Mudam-lhe a cor, o lápis é o mesmo


(foto retirada daqui)

Estou cansada de lápis. Não cheguei a conhecer bem o lápis azul, só ouvi falar dele nas aulas de história. Já aqui na biblioteca, em pesquisas a jornais, deparei com a sua sombra "Visado pela censura". Que tristeza...

Há uns anos, a prática voltou a ser comum, mas o lápis era rosa e agora, aí está ele de novo, em versão cor-de-laranja.


O jornalista Pedro Rosa Mendes confirmou, em declarações ao PÚBLICO, ter sido informado, por telefone, que a sua próxima crónica, a emitir na quarta-feira, será a última da sua autoria. “Foi-me dito que a próxima seria a última porque a administração da casa não tinha gostado da última crónica sobre a RTP e Angola”, diz o jornalista, por telefone, a partir de Paris.“A ser verdade, esta atitude é um acto de censura pura e dura”, sustenta o jornalista, que aborda nessa crónica a emissão especial que a RTP pôs no ar na segunda-feira, 16 de Janeiro, em directo a partir de Angola. A chamada telefónica que serviu para anunciar-lhe o fim deste espaço de opinião foi feita por “um dos responsáveis da Informação” da Antena 1, continua o jornalista, que não quis especificar quem daquele departamento lhe comunicou aquela decisão.
São estes comportamentos que revelam realmente o grau de transparência e confiança que os governos nos inspiram. Quando motivados pela boa-fé, pela boa política, pela genuína intenção em dar o seu melhor, nenhum executivo perde tempo ou desperdiça energias e meios a perseguir quem o critica. Só a incompetência e a má-fé geram atitudes desta natureza. E vindas de quem tanto as repugnou no passado recente, ainda indignam mais.

A crónica em causa pode ser ouvida aqui.
           

Comentários

  1. Este senhor deve saber algo sobre isso: http://www.facebook.com/CapitaoFalcao. Ao menos criavam um instituto tipo Pide e davam emprego aos jovens. Assim como assim.....

    ResponderEliminar

Enviar um comentário