quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Perdoem-me

... se não partilho o entusiasmo que parece ter tomado conta da blogosfera pela entrevista de Passos Coelho à RTP1.

O meu recibo de vencimento continua igual, com aquele desfasamento entre o salário base e o que de facto recebo; os meus 3 filhos continuam a precisar de cadernos, livros e mais uma imensidão de material escolar que varia consoante o humor de alguns professores; eles crescem, mas a roupa não estica e ainda continuamos a precisar de pelo menos 3 refeições por dia. Pelo meio ainda há água, luz e taxas de audiovisual para pagar, despesas médicas e de farmácia, e sim, confesso, o enorme luxo de beber 2 cafés por dia.

De nada me serve que PPC não faça campanha por Jardim na Madeira, porque o partido do qual é líder continua assumidamente presente. Não era este mesmo PSD que se recusava a apoiar candidatos cuja integridade e honestidade levantasse dúvidas?

Além disso, o dinheiro já lá não está, e eu vou ter de contribuir para a sua reposição. É suposto ficar contente com o quê?
             

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...