sábado, 19 de dezembro de 2009

"Acordo" de Copenhaga



O acordo, hoje apresentado aos 193 países membros da Convenção sobre o Clima da ONU, é um documento de apenas três páginas que fixa como objectivo limitar o aquecimento planetário a dois graus em relação aos níveis pré-industriais.

Prevê também um montante de 30 mil milhões de dólares a curto prazo (para 2010, 2011 e 2012), depois um aumento até 100 mil milhões de dólares até 2020, destinado aos países mais vulneráveis para os ajudar a adaptar-se aos impactos do desregulamento climático.

Este "acordo" difere bastante do esboço que circulava nos corredores desta cimeira e não refere o comprometimento dos países desenvolvidos com reduções de emissões de gases com efeito de estufa em pelo menos 80% até 2050. As metas de redução anunciadas para 2020 também não são vinculativas.

Vários países da América Latina e do Pacífico rejeitaram o novo acordo, considerando o documento minimalista, e discordam das metas apresentadas. Destacam-se aqui os pequenos países, constituídos por ilhas que poderão desaparecer com a subida do nível das águas que um aquecimento de dois graus poderá provocar.

Os países europeus aceitam o documento com reticências. As grandes decisões ficam remetidas para a cimeira do México, em Novembro de 2010.

4 comentários:

  1. Em "futebolês" diz-se que chutaram para canto...

    Enquanto a economia for o centro da nossa sociedade, nada mudará radicalmente.

    Beijo prima.

    ResponderEliminar
  2. ... ao Rogério Charraz: ... não me diga que não mandou ontem à noite um SMS à sua prima por causa daquele evento da segunda circular ????

    tss tsss
    Lixo Tóxico

    ResponderEliminar
  3. Caro LT
    Afinal, você é que é pior do que a tal senhora, lembra-se?

    ResponderEliminar