sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Há dias assim.

Olho para trás e vejo-os. Estão ali, apenas à espera de um sinal para virem em meu auxílio. Não sei se estou à altura da dedicação que me prestam. Sinto-me subitamente muito pequena, mas sei que quando chegar a hora, estarei bem alto, porque eles me elevam sobre os seus ombros.

A todos os que sabem quem são, mais uma vez, obrigada. Oxalá nunca precise de retribuir, mas se precisarem de mim, cá estarei.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...