domingo, 17 de julho de 2011

Desmemoriados

O Google, ou melhor, os motores de pesquisa que tornaram a Internet uma imensa base de dados, estão a afectar a nossa capacidade de memorizar a informação. Um estudo revela agora que estamos cada vez mais a perder a competência de aprender e a compensá-la com a aptidão para encontrar a informação onde quer que ela se encontre.

No fundo, esta é também a transformação que as bibliotecas sofreram nas ultimas décadas. Deixaram de ser depósitos de informação e passaram a ser a ponte entre o conhecimento e aqueles que o procuram. Deixaram de trabalhar exclusivamente a informação contida em documentos físicos e passaram a organizar as formas de acesso ao conhecimento existente a nível global.

Sem qualquer ponta de remorso ou arrependimento pelo caminho que também ajudei a percorrer no campo das bibliotecas, é com tristeza que vejo o mesmo acontecer dentro das cabeças dos humanos. Por enquanto ainda se discute apenas a capacidade de memorizar informação, mas receio que se venha a perder também a extraordinária capacidade de lembrar emoções e afectos, sensações e cheiros.

São as memórias de todos os dias, bons ou maus, que conferem sentido à minha vida e que me dão identidade. Não seria certamente a mesma pessoa se não trouxesse em mim as lembranças das alegrias e das tristezas, dos dias de certezas absolutas e confiantes ou das noites de medos e incertezas, das escolhas afirmativas ou da aceitação resignada do inevitável.

Não me quero esquecer de nada. Tudo é demasiado valioso e importante. Tudo valeu a pena ser vivido.
                                   

4 comentários:

  1. Gostei muito desta reflexão!!

    ResponderEliminar
  2. Noutro dia entrei num dessas bibliotecas da província e pedi um livro... do Alves Redol, não tinham.

    ResponderEliminar
  3. @António Ganhão
    Mas vai ter, porque as bibliotecas nunca deixam os seus utilizadores sem resposta. Através do empréstimo interbibliotecas, em breve terás "O cavalo espantado" nas tuas mãos. E esta, hein?

    @Daniel
    Escrever é aí com o vizinho de cima.

    ResponderEliminar

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...