sexta-feira, 4 de junho de 2010

Heróis à moda do Alentejo


A Câmara Municipal de Moura convida todos os munícipes para o lançamento do livro HERÓIS À MODA DO ALENTEJO, que decorrerá no próximo dia 5 de Junho, pelas 21h30 na Adega da Mantana, em Moura.

A animação musical está a cargo do grupo Vá de Modas e contaremos ainda com a leitura do conto A raiz, pela voz do seu autor, o nosso conterrâneo Paulo Godinho.

— Ora já cá temos fartura de cartas com as partes escritas.

— Vamos lá ver essa murraça. Esse tem para aí escrita que nunca mais acaba.
— Estou vendo. O nome do sujêto é Luís Miguel Ricardo e a parte que ele conta chama-se… qualquer coisa dos cajados. Isto é estrangeiro. Não sei como se lê, leio como sei «Gang dos Cajados».
— Não deve ter grande piléria. Atão a gente nem sabe o que isso quer dizer!
— Vamos a outro. É uma. Chama-se Manuela Pina e escreve a história da «Maria Abuinha».
— Também não deve ter grande mistério.
— «A Raiz», da autoria de Paulo Godinho.
— Pelo aspecto, não deve valer o pêdo dum cigano.
— «Dos Fracos (não) Reza a História», escrito por Maria Morais.
— Pelo nome, deve ser uma charenga da pior espécie.
— «A Matança do… Ladeira». Esta parte é escrita pela Antónia Luísa Silva e pelo Afonso Barroso.
— Se tiveram que ser duas criaturas para dar conta do serviço, tamem não deve galar a gata.
— «Os Campaniços», da autoria de João Paulo.
— Deve ser uma bela restemenga!
— «Um Sorriso no Tempo», escrito por Carlos Viegas.
— Esse nome não dá ares a nada.
— Segue-se «O Dia em que Choveu Filhozes», da autoria de um sujêto chamado Marco Maurício.
— São só caliqueras. Vamos mas é à cata das sopas, que isto vem aí uma porrada de água.
— Calma, Jaquim! Ainda temos que ordenar as façanhas.
— Pranta-as de qualquer maneira.
— Ponho-as pela ordem em que as abrimos.
— Ah! Tá bem!

2 comentários:

  1. Foi um serão muito jêtoso ;O) os "Vá de Modas" cada vez cantam mais beim nei?
    Brevemente estará na Biblioteca o livro...não deixem de ler!
    Eu "gosti" ;O)

    ResponderEliminar
  2. Um serão muito, muito bem passado.

    ResponderEliminar

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...