sábado, 25 de fevereiro de 2012

Disparates do acordo ortográfico 07


anistia
em vez de amnistia
              

3 comentários:

  1. Completamente ridículo!!
    Aqui há uma violação completa da fonética!!

    ResponderEliminar
  2. Essa é uma variante do Brasil. Por cá dizemos, escrevemos e continuamos a escrever amnistia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é bem assim, cara Luísa. Quem me dera que fosse. Consultemos o Acordo ortográfico da Língua Portuguesa; Base IV, parágrafo 2º:

      "Conservam-se ou eliminam-se, facultativamente, quando se proferem numa pronúncia culta,
      quer geral, quer restritamente, ou então quando oscilam entre a prolação e o emudecimento: o b
      da sequência bd, em súbdito; o b da sequência bt, em subtil e seus derivados; o g da sequência
      gd, em amígdala, amigdalácea, amigdalar, amigdalato, amigdalite, amigdaloide, amigdalopatia,
      amigdalotomia; o m da sequência mn, em amnistia, amnistiar, indemne, indemnidade, indemnizar,
      omnímodo, omnipotente, omnisciente, etc.; o t da sequência tm, em aritmética e aritmético"

      Ou seja, o "m" admite-se apenas "numa pronúncia culta". O mesmo se passa com outros casos em que teoricamente a grafia dupla é admitida mas em que se tem assistido à erradicação absoluta da grafia tradicional (os tais já muito citados facto/fato, espectador/espetador, acto/ato).
      Pode confirmar aqui:
      http://www.priberam.pt/docs/AcOrtog90.pdf

      Eliminar

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...