segunda-feira, 17 de outubro de 2016

A 16 anos do ano 2000


http://p3.publico.pt/actualidade/sociedade/21901/nao-sou-uma-funcionaria-sou-uma-colaboradora

Diz um comentário ao artigo que "parece um capítulo de 1984".

Cada vez mais perto, não duvidem, especialmente porque continuamos ansiosos por contar nas redes sociais o que almoçámos, jantámos e bebemos, onde estamos e com quem, o que comprámos e o que temos. Deixamos que os nossos telemóveis e outros gadgets registem permanentemente a nossa localização e que fotografem/filmem a nossa rua e, por que não, a nossa sala de estar, a cozinha ou a casa de banho. Afirmamo-nos assim, no circuito da internet e deixamos que nos retirem todo o valor intrínseco, que nos roubem a identidade, que nos esmaguem a personalidade. Anulamos os nossos gostos para alinharmos no politicamente correcto, deixámos de comer e de saborear porque há um estudo recente que diz uma treta qualquer e já nada é saudável. 

Até poderia dizer que já só faltam os 2 minutos de ódio diários, mas depois lembrei-me dos comícios do Trump e sou obrigada a reconhecer: já não falta nada.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...