segunda-feira, 18 de abril de 2011

Cada vez menos nobre

Desculpem lá a insistência no assunto, mas depois de todos os erros que já cometeu ao longo do processo - "Sou independente e nunca mais me meto na política, já não sou independente e vou ser outra vez candidato, o PSD convidou-me, o PS também me convidou e eu não sei guardar segredos, vou ser Deputado e Presidente da Assembleia, afinal já não quero ser deputado, só quero ser Presidente da Assembleia..." - Fernando Nobre abriu nova página no Facebook, com o lema "Uma candidatura à presidência da Assembleia da República, agora com novo fôlego".

Querem ver que vamos passar a ter 2 boletins de voto nas legislativas, um para escolher os Deputados e o Governo e outro para escolher o Presidente da Assembleia? Ninguém é capaz de perder 5 minutos a explicar-lhe como funcionam as eleições? E já agora, expliquem-lhe também como funciona a Assembleia, não vá o homem acabar Presidente da dita.

           

4 comentários:

  1. Vá... naquele dia o homem não tinha tomado as pastilhas!!!

    ResponderEliminar
  2. A entrevista ontem de Nobre foi mais uma vez lamentável.

    ResponderEliminar
  3. Por acaso até acho que se safou razoavelmente nas entrevistas que deu, é verdade que não terá conquistado um eleitor a votar PSD, mas pelo menos desta vez não os espantou. A máquina do partido começa a funcionar...

    ResponderEliminar
  4. Depois de Sócrates qualquer palhaço aderente ao corrupto sistema político que o substitua é melhor. Mais importante que nomes ou siglas são programas de governo com reformas – para ontem - moralizando a política. E aí, sim, teríamos o povo de volta participativo, pelo menos, aceitando em parte pagar a conta da incompetência administrativa. Enquanto isso não ocorrer estamos a ir para a guerra com poucos soldados desmotivados, desmoralizados e desunidos deixando antever mais uma batalha perdida.
    Carlos - RJ

    ResponderEliminar

Estrela da manhã

Numa qualquer manhã, um qualquer ser, vindo de qualquer pai, acorda e vai. Vai. Como se cumprisse um dever. Nas incógnitas mãos tran...