quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Mãe


Podia ter sido quase tudo, mas é só minha mãe. Podia ter sido professora, médica, advogada, mas se alguma vez chegou a ter uma profissão, foi apenas costureira. Podia ter sido uma chef conceituada, mas os seus pratos só alimentaram a sua família. Podia ter sido uma líder em qualquer domínio, mas contentou-se em ser a mulher do meu pai.

A minha mãe é a mulher que nasceu fora do seu tempo, ou fora do seu lugar. Outras circunstâncias, com mais liberdade e menos preconceito, num meio mais desenvolvido teriam destacado a sua inteligência e perspicácia e teriam feito dela uma mulher brilhante. Assim, foi sempre actriz secundária no filme da sua própria vida.

A minha mãe é uma mulher entristecida e eu compreendo-a, porque a vida foi injusta com ela. Cresceu à sombra dos humores da minha avó e depois dedicou toda a sua vida a ser a âncora da família, o colo onde podemos sempre voltar e a opinião em que podemos sempre confiar, sem nunca ter tempo nem oportunidade para ser ela própria.

Foi com ela que aprendi quase tudo o que sou. Autodidacta, corajosa e pragmática, ensinou-nos a não baixar os braços perante a adversidade. Paciente, ensinou-nos a esperar e resistir ao desespero e à auto-comiseração. Liberal, ensinou-nos a tolerância e a solidariedade. Honesta e responsável, ensinou-nos a dignidade. Dona de um sentido de humor apuradíssimo, ensinou-nos a rir de nós próprias e das nossas vidas. Como Mãe, ensinou-nos a crescer e fez de nós mulheres activas, trabalhadoras e independentes.

Sei que hoje a sua felicidade é a nossa, que vive os seus sonhos através dos nossos e que se sente realizada pelo que conseguimos. Não se preocupe, Mãe. No meio dos trambolhões da vida garanto-lhe que somos felizes, porque nos ensinou a tirar partido de todas as pequenas coisas da vida e sobretudo porque cada uma de nós tem cá dentro a memória de todos os pequenos gestos com que sempre anulou as dificuldades.


Escrito para ser publicado aqui, há mais ou menos um ano,
 mas que se impõe relembrar hoje. 
Obrigada a todos os amigos, familiares e colegas que hoje estiveram connosco.
                                  

4 comentários:

  1. Omenagiar os nossos,principalmente quando eles o merecem, não é um acto de boa vontade é uma obrigação que devemos impor a nós próprios.

    ResponderEliminar
  2. Mais uma tua liiiinda homenagem!

    ResponderEliminar
  3. Pronto, lá me fizeste emocionar outra vez com este texto, como da primeira vez...
    Espero que esteja tudo bem com ela (dentro do possível)...
    Beijinhos.

    VM

    ResponderEliminar
  4. Uma mãe assim, é eterna, não haverá vento que a derrube, nem tempestade que a arraste, será sempre uma fortaleza erguida que nada nem ninguém poderá alguma vez destruir... É assim no reino das mães boas, como a sua, a minha e tantas outras pessoas que a lêm...
    Uma boa mãe també merece uma boa filha a Zélia. Bonito texto.

    ResponderEliminar