domingo, 21 de novembro de 2010

Domingo à noite

Mesmo, mesmo a sério, o que me apetecia era hibernar. Fechar-me na minha concha e esperar até que este frio escuro e húmido do Inverno desapareça e o sol volte a preencher os meus dias. Desligar a televisão, o rádio, o telefone e a internet. Não ouvir falar do Sócrates nem dos socretinos, nem do Cavaco, nem de bolo-rei, nem de dívidas e juros, nem de greves e aumentos, nem de compras e sobretudo nem um único, por mais ínfimo que seja, som de protesto, nem uma única pergunta, nem um único pedido de orientação. Não quero estar disponível para prestar atenção, não quero ser capaz de resolver aquele problema, não quero saber a resposta àquela pergunta. Só quero a penumbra quentinha do meu ninho, a paz silenciosa dos meus livros, o conforto do meu egoísmo.
               

1 comentário:

  1. Acho que é isso que se pretende. Que cada um de nós permaneça no conforto do seu egoímo. Melhor do que isso só conseguirmos contrariarmo-nos e contrariar a expectativa de quem nos quer quietinhos, a hibernar...
    Bom resto de domingo :)

    ResponderEliminar