Cultura a sério II

O Coro de Câmara de Beja celebra 30 anos e assinalou a data com a 23ª edição do Encontro de Coros de Beja, no Cine-Teatro Pax Júlia.

Este Coro, de elevada qualidade, esteve presente na Feira do Livro de Moura no dia 5 de Maio. O espectáculo, com entrada grátis, não foi no entanto suficiente para cativar a atenção de todos aqueles que habitualmente se apresentam como grandes apreciadores de música, de canto e da cultura em geral.

É difícil competir com as novelas da TVI, eu compreendo...

Comentários

  1. O espectáculo não foi grátis, apenas as entradas, o que coloca em causa muita da política cultural que por cá se vai fazendo. Deveremos continuar? Não? Isto permite uma ponderação e uma discussão, que se querem alargadas, desde logo aos beneficiários que não beneficiam, a população... Mas será que se a CMB, que presumo, financiará o coro, terminar com os apoios, a população que agora pelos vistos não vai assistir, protestará? Ou nem daria pela sua falta? Reflexões que deixo, pois estou geograficamente longe para emitir opinião...

    ResponderEliminar
  2. António, eu escrevi "com entrada grátis". Mas por acaso até foi mesmo grátis, o Coro manifestou todo o interesse em vir cantar a Moura e não cobrou um cêntimo pelo espectáculo... Só desta forma se consegue ter um programa de actividades para 17 dias dentro do orçamento que se mantém desde há 6 ou 7 anos a esta parte.

    Relativamente à tua reflexão, que me acompanha há algumas semanas, provavelmente a população nem daria pela falta deste ou de outros grupos que lutam diariamente em defesa da cultura. O curioso é que aqueles que não aparecem a iniciativas de âmbito cultural que exigem um corajoso investimento por parte das autarquias locais e outros organismos públicos, são os primeiros a levantar a voz para dizer que não se faz nada de jeito...

    A este propósito, vou contar só um pequeno episódio: No último dia de feira, uma senhora veio ao balcão levantar um bilhete para um espectáculo, que já estava esgotado e já tinha começado havia cerca de meia hora. Quando lhe expliquei, reclamou em voz alta, dizendo "Uma vez que há um espectáculo na nossa terra e com entrada grátis, não me deixam entrar!!"

    Ora, depois de 17 dias de actividades contínuas com entradas grátis, e decorrida meia hora sobre o início daquele espectáculo, nem vou contar o que me apeteceu fazer. Mas lá engoli em seco e expliquei à senhora que tinha perdido muitas e excelentes oportunidades de assistir a bons espectáculos, e que entrar depois de decorrida meia hora, era no mínimo, uma falta de respeito pelo grupo que estava a actuar.

    Como é que se chega à população? Não sei, mas apetece-me muito desistir...

    ResponderEliminar
  3. Nem penses! ;O)
    Esta reflexão tem que ser feita, mas não me passa pela cabeça desistir...tenho uma muito boa para te contar ;O)
    Zeza

    ResponderEliminar

Enviar um comentário