Portugueses de segunda

É em Moura que se nota mais o problema. "Precisávamos de um hospital mais perto, salvava-se a vida de muita gente", diz Joana Rim, também proprietária de um café no centro da vila. O Hospital de Moura fechou vai para 25 anos, faz as contas de cabeça pela idade do filho, que já foi nascer a Beja, para onde são quase sempre encaminhados numa urgência. "Desde então já morreu muita gente pelo caminho e outras crianças nasceram também na ambulância." Até Beja é uma hora certa de viagem. Se forem para o Hospital Espírito Santo, em Évora, que também abrange o concelho de Moura, são mais 20 minutos. Segundo os dados da ERS, o Hospital São Paulo, em Serpa, também é uma opção: está mais perto, a 40 minutos de viagem.
Para ler no jornal i.
           

Comentários

  1. Nesta matéria não sigo o economicismo, mas também não alinho no coro do populismo que pretende ter um hospital em cada Concelho. Alinho sim, na questão sob o ponto de vista técnico, devem existir hospitais em número considerado necessário para cobrir as necessidades reais da população. Se é em Serpa, Moura ou outro local, é relativamente indiferente, importa sim a qualidade dos serviços prestados...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário