domingo, 2 de maio de 2010

Mais Feira

Não há cansaço, não há desgaste, não há desânimo que resista a uma sala cheia de gente que aplaude de pé, emocionada, um belíssimo espectáculo. Foi o que aconteceu ontem à noite no Cine-Teatro Caridade, no concerto de Pedro Barroso. Extraordinário!

Hoje, a Feira chega ao fim. À tarde haverá Teatro Infantil no Cine-Teatro Caridade: O Abecedário Mágico conta a história do Zeca, um menino que não quer ir à escola porque acha que as letras não lhe fazem falta nenhuma. A peça, criada por Isabel Campelo e João Didelet, é especialmente concebida para alunos de primeiro ciclo e últimos anos do Jardim de Infância.

Há um ano, quando o espectáculo de José Pedro Gomes e António Feio não se pôde concretizar por questões de saúde conhecidas de todos, convidámos o "Trio Eléctrico", para dar um espectáculo na feira e salvar a noite. O Trio passou a Quarteto precisamente nesse dia 1 de Maio, com a integração da Inês Gonçalves. É por isso com muito gosto que encerramos esta Feira do Livro com o seu espectáculo, hoje, às 21h30 no espaço da Feira

10 comentários:

  1. Também é muito fácil encher o cine-teatro. É bom para não se correr riscos... e o camarada até lhe dá jeito que alguém ainda se lembre dele.Sinceramente ...como é fácil ser feliz em Moura.

    ResponderEliminar
  2. No bar da Feira do Livro também há Água de Castello. E eu moro perto, posso ir a casa buscar um Kompensan.

    ResponderEliminar
  3. Não é difícil encher o Cine-teatro, difícil é como eu assisti ontem, todas as pessoas estarem rendidas à qualidade do espectáculo. A qualidade do espectáculo não se mede pelo número de pessoas que assistem, o mas sim pelo que ele foi na realidade, ou o impacto positivo que teve em quem assistiu, e o de ontem, tal como todos nesta Feira, tem agradado a todos os que têm tido o privilégio de assistir. O Pedro Barroso não está nos cânones da intelectualidade, em que se insere este anónimo, mas para além de ser um excelente profissional, pôs todos a aplaudir incessantemente, de pé, durante largos minutos, conquistou a plateia e fê-lo sem snobismos.
    Quanto à Feira que termina hoje, faz jus à condição de uma das melhores do País, uma programação cultural de qualidade, recorde de venda de Livros, mesmo em tempo de crise, um projecto inovador e que caiu bem “Padrinhos de Leitura”. Todos estão de parabéns, Biblioteca, Câmara, Ludoteca e o magnífico Povo de Moura, que se orgulha da sua grande Feira do Livro, Abril é mês de Feira.
    Obrigado e até para o ano, e ao intelectuais que vão ao CCB

    ResponderEliminar
  4. A felicidade não se mede,não se pesa, não se calcula, apenas se sente, e em Moura também sabemos senti-la como em qualquer outro lado... «por isso seja feliz faça alguem feliz» admire a arte dos que verdadeiramente nos relembram a nossa história e compreenderá porque somos felizes com tão pouco...

    ResponderEliminar
  5. Realmente é, é fácil ser feliz em Moura como em qualquer parte do país.
    O ser feliz depende muito de nós mesmos, das nossas escolhas, opções de vida e da maneira como sabemos ou não aproveitar a mesma.
    E como a felicidade são momentos...ontem muitos de nós fomos felizes...
    Como é fácil Não se ser feliz em Moura...ou em qualquer outro lugar!...lamentavelmente, até acho que enchíamos 2 vezes o cine-teatro de gente infeliz...e até pagariam bilhete, sei lá...acho!

    zeza

    ResponderEliminar
  6. Sinceramente...como é fácil ser feliz em Moura ou em qualquer parte do mundo desde que estejamos bem com aquilo que somos e com as escolhas que fazemos.
    ZP, os grandes artistas são esses - não precisam ser levados ao colo, não precisam da crítica favorável fácil, das palmadinhas nas costas ou de construir ou descontruir aquilo que são ou o que não são.
    Há uma frase do Oscar Wilde que diz: "A cada bela impressão que causamos, conquistamos um inimigo. Para ser popular é indispensável ser medíocre..."
    Como a qualidade não é nenhum concurso de popularidade e muito menos subsiste das efémeras luzes da ribalta espero que, no próximo ano, a Feira do Livro continue a primar pelo conteúdo e pela capacidade de trazer espectáculos e artistas que, embora esquecidos por razões de vária ordem, continuam permanentemente a surpreender pelo seu talento e profissionalismo.
    Parabéns a toda a organização da Feira e à CMM.

    RS

    ResponderEliminar
  7. ... pensei que o comentário da Açucar Amarelo fosse para mim, mas reparei na hora em que foi feito e afinal foi muito antes da minha ligeira azia ... rssss

    ... sobre a feira, concordo com o comentário da anónima das 20:17, só não concordo com o último parágrafo, pois isso obrigar-me-ia a ter que me deslocar a Lisboa ...

    Parabéns à organização e aos colaboradores.

    LT

    ResponderEliminar
  8. Fim de Feira do Livro. Entra-se num deserto cultural de quase um ano. Parafraseando o Poeta, com um pequena alteração “Sempre que um homem lê, o mundo pula e avança, como bola colorida, nas mãos de uma criança” Uma sugestão para a próxima Feira, concordo plenamente que seja na excelente Praça Sacadura Cabral, mas já agora que ocupe a via toda, ficaria mais ampla, e com espaço para mais actividades e pequenos espaços de lazer. Seria uma autêntica Avenida da Cultura, as pedras da calçada a respirarem literatura e cultura e lazer e encontros e tertúlias, entre uma bica e um livro, poderia albergar exposições e tudo com o que a imaginação da organização nos quisesse brindar.
    Além da segurança de crianças, idosos e todos os que frequentam a Feira. Magnífica, é o que me apraz dizer em relação a este evento, consegue-nos surpreender todos os anos, mesmo quando pensamos já não ser possível. Já agora espero curioso pelos números oficiais, acerca do nº de livros vendidos e do total de dinheiro apurado. Aquele grupo de excelência que organiza, à Câmara Municipal de Moura que apoia, uma palavra PARABÉNS, e a Câmara que invista ainda mais, é dos poucos investimentos na Cultura que tem retorno, não vejo, oiço, ou encontro ninguém que não goste e que admire esta iniciativa, mesmo os Velhos do Restelo, e os do contra. Faz de facto a unanimidade. Comecem já a preparara a 31ª.
    Sofia

    ResponderEliminar
  9. Concordo Com a Sofia, criemos ainda melhores condições, para a Feira dar o grande salto, e derrubar barreiras e guindar-se no patamar que merece, ao nível das melhores. E a Comunicação Social Local... meu Deus, Deus os perdoe, que eles não sabem o que fazem.
    Carece esta Feira de ter maior e melhor divulgação. As Freguesias Rurais têm de estar presentes, isto é um evento do Concelho, os Professores, artistas, gentes da cultura, gente simples, venham mais, todos se possível para o Ano

    ResponderEliminar
  10. Zélia, uma sugestão...que tal começares a públicar também as restantes actividades culturais que existem ate final de do ano?
    Lembrei-me de ir ver o nº de visitas à exposição que tem estado patente na Igreja do Castelo...enfim teremos que a colocar na praça talvez...
    Zeza

    ResponderEliminar