sábado, 2 de abril de 2016

Pedro, 18


Hoje, o meu filho mais novo faz 18 anos. Sou agora a mãe orgulhosa de três adultos.

Quando vamos na rua, já sou a mais baixa da família, mas cá dentro, onde se guardam as lembranças, as dores e as gargalhadas, continuo a ser  o colo, o amparo, o abrigo e sim, a autoridade que nenhuma maioridade certificada por bilhete de identidade alguma vez me retirou. Cá dentro eles são ainda tão pequeninos e eu continuo - e continuarei - a usar as expressões que eles usavam quando eram do tamanho que ainda têm, aqui dentro.

Hoje, o meu filho mais novo faz 18 anos. É carinhoso (quando ninguém está a ver), bem-humorado e bom companheiro. É teimoso, obstinado e orgulhoso. Amadureceu tanto nos últimos meses, longe de mim... criou asas, está a voar.

Quero que saibas que tenho muito orgulho em ti, filho. E que confio em ti. E que estarei aqui sempre, sempre.

Parabéns!

 

 


Sem comentários:

Enviar um comentário

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...