quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Um instante

A minha vizinha da frente tinha uma cadelinha há 12 anos. Morreu esta manhã, porque um estafermo que conduzia a uma velocidade inaceitável numa rua estreita, praticamente sem passeios e cheia de carros que não deveriam estar ali estacionados lhe passou por cima e nem sequer parou para olhar para trás.

Há vários recados neste parágrafo. Eu já levei o meu. Há mais alguém capaz de pôr a mão na consciência ou a culpa é sempre dos outros?


1 comentário:

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...