O regresso

Ei-los que voltam. Ressacados das meias-noites ou com os olhos inchados das horas dormidas a mais. O calendário marca o regresso à vida normal e o fim da euforia programada do Ano Novo. Há muito que ficou para trás a solidariedade e a lista de compras do Natal, repenicada de beijinhos de circunstância.

É Janeiro e estão de volta. Tudo recomeça. As rotinas e as pressas, os “tempos livres” com hora e local marcados, as aulas, os alunos, os horários, as reuniões, os relatórios, os chefes, as injustiças, os lambe-botas, as pequenas alegrias e vitórias do dia-a-dia, as escadas, o cansaço, o cansaço, o cansaço...

Que tal de Ano Novo? Igual ao Ano Velho.
                    

Comentários

  1. mais ou menos parecido... ando a comemorar o ano com chá.

    ResponderEliminar
  2. O que há em mim é sobretudo cansaço

    O que há em mim é sobretudo cansaço
    Não disto nem daquilo,
    Nem sequer de tudo ou de nada:
    Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
    Cansaço.

    A subtileza das sensações inúteis,
    As paixões violentas por coisa nenhuma,
    Os amores intensos por o suposto alguém.
    Essas coisas todas -
    Essas e o que faz falta nelas eternamente -;
    Tudo isso faz um cansaço,
    Este cansaço,
    Cansaço.

    Há sem dúvida quem ame o infinito,
    Há sem dúvida quem deseje o impossível,
    Há sem dúvida quem não queira nada -
    Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
    Porque eu amo infinitamente o finito,
    Porque eu desejo impossivelmente o possível,
    Porque eu quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
    Ou até se não puder ser...

    E o resultado?
    Para eles a vida vivida ou sonhada,
    Para eles o sonho sonhado ou vivido,
    Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
    Para mim só um grande, um profundo,
    E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,
    Um supremíssimo cansaço.
    Íssimo, íssimo. íssimo,
    Cansaço...

    Álvaro de Campos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário