terça-feira, 30 de agosto de 2011

Balanços

Tenho esta mania de fazer balanços. Nas épocas festivas, nos dias de aniversário, os outros festejam e riem e eu passo o tempo a fazer balanços. O que fiz, o que poderia ter feito, o que ainda não consegui fazer, o que já vou perdendo a esperança de conseguir.

Nos últimos dias tenho dado comigo a avaliar mais vezes do que gostaria, se vale a pena continuar com este blogue. Até aqui o balanço tem sido muito positivo, mas começo a duvidar que seja sempre assim.

Sei que os tempos que aí vêm não serão fáceis porque esta treta de ter opinião e expressá-la descaradamente não é bem aceite, essa é que é a verdade. Toda a gente tem algo a dizer sobre tudo, mas ninguém, ou quase ninguém, consegue tolerar diferenças de opinião. E vai daí, acham que podem ofender e humilhar, a coberto do anonimato.

Assumo tudo o que aqui disse. Toda a gente me conhece, o meu nome está identificado, o meu email também. Quando erro, admito o meu erro e peço desculpas. Não posso evitar o chavão, quem nunca errou que atire a primeira pedra. O problema é que quem atira as pedras, esconde a mão porque sabe que já errou muito, e continua a errar. São normalmente seres covardes, frustrados e infelizes. Se tivessem um pingo de amor-próprio não teriam problema em dar a cara pelo que escrevem.

E eu, sinceramente, começo a não ter paciência. Já me chegam as preocupações da minha vida - que não são poucas -, o cansaço do trabalho e a responsabilidade de tomar conta da minha família. Tenho muito orgulho no meu percurso de vida e como tal, não estou disposta a permitir que qualquer imbecil me venha incomodar.

Não gosto de tomar decisões definitivas, até porque nunca as cumpro. A vida vai-me encaminhando para o rumo que tem de tomar, e com este blogue também será assim. Para já, pus fim aos comentários anónimos. O que se segue, logo se vê.

1 comentário:

  1. Pois, o problema não está no discordar; o problema está no ofender e humilhar. Seria bom se passássemos a defender o nosso ponto de vista, prescindindo da violência (porque, no fundo, trata-se de violência).

    Por outro lado, tudo isso é sinal de que o blogue está no bom caminho... ;-)

    ResponderEliminar

Estrela da manhã

Numa qualquer manhã, um qualquer ser, vindo de qualquer pai, acorda e vai. Vai. Como se cumprisse um dever. Nas incógnitas mãos tran...