Ser ou não ser o pai da criança, quero dizer, do Astérix.

Depois de 51 anos a desenhar Astérix, Obélix e companhia, o fisco francês resolveu retirar a Albert Uderzo o estatuto de autor das Aventuras de Astérix, remetendo-o à condição de simples ilustrador.

Em Biblioteconomia, e considerando que se trata de literatura em banda desenhada, o que se discute é se Uderzo deve ser o autor principal e Goscinny o co-autor, uma vez que o elemento principal do livro é a imagem e não o texto (para efeitos de indicação do cabeçalho do livro). Mas para o fisco francês, só Goscinny (que já morreu) é o verdadeiro autor de Astérix, e por isso, reclama o pagamento de 203 000 euros ao criador de Astérix por alteração da sua "situação contributiva".

Das duas, uma: ou o fiscal das finanças é romano, ou é um "simples ilustrador" frustrado.

Comentários