sexta-feira, 4 de junho de 2010

Sai mais uma fornada de analfabetos!

Os alunos com mais de 15 anos, retidos no 8º ano de escolaridade, podem agora concluir de imediato o ensino básico. O Ministério da Educação consagrou essa possibilidade num despacho emitido em Março. Para que estes alunos não tenham de frequentar o 9º ano, vão ter de submeter-se já este mês, a uma série de exames.

Em primeiro lugar, precisam de se auto propor às provas nacionais de Português e Matemática do final do terceiro ciclo em Julho. Depois têm de fazer os exames a nível de escola em todas as disciplinas do 9º ano. Cumpridos com êxito estes dois requisitos, os alunos com mais de 15 anos, podem dar o salto do 8º para o 10º ano e ver terminado o ensino básico.

O processo, que visa basicamente eliminar das salas de aula os alunos incómodos e problemáticos,  não é obrigatório e para que se realize precisa sempre da autorização do Encarregado de Educação.

Em breve será possível obter o diploma de 12º ano demonstrando apenas que sabem fazer o pino. Quem não souber fazer, pode fazer só o desenho.


5 comentários:

  1. Acrescentaria mais - outra fornada de analfabetos e desempregados só para efeitos estatísticos quanto ao ("in") sucesso escolar. A menos que tenham as medidas certas para entrar na próxima série dos Morangos com Açucar ou empregos similares onde aquele requisito seja obrigatório. Essa coisa chamada esforço já está em desuso.

    BB

    ResponderEliminar
  2. O outro não fez o Inglês Técnico ao Domingo e por Fax?
    O Vareta não tem uma pós-graduação com uma data anterior à da conclusão da licenciatura?
    ... a onda é a mesma ... licenciaturas e pós graduações para políticos, 9º ano para a plebe ... todos devem ter oportunidade de sucesso.

    LT

    ResponderEliminar
  3. ... O Armando ...

    ResponderEliminar
  4. Ah! O tal que não sabendo de nada, afinal sabia de tudo.

    ResponderEliminar

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...