-312

Hoje, na reunião de trabalho das quartas-feiras que por acaso foi a uma quinta-feira, falámos sobre casamentos, mais concretamente sobre pessoas que optam por casar mais do que uma vez. Optimistas, diziam uns, esperançadas, diziam outros, burras, dizia eu.

Pronto, feitos preconceituosos, concluiram logo que eu sou tendenciosa e que não posso dar opinião sobre este assunto. Pois bem, aqui ficam as provas científicas da minha conclusão:

Um estudo (!) britânico conclui de forma brilhante que os casais discutem em média 312 vezes por ano, com maior incidência nas Quintas-feiras por volta das 20h00, e durante cerca de 10 minutos. Normalmente, as discussões são sobre questões de vida ou de morte, como por exemplo luzes acesas, chávenas sujas de café ou zapping entre canais.

Tomem e embrulhem. E ponham a armadura, hoje é quinta-feira.

                  

Comentários

  1. Tendenciosa!!!!!hehehehehehehe
    Lá tinhas tu que vir com os estudos;-)

    GR

    ResponderEliminar
  2. Os britânicos sao uns tipos gelidos e que nao percebem nada dessas coisas (ate admira que o Shakespeare tenha nascido por aquelas bandas).
    1. As "garreias" nao se estudam. Praticam-se.
    2. Por norma, ha um concurso vocal (entre o tenor e a soprano).
    3. Mas juro que nunca discuti com ninguem por causa desses temas.

    Uma perguntinha, Zelia: quando se fala em casar mais que uma vez nao e em simultaneo, pois nao? Assim como os muçulmanos.

    ResponderEliminar
  3. Vou ter isso em conta. Já vou discutir com a minha mulher.

    ResponderEliminar
  4. Há pessoas que gostam de assinar contratos, como se isso fosse garantia de incumprimentos. Gosto mais da palavra, crédulos.

    ResponderEliminar
  5. Não, Santiago. Isso seria aumentar exponencialmente todos os factores de um casamento.

    Medo...

    ResponderEliminar
  6. GR
    Os bibliotecários são assim, não falam em vão. Tudo o que dizem tem fundamento.

    ResponderEliminar
  7. António
    Não havia necessidade...

    ResponderEliminar
  8. Anónimo
    Subscrevo a parte dos contratos. Inúteis, mas o que se há-de fazer? Quem manda é a vontade, não é um papel escrito.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário