Ex-DGLB

Antes do fim do ano, como convém, a casa já está toda arrumadinha em tons de laranja com umas mesclas amarelas. Só uma pergunta: Os 119 novos directores-gerais, subdirectores e outros que tais, (referentes apenas aos 3 diplomas publicados ontem) ainda tomam posse este ano ou só depois de amanhã?

Fica aqui a parte que me interessa mais directamente.


Decreto-Lei n.º 126-A/2011
Artigo 27.º
Direcção -Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas 
1 — A Direcção -Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas, abreviadamente designada por DGLAB, tem por missão assegurar a coordenação do sistema nacional de arquivos e a execução de uma política integrada do livro não escolar, das bibliotecas e da leitura.
2 — A DGLAB prossegue, designadamente, as seguintes atribuições:
a) Promover a leitura, em articulação com os sectores público e privado;
b) Elaborar e desenvolver programas e projectos que contribuam para a consolidação de uma economia sustentável do sector do livro;
c) Estimular a pesquisa e a elaboração de estudos, em particular sobre o mercado do livro e sobre os hábitos de leitura, em articulação com o GEPAC;
d) Planear e executar a difusão dos autores portugueses no estrangeiro e intensificar a exportação do livro português para os países de língua portuguesa, sem prejuízo das atribuições próprias do Ministério dos Negócios Estrangeiros;
e) Assegurar a execução e o desenvolvimento da política arquivística nacional e o cumprimento das obrigações do Estado no domínio do património arquivístico e da gestão de arquivos, em qualquer forma ou suporte e em todo o território nacional;
f) Superintender técnica e normativamente e realizar as acções de auditoria em todos os arquivos do Estado, autarquias locais e empresas públicas, bem como em todos os conjuntos documentais que, nos termos da lei, venham a integrar o património arquivístico e fotográfico protegido;
g) Assegurar, em articulação com as entidades competentes, a cooperação internacional no domínio arquivístico;
h) Exercer, em representação do Estado, o direito de preferência em caso de alienação, designadamente, em hasta pública ou leilão, de espécies arquivísticas valiosas ou de interesse histórico -cultural do património arquivístico e fotográfico, independentemente da sua classificação ou inventariação;
i) Assegurar a execução de uma política nacional para as bibliotecas públicas, em conformidade com as orientações dos organismos internacionais do sector, em articulação com as autarquias, às quais compete a tutela e gestão desses equipamentos.
3 — A DGLAB é dirigida por um director -geral, coadjuvado por três subdirectores -gerais, cargos de direcção superior de 1.º e 2.º graus, respectivamente.
         

Comentários

  1. nada como umas nomeações para fechar o ano e manter o pessoal contente.

    ResponderEliminar
  2. Ex-DGLB e ex-SEC, certo? Em nenhum ponto do Decreto-Lei n.º 126-A/2011 aparece referência à Secretaria de Estado da Cultura. A DGLAB, a BNP, a DGARtes, etc., dependem directamente da Presidência do Conselho de Ministros. Nem no tempo da Outra Senhora fizeram isto. Havia um Ministério da Educação e Cultura...

    ResponderEliminar
  3. Aparentemente o senhor secretário de estado não se importa de ter desaparecido...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário