domingo, 6 de novembro de 2011

A pólvora

Irritou-me este trabalho jornalístico da SIC. Quando há por esse país tantos projectos ricos, dinâmicos, inovadores, fruto de muito trabalho, imaginação e esforço de tantos técnicos e do investimento corajoso de tantas autarquias, estes destaques saídos do nada picam-me na pele.

É uma boa iniciativa? Sim, indiscutivelmente. Merece honras de destaque em horário nobre na televisão? Só depois de serem mostradas as dezenas de projectos muito mais interessantes que as bibliotecas portuguesas continuam a teimar em concretizar. E mesmo em termos de bibliotecas itinerantes, convenhamos, há mais para ver. Mas mais vale cair em graça do que ser engraçado, não é?
                             
Adenda: Não é dor de cotovelo. É mesmo armar-me em Calimero. Que injustiça, pá!

4 comentários:

  1. Pois, aquilo e assim tipo (como se diz agora) descobrir o que ja se conhece. Mas ha sempre um jornalismo tipo papalvo pronto para estas coisas...

    ResponderEliminar
  2. Não podia estar mais de acordo! Esta gente pensa que descobriu a pólvora sem mesmo quererem saber o que se faz por cá. No meu tempo de andanças jorlísticas isto nºao acontecia de certeza!

    Luís Amor

    ResponderEliminar
  3. ehehhe oh Zélia nem imaginas o que eu refilei com a Tv enquanto fazia o jantar, o meu João só perguntava...mas o que é que eles disseram mãe? ;O) lembrei que à mesma hora muitos estariam como eu..ao ler isto agora sorri..porque já me passou a irritação...o mal não é mostrarem...o mal é parecer que é algo inovador e único. Mas pronto..o mal deve ser nosso, como sempre ;O)
    Zeza (Calimera assumida)

    ResponderEliminar
  4. A ignorancia sobre o país real, daqueles que se acham no centro do mundo, impressiona quem vive no pais real...sobretudo quem vive no país profundo!!!
    MManuel Gantes

    ResponderEliminar

Estrela da manhã

Numa qualquer manhã, um qualquer ser, vindo de qualquer pai, acorda e vai. Vai. Como se cumprisse um dever. Nas incógnitas mãos tran...