domingo, 30 de janeiro de 2011

A mentira


Hoje, ao almoço com amigos, falámos da mentira e do mal que ela consegue causar. Sei que já falei disso aqui no Açúcar e que até pode parecer que estou um bocadinho obcecada com isto. Talvez esteja.

O problema é que a mentira é realmente o pior que qualquer pessoa tem para dar e não há nada, absolutamente nada, que o justifique. Por muito más que sejam as circunstâncias, só pioram com a mentira.

Há sempre, nas nossas vidas, um instante, um pequeno e quase insignificante instante, em que se faz uma escolha, se toma uma posição, se decide enganar alguém. A superioridade ilusória que se sente nesse momento, quando julgamos ter o poder de decidir sobre a vida daqueles que enganamos, nada mais pode trazer além da mágoa e da desilusão.

É esse instante, irreversível e corrosivo, que não perdoo.


             

4 comentários:

  1. Ora a mentira ajuda nas relações humanas, seria impossível vivermos sem ela. O que incomoda, em particular às mulheres, é a traição, não propriamente a mentira.

    ResponderEliminar
  2. "Os seres humanos são os animais que acreditam nas histórias que contam acerca deles próprios."
    O símio que existe em cada um de nós encarrega-se do resto (:) Todos enganamos, em maior ou menor grau. Necessariamente, não temos que enganar para prejudicar. Estou de acordo com o António na primeira parte da observação. Quanto ao incómodo referido, nunca vi nenhum homem dar pulos de alegria...

    ResponderEliminar

Estrela da manhã

Numa qualquer manhã, um qualquer ser, vindo de qualquer pai, acorda e vai. Vai. Como se cumprisse um dever. Nas incógnitas mãos tran...