moura. A fotografia data de 1952, altura em que a Câmara Municipal estava instalada neste edifício.

Obrigada, Zé Francisco!


quarta-feira, 7 de agosto de 2013

SWAP


Pais Jorge afinal já se lembra das reuniões que teve. Só ainda não se lembrou de apresentar demissão. Deve ser a isto que se chama "consistência problemática".


Adenda: Ooops! Já foi...

domingo, 4 de agosto de 2013

Querida PT

Cá estou eu a escrever-te novamente. Não há forma de teres juízo. Hoje ligaste-me e puseste uma gravação com a voz de um jogador que costuma dar empurrões nos árbitros que até os deixa inconscientes, a mandar-me ver um determinado canal que aqui em casa até está bloqueado. Também andas sempre a mandar sms com a mesma conversa ao pessoal cá de casa.

Ora, querida PT, o tempo da outra senhora e do clube do regime e do bom chefe de família já passou. Acredita em mim, que eu sou de História e trabalho numa biblioteca. Talvez fosse bom repensar esta estratégia. Já te aturei muita coisa, mas desta vez foste longe de mais. Outra gracinha destas e já sabes. Zap! Corta-se para sempre a nossa relação, que eu não te devo fidelidade nenhuma.

Um abraço, toma atenção ao que te digo, porque só te quero bem.

Zélia

Ps: Tens algum dispositivo a gravar as reacções dos clientes? É que eu deixei-te lá um miminho.

sábado, 3 de agosto de 2013

Uma grande família

Ao encontrar uma já muito elegante mãe no supermercado, apercebi-me que ainda não tinha aqui dado notícias sobre o nascimento da nossa caçulinha (é assim que se escreve?). A Lara é a nossa bebé número 25 e veio enriquecer a vida da Patrícia e do Mário. Parabéns a toda a família!

Agora temos de tratar do cartão da biblioteca :)
 

...


Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...