domingo, 17 de outubro de 2010

Tecnologia invisível

São 8h40 de Sábado. Mais de hora e meia a conduzir trazem-me ao meu destino: Uma escola acabadinha de inaugurar, tem apenas 10 dias, faz parte do lote de cem escolas inauguradas no dia 5 de Outubro de 2010.

Tinha sido avisada de que não haveria mais ninguém na escola, era a única formação marcada para aquele dia, mas há operários das obras, e máquinas a trabalhar por todo o lado. No átrio, um placard:

Acção de Formação (***):
Sala 102

Chego à sala ainda vazia e começo a montar o equipamento. Ocorre-me o relato de uma professora, há uns dias, que me dizia que as tomadas na maior parte das novas escolas não funciona, porque por trás das calhas não há fios nem cabos. Ao ligar o projector de vídeo, o primeiro contratempo: Não liga, não acende, não reage.

Aparece-me um funcionário. À minha pergunta diz-me que não percebe nada daquilo e que avisou logo, quando foi escalado, que não sabia trabalhar com o equipamento. Explico-lhe que eu sei trabalhar, mas o problema ali é que não funciona. Ao fim de algumas tentativas, concorda em ir buscar outro, "mas olhe que não é tão bom como esse...".

O outro equipamento já funciona. Quando os primeiros formandos entram na sala, estou a tentar aceder à internet. Também me tinham explicado que não havia acesso à internet na Escola (recém-inaugurada), mas que iriam colocar na sala o único ponto de acesso existente, uma vez que seria a única aula a funcionar naquele dia.

São 11 da manhã. Já desisti da internet, mas agora, acabou-se a luz. Considero seriamente a hipótese de pôr fim à formação e redigir uma reclamação. Aproveito para realizar um exercício prático de reflexão, com os formandos. A electricidade volta,e eu vou saltando pontos importantes da formação, porque continuo sem acesso à internet. Há vários formandos na mesma situação. Só os computadores adquiridos através dos programa e-escola conseguem aceder. Peço à colega colocada naquela escola que veja se me consegue arranjar um computador da escola, para continuar a formação no período da tarde (por salvaguarda, tenho toda a documentação numa pendrive).

Finalmente, após o almoço, temos acesso à internet, mas o software não consegue abrir os meus documentos, por estarem numa versão posterior, e é preciso fazer a conversão dos ficheiros, o que faz perder algumas funcionalidades.

Aceleramos para recuperar tempo, mas antes das 17h00, novo contratempo. Acabou-se novamente a electricidade. Desisto. Vamos embora. Na próxima semana a formação será transferida para outra escola, que por acaso, também está em obras.

Ah! Um pormenor importante. A formação é sobre um novo paradigma na educação, com a integração das novas tecnologias no processo de ensino-aprendizagem, procurando sensibilizar os professores para a sua utilização e integração de forma intuitiva nas aulas, até que se torne praticamente "invisível".


2 comentários:

  1. Já agora, onde era essa escola?

    ResponderEliminar
  2. A do vídeo ou a que visitei? Como deve calcular não vou responder, porque as consequências caíriam sobre os que menos culpa têm e que estão a dar o seu melhor, todos os dias, para ultrapassar este tipo de situações (incluindo os formandos).

    ResponderEliminar