terça-feira, 1 de outubro de 2013

Dos dias que passam

A vida dá muitas voltas, pela frente aparecem-nos novos projectos, desafios, experiências que precisamos de viver para enriquecer a nossa vida, para ter outra perspectiva, para alargar horizontes. Dias extraordinários esses, que ficam gravados na nossa história, que vincam traços da nossa personalidade, que moldam as relações que estabelecemos com os outros e com o mundo.

E depois, há os outros dias, os dias (quase) iguais, em que fazemos e vivemos a vida que escolhemos. A rotina da casa, dos filhos, do trabalho. E é nestes dias, no conforto e no aconchego dessas rotinas que confirmo a sorte que tenho pelos meus filhos, pelos meus amigos e por, de todas as profissões que poderia ter, ser bibliotecária. Gosto mesmo disto, pá!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...