quinta-feira, 7 de junho de 2012

Sobre o Euro 2012, a selecção e outras coisas

1. Como é do conhecimento público, gosto muito de futebol.

2. Não tenho fé nenhuma na participação portuguesa neste Europeu.

3. Se eu fosse o Ronaldo, era 30 mil vezes mais antipática e desagradável.  Ter metade do mundo a querer saber o tamanho da unha do dedo mindinho do pé esquerdo é caso para mandar tudo às couves todos os dias. Enfim, talvez fosse um nadinha menos pirosa.

4. Se eu fosse um dos outros 22 jogadores convocados, sentava-me no meio campo quando o jogo começasse e só me levantava quando o árbitro apitasse para o fim. Não é só o Ronaldo que conta?

5. Ainda que não sejamos nós a pagar (e gostava que me explicassem isso tudo melhor), é um exagero o que se está a gastar com isto e ainda a procissão está a formar cordão dentro da Igreja. Falo dos gastos com os luxos da selecção, mas também dos gastos impressionantes que os órgãos de comunicação social estão a fazer com a multidão de enviados especiais que passam horas a encher chouriços à porta de um hotel qualquer. E sim, somos nós que pagamos.

6. Adorava estar enganada nos 5 pontos anteriores.

7. Acordem! O futebol é muito agradável, é um óptimo meio de descompressão, um factor de integração no grupo, é viciante e ainda por cima, tratando-se da selecção, traz ao de cima os sentimentos patrióticos mais ou menos nobres de cada um. Acontece que ser patriótico implica ter um País de que nos orgulhamos, em defesa do qual fazemos tudo. Acham que temos esse país? A equipa de futebol da selecção nacional (é só isso, uma equipa de futebol, não é o destino do país que está em causa dentro das quatro linhas) tem 3 jogos marcados. São 270 minutos. O que é que vamos fazer com os outros milhares de minutos que nos restam? Analisar e discutir cuidadosamente a distância que separa as duas sobrancelhas do Ronaldo?

Por amor de Deus! Façam aqui todos os dias, todos os segundos, aquilo que esperam ver em campo. Trabalhem, corram, lutem, protestem, estudem as melhores tácticas, dêem tudo o que têm para dar, até à última gota de suor. E depois sim, um petisco e uma cervejinha, e 90 minutos de puro deleite, com a consciência de termos dado o melhor para a grandeza de um país que aqueles 11 homens representam numa mera e regular competição de futebol.

Assunto arrumado. Já só volto a falar disto se me tiver enganado e passarmos às fases seguintes.

1 comentário:

  1. Acompanho-te na descrença...
    Só não te acompanho na admiração pelo Ronaldo.
    Não lhe vejo humildade em lado algum... e um bom jogador para mim tem que o ser.
    Tenho o defeito de não conseguir distinguir a pessoa do jogador.

    ResponderEliminar