domingo, 13 de junho de 2010

Alentejo recebe prémio da OMS pelo Programa de Intervenção Precoce

O Programa de Intervenção Precoce na Infância no Alentejo, que apoia cerca de 2.400 crianças com deficiência ou problemas de desenvolvimento e respectivas famílias, recebeu no dia 20 de Maio, em Genebra, um prémio da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Este prémio da OMS destina-se a destacar, reconhecer e valorizar "pessoas, instituições ou organizações não governamentais" com um contributo "excecional na área da Saúde". O prémio, no valor de 15 mil euros, é outorgado pela Fundação para a Saúde dos Emirados Árabes Unidos, a funcionar no âmbito da OMS.


Implementada em 2000 e já considerada, em 2006, como "exemplo de boas práticas" a nível nacional,  a Rede de Intervenção Precoce do Alentejo foi criada no âmbito do Programa Nacional de Intervenção Precoce, fruto de uma parceria entre os Ministérios da Saúde, da Educação e da Segurança Social.

O programa envolve cerca de 300 técnicos, distribuídos por um total de 42 equipas que se deslocam ao terreno, apoiadas por 38 viaturas, e presta cuidados em várias áreas: Saúde, Educação, Psicologia ou Assistência social.

A equipa de intervenção precoce de Moura, que conta com 5 técnicos especializados em diversas áreas, presta apoio nos concelhos de Moura, Serpa e Barrancos e, ao que tudo indica, será acompanhada em breve por uma equipa de reportagem que quer dar a conhecer ao país o trabalho que aqui se desenvolve. Esperemos que a comunidade venha assim a aperceber-se do trabalho meritório, dedicado, empenhado e tão vital para algumas crianças que tem sido desempenhado por estes Técnicos.

Uma nota pessoal: A Coordenadora Regional do Programa de Intervenção Precoce na Infância no Alentejo, é a Dra. Cristina Miranda, pediatra dos meus filhos desde o primeiro dia, e com muito orgulho o digo, uma grande amiga.

1 comentário:

  1. Parabéns a todos os profissionais que trabalham de forma exemplar neste projecto, em especial para a equipa do concelho de Moura. Conheço algun do trabalho que têm desenvolvido aqui na EBI de Amareleja e acho que este reconhecimento é mais que merecido.

    ResponderEliminar