sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Não sei bem se devemos dar os parabéns nestas circunstâncias...



Eu, que carrego o nome de Zélia Maria desde que nasci, sou desde já solidária com o sofrimento da pobre criança, embora não deixe de me sentir aliviada por haver mais alguém com um nome mais feio do que o meu. E ainda por cima com uns pais doidos varridos.
                     

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...