segunda-feira, 19 de abril de 2010

Feira do Livro

Daqui a pouco mais de um dia, a Feira do Livro estará a abrir as suas portas. Para o grupo de pessoas que trabalha na Biblioteca, é o momento mais importante do ano e tentamos criar durante a Feira, o ambiente de festa que gostaríamos de ter na Biblioteca todos os dias. Um dia, quando as novas instalações estiverem prontas e em actividade, e o espaço não for uma condicionante, é assim que a imaginamos: Gente a entrar e a sair, os livros a circularem de mão em mão, a cultura acessível a todos, nas suas mais diversas formas: a música, a dança, o teatro, a poesia, as artes plásticas, a escrita... Um local de convívio, de partilha de saberes, de comunhão de experiências.

Sendo o resultado de uma aposta forte da Câmara Municipal na Cultura em geral e na promoção da Leitura em particular, a Feira do Livro conseguiu trilhar caminho e afirmar-se como um momento importante da vida da cidade e do concelho. Para isso contribuiu sobretudo a participação activa e empenhada das pessoas nas actividades da Feira. É certo que é para as pessoas que trabalhamos, mas depende delas, e da reacção perante as propostas apresentadas, o sucesso ou insucesso das iniciativas. E aqui, o resultado é excepcional.

A média de vendas tem ultrapassado nos últimos anos a barreira dos 20 mil euros sem esforço, fruto da visita de vários milhares de pessoas ao longo dos dias de feira. A assistência aos espectáculos e o grau de exigência têm vindo a subir ano após ano, e com eles a nossa responsabilidade em corresponder às solicitações do público, não defraudando as suas expectativas. As visitas das escolas, que correspondem a 100% dos alunos de Jardim-de-Infância e 1º ciclo de todo o concelho, animam os nossos dias e desmentem a perspectiva sempre pessimista de que os miúdos não lêem e não se interessam pelos livros. Nos últimos anos, temos registado também uma participação cada vez mais activa dos alunos de 2º e 3º ciclos e do ensino secundário e profissionalizante, o que muito nos apraz.

Pessoalmente, este é um momento muito especial. São várias semanas sem descanso, numa pressão incrível, mas ainda hoje, quando a tenda ficou pronta e voltei a percorrê-la, todo o esforço que os vários sectores da Câmara têm desenvolvido nas últimas semanas fez sentido. Onde hoje havia silêncio e vazio, a partir de amanhã chegará a azáfama e a alegria. É impossível não nos deixarmos contagiar pelo ambiente, pelo cheiro, pelo  barulho, pelo movimento. É Primavera e é Abril. A Feira do Livro está aí, outra vez, e à nossa frente estão doze dias de trabalho com a melhor equipa do mundo (e arredores), para o melhor público do mundo. Apareçam. Sem vocês, nada faria sentido.

O sonho teve a sua carta de alforria
e de mãos dadas com a vontade
constituíram o exército dos livros,
rumo ao alevantamento.

Quebraram a amarra,
escalaram a montanha,
derrubaram a barreira
Fizeram do sonho, uma Feira!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...