sábado, 19 de agosto de 2017

Ser ou não ser, eis a questão.

De vez em quando, lá salta uma notícia para a comunicação social. Há uma cabine telefónica, uma gaiola, um caixote transformado em mini-biblioteca, na rua.

A razão pela qual um conjunto de livros abandonados à sua sorte é notícia e o trabalho meritório desenvolvido por tantos bibliotecários por esse país fora - em projectos de literacia, de verdadeira acção social associada à leitura e ao conhecimento, de formação de leitores - passa despercebido, ou é sistematicamente ignorado, é algo que escapa ao meu entendimento.

Mas, o mais surpreendente para mim, é o fascínio de tantas pessoas por estes caixotes de livros, chamando-lhes bibliotecas. Aquilo não é uma biblioteca, nem nunca será, da mesma forma que uma máquina de venda de snacks nunca será uma pastelaria.

Para ser uma biblioteca falta algo essencial: o trabalho de mediação do bibliotecário. Temos assim em tão pouca conta aquilo que fazemos que achamos que uma caixa de livros abandonados à sua sorte no meio da rua produz o mesmo efeito?

Cabine de leitura em Campo de Ourique, patrocinada pela PT, que nunca se lembrou de patrocinar uma verdadeira biblioteca.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Sem noção

Isto das fake news está cada vez pior. Vejam bem que agora até dizem que as 3 primeiras figuras da Nação mais o presidente da CML foram...