quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

A formiga no carreiro, vinha em sentido diferente

Já as ouvi centenas de vezes. Já as cantei (muito baixinho) centenas de vezes. Mas há qualquer coisa naquela voz que parece não conseguir aguentar até ao fim da canção e que depois vence serena e tranquila. E há os acordes e, acima de tudo, a letra e tudo o que ela significa.

Centenas de vezes depois, continuo a arrepiar-me como se fosse a primeira vez, de cada vez que ouço as canções do Zeca.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Estrela da manhã

Numa qualquer manhã, um qualquer ser, vindo de qualquer pai, acorda e vai. Vai. Como se cumprisse um dever. Nas incógnitas mãos tran...