quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Requerimento

A Freguesia de Sobral da Adiça, no concelho de Moura, foi atingida pelo mau tempo que se abateu sobre o concelho, na noite de ontem.
A Ribeira da Perna Seca voltou a transbordar provocando, segundo João Diniz presidente da Junta de Freguesia local, inundações nunca antes vistas, superiores mesmo às registadas em 1997, quando as águas da referida ribeira galgaram as margens provocando enormes prejuízos e uma vítima mortal.
Ao local acorreram vários elementos e viaturas da corporação dos Bombeiros Voluntários de Moura para prestar auxílio à população, desconhecendo-se para já se existem vítimas e quais os dados causados.
Segundo vários populares um automóvel que circulava na Estrada Nacional 385, que liga Sobral da Adiça a Ficalho, terá sido arrastado pela água tendo os ocupantes conseguido escapar. Nesta altura o acesso a esta freguesia, do concelho de Moura, está bastante dificultado já que a Estrada Nacional 385 e a Estrada Nacional 255-1 encontram-se bloqueadas.
Recorde-se que a obra de regularização da Ribeira da Perna Seca já se encontrava a decorrer há cerca de um mês, uma intervenção que ronda os 2 milhões de euros.

Em meu nome e certamente, em nome de muitos munícipes do concelho de Moura venho por este meio requerer aos senhores Deputados na Assembleia da República que votaram contra o apoio financeiro do Estado à realização desta obra, e aos senhores governantes e ex-governantes que consideraram sempre  a intervenção na Ribeira da Perna Seca como uma questão pouco importante e nada prioritária, remetendo-a para as calendas gregas, que se desloquem hoje ainda ao Sobral da Adiça para comprovarem no local que não passam de uns idiotas. A obra é necessária e prioritária e os senhores são os responsáveis por todos os danos causados. 
            


1 comentário:

  1. Talvez fosse útil reflectir sobre todo este processo. Seria bom respeitar as forças da natureza ( o rio foi desviado do seu curso natural e sempre que tem condições retoma-o). Não seria mais viável construir novas casas para quem vive dentro,ou próximo do leito do rio e deixar este seguir o seu curso normal?
    Seria mais caro? Não faço ideia, mas talvez devesse ser equacionado. Aqui fica a minha sugestão.

    ResponderEliminar

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...