sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Já fico mais descansada

Um estudo internacional recentemente realizado, no qual participaram portugueses, revelou que o cérebro dos humanos sofre profundas alterações quando aprendem a ler, e que isto se verifica tanto nas crianças como nos adultos iletrados que são alfabetizados tardiamente.

Segundo as investigações, o cérebro tem de se adaptar e modificar para acomodar a capacidade de leitura. Como tal, são "desalojadas" outras funções, de modo a criar o espaço necessário, de entre as quais se destaca a capacidade para reconhecer a cara de pesoas com quem já nos cruzámos. Fica assim explicado porque é que eu não consigo fixar caras, apesar de ocupar o meu cérebro inutilmente com matrículas de carros, números de telefone e datas de nascimento...

Não resisto a reproduzir aqui um parágrafo da notícia, porque acho as primeiras duas linhas simplesmente magníficas.

Quando se aprende a ler, é como se uma armada vitoriosa chegasse às costas desprevenidas do nosso cérebro. Muda-o para sempre, conquistando territórios que eram utilizados para processar outros estímulos - para reconhecer faces, por exemplo - e estendendo a sua influência a áreas relacionadas, como o córtex auditivo, para criar a sua própria fortaleza: uma nova zona especializada, a Área da Forma Visual das Palavras. Isto acontece sempre, quer se tenha aprendido a ler aos seis anos ou já na idade adulta.

      

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...