A primeira de muitas


Desde o dia 23 de julho que a Biblioteca Municipal de Tomar deixou de disponibilizar aos seus leitores os jornais diários e revistas que eram consultados na zona dos periódicos.O corte tem como argumento a Lei dos Compromissos, que não permite a compra de qualquer produto se a autarquia não tiver dinheiro “em caixa”.Já estão a ser recolhidas assinaturas para que, pelo menos, sejam mantidos dois jornais diários e um semanário.
Quando as instituições que deveriam ser sagradas funcionam segundo a Lei do Improviso; Quando as bibliotecas que são pilares fundamentais da democracia, da igualdade de acesso à informação, ao conhecimento e ao lazer deixam de ser prioridade; Quando se usam chavões como "fazer parte da solução em vez de fazer parte do problema" para fingir que não existem problemas por resolver; Quando médias e quotas têm mais valor do que pessoas e vidas; Quando ser medíocre calado tem mais valor do que ter voz e espírito crítico; Quando tentar ser melhor e fazer melhor é um incómodo; Quando a informação se torna um perigo; Quando a liberdade é pesada numa balança pela medida do dinheiro, é tempo de levantarmos a voz e mostrar que somos mais do que números. Somos cidadãos livres e dignos, e queremos continuar a sê-lo.

Esta é a mesma autarquia que gastou 26 463 euros nos últimos seis anos só com a conta de telemóvel do Sr. Miguel Relvas. Já aqui eu pensava na quantidade de livros que poderia comprar com este dinheiro. Afinal, a realidade consegue ser pior do que a minha pior imaginação. Não há vergonha, não há dignidade, começa a estar em causa a liberdade.



Comentários