terça-feira, 10 de abril de 2012

Opções

Acho que vou começar a pautar o meu consumo na cidade de Moura pela lista de entidades que aderiram à iniciativa dos Padrinhos de Leitura. Afinal de contas, quem nega a possibilidade, dedutível em IRS de apoiar os hábitos de leitura das nossas crianças e contribuir activamente para uma sociedade mais informada e esclarecida, continuará a merecer a minha preferência? Quando eles preferem virar as costas à leitura, legitimam a minha opção de virar as costas aos seus produtos e serviços, correcto?

Assim, sem identificar ninguém, porque seria falta de ética, há supermercados com milhões de lucros anuais e sede fiscal em países estrangeiros onde vou evitar ir. Não sou muito frequentadora de bares e restaurantes, mas quando o faço, tenciono ser selectiva. Também tenho sempre a possibilidade de ler jornais online em vez de os comprar. Em contrapartida, acabo de decidir qual é a minha farmácia preferida, o meu supermercado preferido, a minha pastelaria preferida, o dentista, a loja de informática, a companhia de seguros, etc. Também posso aconselhar quem nos visita: Compre azeite deste, prove este pão, vá dar uma voltinha de barco na barragem, volte para almoçar aqui, coisas desse género.

Ainda bem que este é um blogue pessoal onde posso dizer tudo o que me vem à cabeça. Por isso vou dizer só mais uma coisinha: A crise que anda por aí chegou para todos, mas atinge com mais força os mais frágeis. Porém, são esses que continuam a demonstrar maior generosidade e solidariedade. Quanto aos outros... passem bem.
             


Sem comentários:

Enviar um comentário

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...