quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Sobre o (não) referendo na Grécia

Provavelmente, tudo não passou de uma birra rapidamente admoestada pelos mestres-escola da Europa. Ou então, foi uma jogada indecente de um político que queria apenas salvar a pele. Ou há ainda  a remota hipótese de só virmos a perceber o que realmente se passou quando o lermos nos livros de história, porque agora, tudo se passa nos bastidores.

A nós só nos compete pagar, que é lá isso de querer dar opinião?
                               

1 comentário:

  1. Por acaso tenho pena que o referendo não se realize, seria uma excelente oportunidade para debater o próprio Euro e U.E., mas imagino que no final os gregos até votariam sim, não o fazerem seria um suicídio colectivo, pois o Dracma ficaria abaixo de lixo num dia apenas...

    ResponderEliminar

Estrela da manhã

Numa qualquer manhã, um qualquer ser, vindo de qualquer pai, acorda e vai. Vai. Como se cumprisse um dever. Nas incógnitas mãos tran...