É impressão minha...

...ou os telejornais e jornais impressos já aborrecem com as imagens das entradas e saídas dos senhores do FMI do hotel, do Ministério das Finanças, perdidos na rua de Lisboa... Não dizem uma palavra, seguram a gravata para não voar com o vento e aparecem uma vez, e outra e outra. Isto não é notícia, a notícia é o que se passa lá dentro. Se não conseguem saber o que se passa, "deslarguem" os homens!
           

Comentários

  1. as televisões tem de encher chouriços. Tradição.

    ResponderEliminar
  2. ... deixem os homens trabalhar ... tentem entrevistar quem em 6 anos duplicou a dívida e perguntem-lhe porquê? ...

    LT

    ResponderEliminar
  3. Também não percebo este circo todo em volta dos indivíduos, quando devia acontecer o contrário: deviam ser ignorados pelos media, limitando-se apenas a notíciar os resultados concretos do (bonito) serviço que vieram cá fazer a pedido do (des)governo.

    As coisas têm a importância que cada um lhes quer dar e a guarda avançada do FMI não é propriamente a Madre Teresa de Calcutá, que ajudava quem precisava sem pedir nada em troca. Parece que toda a gente esqueceu, ou faz por esquecer, porque é que esses tipos estão cá.

    Na Islândia ninguém esqueceu e levaram a melhor: 3,3% de juros num empréstimo a 30 anos!

    Luís Amor

    ResponderEliminar
  4. LT
    Correto, tanta explicação a dar. Quanta informação desencontrada e muita mentira a contestar. Essa subserviência ao aloprado é vergonhosa, corrupta e irresponsável, pois confunde o povo, veja-se que ainda tem +/- 30% de aceitação popular.
    O País é arruinado por um louco que julga os outros, os que pagam as suas loucuras, o serem.
    Chama de impatriótica toda contestação. É loucura demais. Cometeu o maior dos crimes, arruinou o País e ainda quer passar como herói Nacional, porque no conceito externo Merkel o acha o máximo.
    Qual a pena para PM deficiente e mentiroso?
    Para já, antes de ser julgado, para não agravar mais a situação, para calá-lo, cadeia preventiva até às eleições.
    A situação é gravíssima.
    Carlos - RJ

    ResponderEliminar

Enviar um comentário