sábado, 3 de abril de 2010

Stromp

- Zélia? É a Ana Paula.
- Olá, tudo bem?
- Não queres um cão?
- Eu?
- Sim, encontrei-o hoje de manhã. É tão fofinho, muito calmo, vais gostar.
- Ai Ana, eu não sei, tenho de perguntar aos miúdos...
- Olha, eu vou aí levá-lo para vocês verem. Não vão resistir.

E pronto. Dois votos a favor, um voto contra e uma abstenção. Chegou o Stromp.



Fundador eclético, e jogador de magníficos recursos, Francisco Stromp, foi o primeiro grande capitão e treinador de futebol do Sporting Clube de Portugal. Nascido em 1892, é perpetuamente o sócio nº. 3, número que possuía quando faleceu, em 1930.



Respeitado por companheiros e adversários, atleta de eleição, Stromp comandou a equipa campeã de Portugal em 1923, marcando o primeiro golo da final. Também se sagrou campeão nacional do disco. Foi duas vezes vice-presidente do Sporting.

As palavras que proferiu após a vitória do Campeonato de Lisboa em 1923, definem bem o espírito do Sporting:

“Ganhámos o Campeonato de Lisboa sem contestação dos nossos adversários e, até, com aplausos de todos eles. É isto um dos mais saborosos frutos do nosso trabalho. Ainda não chegámos ao fim. Agora vamos disputar o Campeonato de Portugal. Pretendemos ganhá-lo da mesma forma, sem contestação. A nossa vitória no Campeonato de Lisboa não se deve ao valor individual dos componentes da nossa equipa. Deve-se principalmente à correcção que todos soubemos manter em todos os jogos que fizemos, à assiduidade aos treinos que todos compreenderam serem necessários para vencer e à disciplina que me orgulho de ter sabido manter, não usando outros meios que não fossem a evocação da amizade que por todos tenho e aquela que todos temos pelo Sporting Clube de Portugal. Confio novamente na vontade de todos para poder triunfar. Continuaremos a trabalhar sem um desfalecimento."


Equipamento Stromp



Entretanto, fomos com o Stromp à veterinária. Descobrimos lá uma cadelinha abandonada pelos donos. Chama-se Ruby. Se alguém souber a quem pertence, ou quiser adoptá-la, aqui fica a sua fotografia:

3 comentários:

  1. ZP,
    O meu testemunho é suspeito porque desde que me conheço, sempre tive uma afinidade muito grande com animais - aos que, por desconhecimento, alguns chamam de irracionais! É uma "prenda" de responsabilidade mas também de aprendizagem...Aprendemos que existem diversas formas de inteligência; que somos batidos em pontos por muitas das suas capacidades(há animais que conseguem comunicar por sons inaudíveis ao ouvido humano a km de distância, por ex.); aprendemos, enfim, o verdadeiro significado das palavras amizade, fidelidade e solidariedade. A Ruby seria um desafio interessante para quem ainda tem dúvidas.

    «Se houver, como dizem que há, um Céu dos Cães, é lá que quero ter assento, a ver a luz a minguar no horizonte, com a sua palidez de crepúsculo num retrato da infância.
    Hei-de então bater à porta e pedir para entrar, e sei que eles virão, contentes e leves, receber-me como se o tempo tivesse ficado quieto nos relógios e houvesse apenas lugar para a ternura, carícia lenta a afagar o pêlo molhado pela chuva.
    Então poderemos voltar a falar de felicidade e de mim não me importarei que digam: teve vida de cão, por amor aos cães. »
    (José Jorge Letria, Amados Cães) - Comprado na Feira do Livro de 2008 :)

    Deixo ainda um vídeo interessante. É um erro substimar os animais. Os Leões voltam a perder mas, neste caso, acho que até os Sportinguistas torcem pela outra equipa. :)

    http://www.youtube.com/watch?v=LU8DDYz68kM

    Bom fim-de-semana.

    ResponderEliminar
  2. Gostei das declarações do Stromp...
    O nome foi bem escolhido. Admito.

    ResponderEliminar

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...