domingo, 27 de junho de 2010

Assembleia Municipal # 7 - 25 de Junho de 2010

A sessão iniciou-se pouco depois das 21h00, com a ausência dos elementos do PSD. Foi submetida à apreciação a acta da sessão anterior da Assembleia, tendo sido aprovada com 20 votos a favor e 6 abstenções.


O PS apresentou uma moção de louvor a José Saramago (aprovada com 20 votos a favor e 1 abstenção) e uma tomada de posição sobre o anunciado encerramento das Escolas de 1º ciclo do Ensino Básico, mais concretamente, da EB1 de Santo Amador.

Interveio o Sr. João Ramos (CDU) para informar que a bancada a que pertence também tinha uma moção sobre o assunto pelo que propunha a análise das duas moções em simultâneo.

A Sra. Helena Romana (CDU, JF Santo Amador) apresentou então a moção, em que se apontavam dados concretos sobre a situação da Escola de Santo Amador e dos equipamentos que comporta, e se protestava contra o encerramento das escolas proposto pelo poder central, pelo grave prejuízo que causava às populações.

O Sr. Presidente da Assembleia propôs que se escolhesse e votasse apenas uma proposta, por referirem o mesmo assunto.

O Sr. João Gomes (PS) manifestou o seu desacordo, uma vez que as moções não eram iguais. Enquanto a moção da PS se referia apenas à Escola de Santo Amador, a moção da CDU pretendia um protesto pelo encerramento generalizado das escolas. O PS entende não ter nada a ver com o que se passa nos outros concelhos, nem com a constituição de Mega Agrupamentos, uma vez que essa realidade não está para já presente.

Nessa altura, informei o Sr. João Gomes da hipótese em discussão e possível implementação já no próximo ano lectivo, do modelo de Mega Agrupamento no concelho de Moura, conforme me havia sido indicado nessa mesma manhã na Escola EB2,3 de Moura. Assim sendo, tratava-se de uma realidade que já está à nossa porta.

A Sra. Céu Rato (CDU) acrescentou ainda que, estando a Escola EB1 de Santo Amador incluída num Agrupamento, não nos podemos preocupar apenas com esta escola, devendo ter uma perspectiva mais abrangente, considerando inclusive os custos suplementares inerentes, não só financeiros, mas também a nível do impacto que esta alteração terá na vida das crianças.

O Sr. João Ramos (CDU) concordou com o facto de as moções não serem iguais, manifestando a sua opinião de que a proposta do PS não tem a profundidade e não toca em pontos essenciais, como acontece na moção da CDU.

O PS pediu um intervalo de 5 minutos para discutir o assunto, após o qual o Sr. João Gomes (PS) manifestou a vontade da bancada em votar as propostas em separado. Com o acordo da Mesa, realizou-se a votação.

A moção apresentada pelo PS foi aprovada com 17 votos a favor e 10 abstenções.

A moção apresentada pela CDU foi aprovada com 21 votos a favor e 6 abstenções.

Foram apresentadas as seguintes declarações de voto:

Sr. Francisco Farinho (CDU): Votou favoravelmente as duas moções porque considera tão importante o encerramento de uma escola como o encerramento de todas.

Sr. Rui Almeida (PSD, JF Póvoa de S. Miguel): Absteve-se em ambas as moções por ter chegado nesse momento à sessão e não ter conhecimento do teor das moções e do debate daí decorrente.

Sra. Helena Romana (CDU, JF Santo Amador): Absteve-se na moção apresentada pelo PS porque considerava que não podemos olhar apenas para a nossa realidade.

A Sra. Isabel Migas (CDU) reforçou a ideia, acrescentando que a questão não pode ser olhada isoladamente e que tem consequências sociais gravíssimas.

O Sr. António Gonçalves (Ind., JF Amareleja) sublinhou a necessidade de mobilizar as pessoas e protestar na rua, acrescentando que “isto com moções não dá nada”.

Em seguida, o Sr. Álvaro Azedo (PS, JF Santo Agostinho) chamou a atenção da Assembleia para o elevado consumo de papel que o envio da documentação aos seus membros implicava e propôs que o envio dos documentos passe a ser feito electronicamente, via e-mail, e se possível, em suporte PDF.

Eu (CDU) manifestei o meu acordo com a proposta, com a salvaguarda de ser dada a possibilidade aos membros que assim o entendam, de continuar a receber a documentação em papel, uma vez que certamente haveria membros que não dispunham do equipamento necessário à leitura dos documentos, ou que não teriam apetência ou interesse suficiente pelas novas tecnologias para o fazer.

O Sr. Presidente da Assembleia manifestou também o seu acordo e informou que, caso a proposta fosse aprovada, o assunto seria trabalhado entre a Mesa e os serviços da Autarquia.

A proposta foi submetida à votação e aprovada por unanimidade.

Foi em seguida apresentada pela bancada da CDU uma proposta sobre o PEC e as políticas lesivas dos interessas da população.

O PS pediu alguns minutos para discutir e em seguida o Sr. João Gomes colocou algumas questões, designadamente sobre a forma como se iria concretizar a linha de esclarecimento à população e quem iria desenvolver o conjunto de acções e iniciativas que pretendiam dar expressão ao protesto das autarquias e das populações. Manifestou ainda o seu desacordo pelo parágrafo em que se propõe que seja manifestada solidariedade com os trabalhadores e populações atingidos nos seus direitos, no emprego, nos serviços públicos e direitos sociais, uma vez que considerava que o Governo tem respeitado esses direitos.

A Sra. Teresa Carvalho (CDU) também concordou com a necessidade de se concretizarem mais as iniciativas a tomar.

O Sr. João Ramos (CDU) considerou que a proposta era suficientemente objectiva e relembrou que a Assembleia é um órgão deliberativo e não executivo.

O Sr. Presidente da Assembleia explicou que tipo de iniciativas podem ser desenvolvidas pelo Órgão, como por exemplo a realização de uma Sessão extraordinária.

O Sr. João Gomes (PS) pediu então que essa indicação constasse da moção.

O Sr. Manuel Bravo (CDU) expressou o seu desacordo e acrescentou que, apesar de a crise se arrastar há anos com graves consequências para as famílias, continua a crescer por outro lado, o número de milionários, como tem sido notícia nos últimos dias na comunicação social, o que significa que a crise não é para todos. Manifestou ainda o seu desacordo e protesto pela afirmação do Sr. João Gomes em que era dito que os trabalhadores têm sido respeitados e chamou a atenção para o que se tem verificado na função pública. Chamou ainda a atenção para a situação insustentável nas autarquias, com a redução dos funcionários e o sistema implementado de “saem dois, entra um”. Relembrou que só o Ministro das Finanças tem a prerrogativa de autorizar excepções a este regime, o que revela uma concentração de poder inaceitável e só vista no período do Estado Novo.

A Sra. Teresa Carvalho (CDU) também concordou com a intervenção do Sr. Manuel Bravo mas reforçou a necessidade de concretizar ideias de forma a manifestar o repúdio veemente perante a situação de crise que se vive, e da qual todos estamos conscientes.

A bancada da CDU pediu intervalo para proceder a algumas alterações de concretização e submeteu a moção novamente a apreciação, já com as alterações introduzidas.

Foi aprovada com 17 votos a favor e 10 abstenções.

O Sr. João Ramos (CDU) apresentou em seguida uma moção propondo uma tomada de posição face à decisão de não abertura do Serviço de Urgência Básica e a possibilidade de desactivação da ambulância de Suporte Imediato de Vida de Moura.

O Sr. Garrido (PS) pediu para se ausentar da sala durante a discussão deste ponto por estar profissionalmente ligado aos serviços de saúde.

A moção foi aprovada por unanimidade dos presentes.

Às 22h43 terminou o período de antes da Ordem de Trabalhos e iniciou-se a discussão dos pontos previstos.

1. Fiscalização dos actos da Câmara

A Sra. Sandra Santana (PS) questionou a Câmara com o objectivo de saber em que medida se está a proceder ao pagamento aos fornecedores e redução das despesas correntes, atendendo à crise e à situação financeira das pequenas e médias empresas.

A Sra. Maria Fialho (PS) perguntou em quanto foi o orçamento da Câmara de Moura reduzido pela aplicação do PEC.

O Sr. Lérias (PS) congratulou-se por estar de volta à Assembleia Municipal e perguntou se existe regulamento do Espaço Sheherazade.

O Sr. António Gonçalves (Ind., JF Amareleja), chamou a atenção para o valor inscrito nas dívidas às Juntas de Freguesia, uma vez que considerava que só o valor devido à Amareleja era o dobro do valor ali apresentado.

O Sr. João Dinis (PS, JF Sobral da Adiça) pediu informações sobre o ponto da situação relativamente ao lançamento do concurso das obras da Ribeira da Perna Seca. Secundou ainda a questão colocada pelo Presidente da Junta de Freguesia de Amareleja, acrescentando que as Juntas têm alguns meses de atraso nas transferências de capital.

O Sr. Presidente da Câmara esclareceu as questões colocadas. No que concerne à situação de crise e aos pagamentos a fornecedores, informou estar a ser feita a avaliação para responder da melhor forma à situação.

Relativamente ao valor que será recebido a menos devido ao PEC, informou ser de cerca de 395 mil euros, o que obrigará a algumas medidas e à consideração de algumas acções (não serão assumidos novos compromissos a questões que sejam colocadas este ano e serão apenas garantidos os compromissos já assumidos). Acrescentou que estão em avaliação várias medidas de redução da despesa. Por outro lado, estão a ser colocados como prioritários projectos com comparticipação de fundos comunitários ou com financiamento bancário já garantido, uma vez que a dívida no final do ano não pode ser superior ao valor inicial. Felizmente, o empréstimo aprovado por esta Assembleia já obteve visto do Tribunal de Contas, o que permite que as obras da Ribeira da Perna Seca não sejam colocadas em risco.

No que diz respeito ao Espaço Sheherazade, ainda não tem regulamento, mas está em elaboração.

Sobre o valor inscrito nas dívidas às Juntas de Freguesia, corresponde apenas ao valor lançado na Contabilidade até àquela data.

2. Proposta de Plano de Pormenor da Unidade de Planeamento (UP1) de Santo Amador

A Sra. Helena Romana (CDU, JF Santo Amador) louvou a atitude da Câmara Municipal em manter a UP1 de Santo Amador, especialmente considerando o ambiente que se vive de encerramento de empresas e até de escolas. Acrescentou que a opinião pública muitas vezes é crítica e responsabiliza a autarquia pela desertificação, quando a situação é precisamente a inversa como prova este plano da UP 1 de Santo Amador.

Não havendo mais questões, o Sr. Presidente da Câmara informou que a autarquia está a trabalhar para promover várias iniciativas que contribuirão para o desenvolvimento do concelho.

Aprovado por unanimidade

3. Regulamento de Utilização do Parque Municipal de Feiras e Exposições do Concelho de Moura

A Sra. Maria Fialho (PS) propôs o reescalonamento das prioridades na cedência de espaço, pois em seu entender, as IPSS deveriam ter prioridade sobre as escolas e as Comissões de Festas.

Eu questionei sobre a existência de um regulamento para a utilização das tasquinhas e, em caso afirmativo, porque razão não eram aplicadas as penalizações para as entidades que não o cumprem.

A CDU pediu tempo para discutir a proposta, após o qual o Sr. João Ramos manifestou entender que a proposta da Câmara deve ser analisada pela Assembleia, que deve concordar ou não mas sem introduzir alterações. Além disso, a proposta de Regulamento foi aprovada por unanimidade em reunião de Câmara, pelo que considerava não haver interesse maior em introduzir a alteração.

A Sra. Maria Fialho (PS) retirou a sua proposta de alteração, considerando que a questão não era relevante, até porque sabe que a câmara cederá sempre o espaço, desde que esteja disponível a quem o solicitar.

Aprovado por unanimidade.

Foi lida e aprovada a minuta da sessão.

14 comentários:

  1. ... ZP, muito obrigado pela súmula.
    O Regulamento de Utilização do Parque Municipal de Feiras e Exposições do Concelho de Moura está disponível on-line ???
    ... se estiver, diga-me pois tenho alguma curiosidade, assim como no da Sherazade ...

    LT

    obs) não sei se li bem ... excepto o Presidente de Junta da Póvoa, do PSD não apareceu ninguém ???

    tss tsss " i will be back " li num blog há uns meses atrás ... tsss tsss

    ResponderEliminar
  2. Sra. Helena Romana (CDU, JF Santo Amador): Absteve-se na moção apresentada pelo PS porque considerava que não podemos olhar apenas para a nossa realidade.

    é triste quando só se olha para a cor politica., quando a nossa presidente não vota na moção proposta pelo ps por quasa do encerramento da escola de Santo Amador... os outros presidentes que se preocupem com as escolas dos seus concelhos. cada um tem que se preocupar e defender os seus interesses e quando ha crianças envolvidas ainda mais.


    Célia

    ResponderEliminar
  3. Célia
    Com o devido respeito pela tua opinião, talvez estejas a ser injusta. Eu sou testemunha do esforço que tem sido desenvolvido por todos os envolvidos para que a Escola não feche. Até eu tenho dado um modestíssimo contributo, através da nossa participação na Rede de Bibliotecas Escolares. A Helena tem feito tudo o que está ao seu alcance, e apresentou uma moção nesse sentido, com dados concretos sobre a realidade de Santo Amador e a utilização da Escola e do Pólo da Biblioteca. Mas foi mais longe do que o simples protesto apresentado na moção do PS. Indignou-se perante uma medida cega e meramente economicista, que só prejudica as crianças, como tu dizes. Eu não me importo nada de ter a solidariedade de outros autarcas para evitar que a nossa escola seja encerrada, e não percebo onde é que está o mal em reivindicar que a medida proposta, com a qual ninguém concorda, seja revogada. Não serás tu quem está a ligar apenas à cor política?

    Beijinhos
    Zélia

    ResponderEliminar
  4. É a minha opinião,e como eu ha muita gente a pensar o mesmo, e também não disse que que Lena não tem feito nada para que a escola não feche, eu só acho que devia ter votado a favor.Eu não ligo á cor politica, pode kerer que não.
    Eu também não me importo de ter as solidariedade dos outros autarcas, acho que é importante.
    Tão simples quanto isso votava nas duas a favor.


    Célia

    ResponderEliminar
  5. Quer dizer a Helena Romana só votou numa, e a outra que fala só da Escola de Santo Amador não é importante, não é normal... acho eu.


    Aldeão 2

    ResponderEliminar
  6. mas então, pela mesma ordem de ideias, porque é que os eleitos do PS se abstiveram de votar a moção da CDU?

    Só porque era da CDU as crianças já não tinham importância?

    E porque é que, no interesse das crianças, não retiraram a moção deles, uma vez que pelos vistos, a moção da CDU era mais completa e não aprovaram a outra por unanimidade?

    Tinha outro peso.

    Se calhar o problema aqui é mesmo a cor política em vez de ser o bem-estar das nossas crianças.

    ResponderEliminar
  7. O Sr. Francisco Farinho foi o mais coerente e a sua experiência de vida, permitiu-lhe despir a camisola política e ter a lucidez que havia necessidade de união na defesa de uma escola.

    Mas este tipo de pessoas são cada vez mais difíceis de encontrar na política, tanto no PCP e PS local e numa análise/avaliação que eu faço as estruturas locais dos partidos reparo que há um incentivo ao ódio por aqueles que não se integram os seus partidos.

    ResponderEliminar
  8. O problema é mesmo a Questão politica!
    Encerrar escolas é uma decisão politica de um determinado partido..e mesmo por isso aos membros desse partido custa admitir que estão contra. Neste caso ninguém é ingénuo, e sabemos muito que que a moção do PS na Assembleia só aparece porque tiveram conhecimento da apresentada na Câmara (pela CDU) aprovada por unanimidade, para não engolirem o sapo a seco resolveram fazer outra Moção e evitar assim debater a questão de uma forma clara, isto é, debater a a questão concreta do encerramento das escolas. Um politico que diga que está na politica só e apenas para defender os interesses da sua terra é pura demagogia (sabemos que isso é o que caí bem a muitos, que desconhecendo concretamente as diferentes posições dos partidos estão cada vez mais descontentes e consideram os políticos todos iguais).
    Há coisas que não fazem sentido fora do contexto, talvez se vissem e ouvissem as discussões das Moções entenderiam melhor as posições tomadas.

    Ass: A que não é sócia..ainda.

    ResponderEliminar
  9. Célia quem te manda meter com politicos a sério?

    eles têm sempre razão...

    ResponderEliminar
  10. Como dizia o outro não queiram ver fantasmas onde eles não existem...
    Se a Moção do PS só apareçe para não engolirem o sapo a seco , isso já não sei e não me interessa, falam as duas na Escola de Santo Amador, por isso na minha opinião votava-se nas duas.

    Célia Almeida

    ResponderEliminar
  11. O problema não é a cor politica , nem uma questão politica, aqui neste caso é uma imbirração politica, a moção não foi apresentada pelo meu partido e não voto, pronto.Mesmo que a moção seja por causa da Escola de Santo Amador. Se fosse outra pessoa a não votar eu até percebia, agora a Presidente da Junta de Santo Amador, não percebo.

    Ass: A quem não é sócio ainda e nunca irá ser...

    ResponderEliminar
  12. Se foram as duas moções a voto, na minha opinião ficava bem a Sra. Helena Romana, ter votado a favor nas duas , mesmo que uma fosse mais completa, e falasse de todas as escolas.

    ASS: Santo Amador para sempre

    ResponderEliminar
  13. Encerrar escolas é uma decisão do actual governo, é verdade e isso toda a gente sabe, mas que fica mal a Sra. Presidente de Santo Amador não votar na moção do PS , fica.

    ResponderEliminar
  14. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar