terça-feira, 12 de março de 2013

Não é um retrato muito fiel, confesso.


Dispenso a traça, não tenho alergias (excepto a gente parva) e os braços e as pernas já pararam de esticar. O sensor especial para raridades também já teve os seus dias de ouro nas bibliotecas. Hoje um bibliotecário tem de ser muito, muito mais do que isto.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Estrela da manhã

Numa qualquer manhã, um qualquer ser, vindo de qualquer pai, acorda e vai. Vai. Como se cumprisse um dever. Nas incógnitas mãos tran...