quinta-feira, 24 de junho de 2010

Feriado municipal

Desde ontem o concelho de Moura vive em ambiente de festa para comemoração de mais um feriado municipal. O programa das festas era variado, mas a febre e a dor de garganta que me atacaram não me permitiram "ir a todas".

Portanto, aqui fica o registo dos momentos que escolhi:

Às onze da manhã, inaugurou-se a exposição "O nome da minha rua" baseada no trabalho de investigação do meu bom amigo José Francisco Finha para o livro com o mesmo nome que foi apresentado na última edição da Feira do Livro. A exposição está patente no Posto de Turismo, no Pátio dos Rolins.



Uma breve passagem pela Praça para assisitir à distribuição de manjericos da Junta de Freguesia de S. João Baptista e seguimos para o Arquivo Histórico para o descerramento da placa com o nome de Jão Francisco da Mouca, o homem que recolheu e organizou, peça por peça, quase todo o acervo aí existente.



Um dos momento altos deste dia é sempre, para mim, o almoço dos trabalhadores da autarquia. Tenho pena que ainda haja tantos colegas meus com vergonha, ou sei lá que outra razão os impede de participar neste almoço. É um momento de confraternização, de encontro, muito importante. Desde que entrei para a Câmara (tantos anos...) tenho participado sempre e já é com agrado que registo uma presença cada vez maior de colegas dos edifícios "cá de cima". Nos meus primeiros anos, recebi muitas vezes como resposta uma coisa desprezível do género "isso é para o pessoal das oficinas..." Tenho pena destas cabecinhas tão pequeninas, a sério! Há tanta coisa no mundo que nunca vão poder compreender...
De tarde, foi inaugurada a exposição "Imagens eloquentes: Arte europeia dos séculos XVIII-XX", patente no Museu Municipal. As peças são propriedade da Diocese de Beja, que é co-organizadora desta exposição, em conjunto com o Município de Moura.


Ao final da tarde, apresentação pública do portal do Turismo de Moura, no Espaço Internet da cidade, conhecido como Adega da Mantana. O site http://www.mouraturismo.pt/ já está online e disponível.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...