sexta-feira, 29 de outubro de 2010

E já são amigos outra vez

Teixeira dos Santos e Eduardo Catroga chegaram a um entendimento que será formalizado nas próximas horas.
               

5 comentários:

  1. está confirmado, estamos tramados.

    ResponderEliminar
  2. Prometeram nunca mais trocar a medicação um do outro...

    ResponderEliminar
  3. Com ou sem Orçamento aprovado, os funcionários públicos receberão sempre ao fim do mês.

    LT

    ResponderEliminar
  4. @ Daniel e Manuel
    Tão comovente, a cena doméstica...

    @ LT

    Quando os empresários prestam um serviço ou fornecem bens, eperam ser pagos pelo seu trabalho, não é? Nós também.

    ResponderEliminar
  5. LT os funcionários Públicos, apenas querem receber aquilo a que tem direito, pelo seu trabalho, e são, eles que sustentam um parte do orçamento com os seus impostos, porque as empresas 2/3 apresentam prejuizos todos os anos, não sei como sobrevivem anos a fio sem lucro. E é por isso que isto está como está, alguém se , esquece de pagar os impostos, mas andam pavoniando-se com vidas de luxo, eu gostava, de ver certas declarações de IRS, e certas contas bancárias, e onde vão eles buscar o dinheiro para manterem essas vidas. Depois um remediado para recerber um abono dão-lhe volta à sua privacidade, exigindo, uma lista dos seus bens, incluindo as contas bancárias, até o mealheiro dos miudos, isto nem no tempo do FASCISMO. tOQUEM É NOS PODEROSOS, e nós aqui em Moura temos muitos, em que os sinais exteriores de riqueza, não combina nada de certeza, com o que declaram. Mas no entanto os funcionários Públicos é que pagam a crise. Claro que nem todos os Empresários são assim, há os que investem na modernização, na inovação e que pagam os seus impostos a condizer, há os micro e pequenos, que não tem ajudas e são sugados pelos grandes, mas a maioria, a tal maioria são uns parasitas.

    ResponderEliminar

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...